Guia da Semana

5 artistas cubistas que você precisa conhecer

Confira obras que chocaram a população da época e que com o tempo tornaram-se grandes obras de arte

No ano de 1907, Pablo Picasso revelou aquela que hoje é considerada a primeira pintura cubista, chamada Les Demoiselles d'Avignon. Entretanto, para quem não sabe, vale lembrar que o estilo desenvolveu-se em Paris e junto a Picasso, foi liderado por Braque. 

Porém, embora o cubismo tenha sido inicialmente desprezado pela maioria dos críticos e apesar do público da época não estar preparado para esse tipo de arte, o revolucionário estilo acabou adotado por muitos artistas.

Assim, empogados com o novo movimento, passaram a construir imagens de pessoas, lugares e objetos domésticos usando uma rede de planos ilusórios, adotando o achatamento e ilusões renascentistas de volume - o que lhes permitiu desenvolver um espaço raso onde podiam misturar padrões de superfície e ambiguidades espaciais com objetos estáticos. 

Para que você lembre do movimento - e de quem o aderiu - o Guia da Semana lista alguns artistas que você precisa conhecer. Confira:

PABLO PICASSO

Picasso dispensa apresentações, mas uma de suas obras mais famosas merece destaque e atenção em cada rico detalhe. Les Demoiselles d'Avignon retrata prostitutas em um bordel em Barcelona e teve uma recepção bem hostil por parte dos críticos, poetas e artistas da época. Entretanto, o que chocou não foi o tema abordado, e sim o estilo, a estética. 

Com um plano horizontal, Picasso enfatizou uma paleta de cores limitada e escolheu uma opção de contornos para definir formas ao invés de manipular cores e formas como faziam os expressionistas. A tela exala uma sexualidade oculta, que se torna evidente nas pinceladas enérgicas. 

As duas mulheres ao centro são o coração da obra. Com os braços levantados acima da cabeça, isso mostra que ambas se sentem seguras com a própria nudez e sexualidade. Olham de maneira provocante e direta para fora da pintura, o que prende ainda mais a atenção do espectador - o que contrasta com o primitivismo das outras figuras da tela. 

Já a figura agachada tem a cabeça mais cubista do quadro e alguns críticos explicam que a arte africana inflenciava muito Picasso, aspecto que durou todo o seu período cubista. Nesse quadro, especificamente, baseou-se nas mascaras de rituais da tribo Dogon. O primitivismo, para ele, significava vitalidade. 

GEORGES BRAQUE

Georges Braque foi um grande pintor e escultor francês, que iniciou sua relação com o uso de tintas na empresa de decoração de seu pai e fundou o Cubismo, junto de Pablo Picasso. A tela que nomeou de O Homem com Violão é um exemplo perfeito do cubismo analítico, onde o objeto retratado é representado como uma série de superfícies planas interconectadas. 

O artista mostrou como uma forma pode ser reduzida a uma forma de abstração nunca antes imaginada, substituindo a tradicional perspectiva única por perspectivas múltiplas em uma superfície em grande parte plana com formas bi ou tridimensional coexistindo de diversas maneiras. 

De início, a tela nos causa confusão e um efeito de desnorteamento, mas com toda sua genialidade, Braque nos fornece pistas de orientação e o resultado é uma obra densa, mas sugestiva, que convida à investigação. 

JUAN GRIS

 

Um dos mais famosos e versáteis pintores cubistas espanhóis, Gris retratava figuras únicas ou naturezas mortas utilizando uma gama limitada de cores e, além disso, passou a desenvolver colagem de papel, em formas recortadas postas sobre a tela. Ao contrário das obras monocromáticas de Picasso e Braque, ele fazia uso de cores mais vivas e harmoniosas.


 FERNAND LÉGER 

Fernand Léger colocou no cubismo uma sensação de prazer e otimismo ao pintar uma série de composições pequenas e fortemente delineadas em cores primárias, também bem diferente das acadêmicas e sombrias de Picasso e Braque.

Mais parecidas com desenhos do que com pinturas, suas obras eram feitas rapidamente, usando pincelada únicas que substituiam os planos cuidadosos das primeiras pinturas cubistas. Assim, introduziu uma nova estética no mundo da pintura, que rompia com as regras de perspectivas e textura e lançava o movimento cubista a um mundo modernista. 

ANDRÉ DE LOTHE

Escritor e pintor francês, Lothe foi muito influente como professor e escritor de arte. Um dos integrantes do Cubismo, trabalhou em móveis de madeira e era um exímio autodidata. Foi responsável por propor unir o Cubismo com a tradição artística que, em suas palavras, é aquilo que "...resiste a todas as épocas e aos trejeitos, maneirismos e afetações de todos os tipos, são os valores que eu nomeio, por falta de melhor termo, invariants plastiques, de que um certo coeficiente é necessário à vida da obra."

Atualizado em 15 Mar 2016.

Por Nathália Tourais
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças