Guia da Semana

9 curiosidades sobre a vida e obra do artista plástico Mark Rothko

Trajetória de artista é retratada na peça Vermelho, em cartaz no Teatro Tuca até o fim do ano

Em cartaz no Teatro Tuca, a Peça Vermelho faz um recorte da vida e obra do consagrado gênio das artes plásticas Mark Rothko. Ele ganha vida pela interpretação do mestre da atuação Antônio Fagundes, que divide o palco com seu filho, Bruno Fagundes.

O espetáculo se passa no final dos anos 50, quando o icônico pintor (líder do Expressionismo Abstrato) recebeu um convite para pintar grandes painéis de um luxuoso restaurante em Nova York e recebeu uma quantia quase inestimável para a época (o equivalente hoje a 10 milhões de dólares). Um encontro cheio de nuances entre mestre e aprendiz, com arte, reflexão e questionamento, é o plano de fundo em meio ao cenário repleto de detalhes, com preparo de tintas e quadros pintados durante a sessão.

Na peça, em seu ateliê em Nova Iorque, Rothko recebe, pela primeira vez, seu novo assistente, e pergunta “O que você vê?“ (apontando para uma das pinturas em que trabalhava). A partir disso, inicia-se um eletrizante embate entre os dois. Conceitos artísticos entre as gerações, diferentes bagagens culturais e o mesmo amor pela arte são alguns dos objetos em cena.

Pensando em sua vida e obras extremamente interessantes, o Guia da Semana lista 9 curiosidades que você precisa saber sobre Rothko. Confira:

ORIGEM


Mark Rothko foi um pintor norte-americano que mudou-se da Rússia para os Estados Unidos com sua família quando tinha dez anos. Nascido na Letônia, como Marcus Yakovlevich Rothkowitz, com medo de que a influência nazista crescente na Europa provocasse a deportação de judeus americanos, Rothko conseguiu a nacionalidade americana e adotou o nome Mark Rothko. 

ESTUDOS E INICIAÇÃO NAS ARTES

Morando em Portland com a família, estudou no Lincoln High School de Portland e depois na Universidade Yale. Após os estudos, tornou-se professor de desenho para crianças e, alguns anos depois, fundou a Artist Union de Nova York.

PERSONALIDADE

Segundo amigos e familiares, Rothko tinha uma natureza difícil. Profundamente ansioso, podia ser também extremamente afetuoso. Intelectual e extremamente culto, amava música e literatura. Tinha grande interesse por filosofia e, em especial, pelos escritor de Nietzche e pela mitologia grega. 

CARREIRA

Foi nos anos 1950 que sua carreira deslanchou, com o empurrão do colecionador Duncan Philips, que comprou vários quadros e, após uma longa viagem do pintor à Europa, consagrou uma sala inteira a sua coleção (um sonho de Rothko, que desejava que os visitantes não fossem perturbados por outras obras).

ESTILO

Rothko passou pelo expressionismo abstrato e pelo surrealismo, mas desenvolveu uma forma única de pintar. Definida pelo crítico Clement Greenberg como Colorfield Painting, é compreendida como uma forma mediativa de pintar, uma pintura do campo de cor. 

Em suas telas, ele se exprime exclusivamente por meio da cor em tons indecisos, em superfícies moventes, às vezes monocromáticas e às vezes compostas por partes diversamente coloridas. Ele atinge assim uma dimensão espiritual particularmente sensível.

Para não especialistas, suas telas parecem profetizar o surgimento das páginas Web, só que em dimensões maiores que a parede de nossas residências.

CASAMENTO


Rothko casou-se Edith Sachar em 1932 e separou-se em 1937, logo após o sucesso da esposa no ramo de joias deslanchar. Segundo pessoas próximas do artista, ele se sentia ameaçado por seu desempenho financeiro. 

INFLUÊNCIA DE NIETSZCHE 

O envolvimento de Rothko com a filosofia era claro e intenso. Entretanto, um livro, em especial, foi extremamente importante para o desenvolvimento de seus próprios pensamentos e, consequentemente, a influência em suas obras: "O nascimento da tragédia", de Nietzsche.

Influenciado, tentava dirigir-se às exigências da espiritualidade do homem moderno e às exigências criativas mitológicas, clamando que a tragédia é uma tentativa humana de compensar os terrores de uma vida mortal e, por isso, era a única fonte da arte. 

Assim, os objetivos artísticos modernos deixaram de ser importantes e relevantes para Rothko, que passou a colocar como finalidade em suas telas o ato de aliviar o vazio espiritual, reconhecendo o estético necessário para a liberação das energias inconscientes, precedentemente liberadas pelas imagens, símbolos e rituais mitológicos.

RELAÇÃO COM SUAS OBRAS

Durante uma carreira que durou cinco décadas, ele criou uma nova e apaixonada forma de pintura abstrata. No entanto, ele se recusou a considerar suas pinturas apenas nestes termos, e explicou: "é uma noção amplamente aceita entre os pintores que não importa o que se pinta enquanto ele está bem pintado. Esta é a essência do academicismo. Não existe tal coisa como boa pintura sobre nada". 

Radiante e escura, a arte de Rothko é distinguida por um raro grau de concentração sustentada na cor, superfície, proporção e escala, acompanhados pela convicção de que esses elementos podem revelar a presença de uma verdade filosófica alta. Com elementos visuais, como luminosidade, escuridão, espaço amplo, e o contraste de cores, é associado, pelo próprio artista e também pelos críticos, a temas profundos como a tragédia e o sublime. 

O pintor era conhecido por ser um homem "chato" com suas obras. Diferente de muitos artistas, Rothko dizia que fazia telas enormes porque o espectador deveria se sentir dentro das obras e dar-se um tempo para que pudesse interpretá-las, inconscientemente, e deixar que isso tomasse conta de seus sentimentos. 

Entretanto, engana-se quem pensa que ele simplesmente as pintava. Para ele, a luz e a distância da tela era crucial para a compreensão de suas criações. Assim, exigia que os lugares que abrigavam suas telas cumprissem um padrão de exigências, fazendo com que a negociaçao de vendas e encomendas de suas obras durassem anos. 

DOENÇA E SUICÍDIO 

Meio ao desenvolvimento de suas idéias sobre a pintura, Rothko, já reconhecido por suas obras, teve sua produção interrompida por um aneurisma, doença que impedu que continuasse a pintar grandes telas, como gostava. Em 1970, em meio a uma depressão, Rothko cometeu suicídio.

Atualizado em 16 Ago 2016.

Por Nathália Tourais
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças