Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Um problema chamado Feira Livre

Para uns uma boa opção de qualidade e atendimento, para outros o sinônimo de barulho e dor de cabeça. Afinal, como resolver a questão dos comerciantes das ruas?.

Fotos: Gabriel Oliveira/Leonardo Filomeno

Conhecidas pelos pastéis e caldo-de-cana, as feiras livres concentram clientes de todas as idades e renda, oferecendo uma diversidade de produtos, desde legumes, frutas, verduras a bijuterias, roupas e calçados. O Sindicato do Comércio Varejista dos Feirantes calcula que existam cerca de 950 delas, responsáveis diretamente pelo emprego de 10 mil pessoas, embora existam muitas outras funcionando irregularmente na cidade.

O contato amistoso com o vendedor, a qualidade dos produtos e os preços baixos, se comparado aos grandes mercados, incentivam as pessoas a optarem por esses comércios de rua. Por outro lado, a gritaria dos feirantes, a dificuldade de acesso, a sujeira na calçada, o mau cheiro de peixe e produtos orgânicos são os principais problemas alegados pelos moradores das ruas onde as feiras residem uma vez por semana. Os imóveis dessas vias chegam a desvalorizar cerca de 30%.

O estudante de direito Reinaldo Carvalho, 27 anos, resume bem esse problema. "Todo mundo acha ótimo ter a feira por perto, mas ninguém quer uma na porta de casa". Residente da rua Alcino Braga, no bairro do Paraíso (zona sul), tem duas opções: ou deixa seu carro na rua à noite ou é obrigado a acordar antes das cinco da manhã para não ter vê-lo preso em casa, devido à feira instalada na sua porta.

Já o aposentado Abraão Figueiredo, morador da Rua Estela, do bairro de Vila Mariana (zona sul), contemporiza. "Há 35 anos convivo com ela, quando funciona tenho dificuldades ao sair de casa com o automóvel para caminhar no Parque do Ibirapuera, mesmo assim sou favorável às feiras livres, que já fazem parte da nossa tradição popular".

Vendendo o Peixe

Para perceber a cordialidade dos vendedores com os clientes é só fazer um passeio por esses comércios ao ar livre. Um exemplo é Dona Durvalina, 78 anos, que chega a deixar até R$ 250,00 por semana na barraca de aves de Dárcio Bernardo. Ele seleciona, limpa e corta os frangos, enquanto ela compra outras coisas. Quando volta, conversam animadamente e Dárcio pessoalmente leva suas mercadorias para casa.

"Diariamente pego mercadorias frescas, que são expostas após seleção. Acomodo no gelo e o que não vender é reposto no frigorífico. Diferente do mercado, que compram no mesmo lugar que a gente, muitas vezes os produtos já até passaram por nossas barracas, congelam é o que você vê é até 30% do peso da mercadoria só de água", afirma Dárcio para uma das vantagens de comprar nesses lugares.

Segundo o Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), só na capital, em 2007, foram comprados 2,5 milhões de toneladas de mercadorias pelos feirantes, somando frutas, legumes, verduras, pescados e flores, isso representa um volume de 2,8 bilhões de reais gastos só por esse setor.

O presidente do Sindicato dos Feirantes, José Torres Gonçalves, aponta para as principais diferenças entre as feiras livres e os hipermercados. "Além de comprar primeiro as mercadorias, selecionamos para o cliente, dando até a oportunidade de experimentar o produto que ele vai levar. Sem contar o contato muito próximo entre o vendedor e o consumidor, que pode barganhar o preço".






A prefeitura de São Paulo já tomou algumas atitudes que afetam diretamente esse comércio itinerante. Ano passado, o prefeito Gilberto Kassab decretou a "lei do silêncio", que impedia os profissionais das barracas de usar aparelhos sonoros ou proclamar em voz alta seus produtos, incomodando os moradores do local. Devido à polêmica causada na época, a lei foi revogada em menos de um mês de criação.

Atualmente, para diminuir o tráfego de caminhões em regiões centrais na metrópole paulista, Kassab emitiu outro decreto que reduz em uma hora o funcionamento de 80 feiras livres, que ocorre normalmente das 7h30 às 13h30. Nesses lugares, as ruas terão agora que estar liberadas pelos feirantes, com as barracas já desmontadas e os produtos recolhidos nos caminhões, às 14h em vez das 15h.

O presidente do Sindicato dos Feirantes, José Torres Gonçalves, prevê uma queda nas vendas em torno de 20% a 30%, devido à diminuição de clientes que procuram o horário da xepa, onde os vendedores ofertam a um preço mais baixo. "Estamos conversando com Roberto Graziano (supervisor de abastecimento da Secretaria das Subprefeituras) para retornar ao horário anterior, caso isso não aconteça, o público será o mais prejudicado e vai ter que reeducar o hábito de freqüentar as feiras".

Apesar dos novos problemas com a prefeitura e as reclamações dos moradores, a coexistência com a vizinhança geralmente é pacífica e muitos acabam se adaptando a rotina semanal. Tudo indica que esse tipo tão tradicional de comércio pode até reduzir, mas ainda terá vida longa nas ruas paulistanas.


Conheça mais:
? Em São Paulo, esse comércio de rua tem a origem no período colonial. Expandiu-se mais rapidamente a partir do século passado, com a I Guerra Mundial (1914-1918), com as autoridades estimulando sua criação para baratear o abastecimento. O movimento caiu de 1997 para cá, em parte por causa dos hipermercados. Entretanto, os feirantes seguem como os maiores clientes da Ceagesp.

? Não existe um critério de escolha das ruas que recebem as feiras livres. Muitas delas remontam há décadas atrás e por fazer parte da tradição do bairro, persistem. A mudança de ruas dificilmente ocorre, já que a legislação determina, quando uma feira for retirada de uma rua, que seja instalada outra no mesmo distrito.

? A região de São Paulo com mais feiras é a zona leste, com 40% delas. Enquanto isso, a região central possui apenas 3,5% devido à inviabilidade de sua realização, que obriga a interdição de ruas e o desvio do trânsito para vias alternativas.

? O único dia da semana que não tem feira é na segunda. Como o agricultor não trabalha no domingo, o Ceasa só recebe mercadorias na segunda a partir do meio-dia, inviabilizando o trabalho nas ruas.

? Os feirantes pagam, em média, R$ 70,00 mensais para poderem trabalhar. As barracas de peixe, entretanto, custam mais caro, R$ 240,00 por mês.


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Turismo: 5 destinos brasileiros que serão tendência no 2º semestre de 2021

Viagens

10 lugares da Bahia para conhecer online

Viagens

10 atrações turísticas do Sul do Brasil para ver online

Viagens

10 pontos turísticos do Nordeste brasileiro para ver online

Viagens

10 destinos religiosos ao redor do mundo para ver online

Viagens

6 atrações turísticas em Mykonos, na Grécia, para ver online

Viagens