Guia da Semana

50 anos de Bossa Nova

Como o gênero que consagrou Tom Jobim, Vinicius de Moraes e João Gilberto conquista o mundo há cinco décadas

Poucos movimentos artísticos genuinamente brasileiros estenderam-se pelo mapa-múndi e reverberaram por tanto tempo quanto a bossa nova. O gênero, que em agosto deste ano completa meio século de vida, tem sua verdadeira origem tão controversa quanto à verificação de seu declínio, no início dos anos 70. Eleito como marco zero do ritmo, o lançamento de Chega de Saudade, do gênio João Gilberto, carrega os genes da bossa em suas duas canções, Bim Bom e Chega de Saudade, uma disposta em cada lado do disco.

Antonio Carlos Jobim: mestre foi um dos grandes pilares da bossa nova


Mas afinal, quais características ajudaram a consolidar a bossa nova como uma das expressões musicais mais respeitadas da segunda metade do século XX? A princípio, o virtuosismo de João Gilberto se revelou em uma maneira totalmente inovadora de apresentar ao violão a cadência do samba e o dinamismo do jazz, amparada por vocais sóbrios, quase sussurrantes. Assim, o baiano de Juazeiro do Norte deu o pontapé inicial no movimento que já trazia a reboque a preciosa parceria Tom Jobim-Vinicius de Moraes.

Estabelecida na zona sul carioca, a turma da bossa nova reunia nomes como Carlos Lyra, Nara Leão, Ronaldo Bôscoli e Roberto Menescal em torno de temas despojados de comprometimento político e distante de reflexões espinhosas, embora centrados em um lirismo romântico cativante. Já em 1962, essa experiência foi apresentada em palcos americanos, durante o famoso festival no Carnegie Hall, em Nova York, e logo em seguida adotada por um séqüito de jazzistas de primeira linha como Miles Davis, Ella Fitzgerald e Stan Getz, que passaram a incutir em seus trabalhos muitas das peças forjadas nos moldes da bossa nova.

Desde 1958, quando gravaram o disco Canção do Amor Demais, a parceria entre Tom Jobim e Vinicius de Moraes rendeu frutos memoráveis que não tardaram em entrar no cânone do movimento. Definitivamente, a bossa deve a dupla algumas de suas composições mais emblemáticas como Água de Beber, Ela é Carioca, Eu Sei Que Vou Te Amar, Insensatez e Garota de Ipanema, não apenas uma das canções brasileiras mais conhecidas fora do país, como uma das músicas mais executadas ao redor do planeta.

Roberto Menescal: um dos grandes da bossa continua na ativa


Tom Jobim, formado em arquitetura, Vinicius de Moraes, jornalista e diplomata, além de Ronaldo Bôscoli, também jornalista, eram algumas das cabeças da bossa nova que compartilhavam de um ambiente tachado de intelectual pelos críticos do ritmo. Por vezes, a patrulha apontava o suposto elitismo de seus membros como motivo para o afastamento natural das raízes da música popular brasileira. Essa rotulação ligeira afastou alguns desses grandes músicos do país, como o próprio Tom Jobim, que não tardou em desembarcar em Nova York, onde deu vida a um de seus álbuns mais experimentais, Stone Flower.

Com a aproximação dos grandes nomes da bossa de outros gêneros, mais precisamente do samba e de ritmos regionais, mas principalmente com o fortalecimento do que se convencionou chamar de MPB, o movimento perdeu altura, dividindo o holofote com jovens vertentes. Após os falecimentos de Vinicius de Moraes, em 1980, de Nara Leão, em 1989 e de Tom Jobim, em 1994, a bossa passou a ser lembrada e reconstruída paulatinamente por músicos da nova geração, que buscam mais restaurar a obra dos mestres do que se aventurar por trabalhos mais autorais.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças