Guia da Semana

A contemporaneidade de uma tradição

Colunista levanta questões conflitantes de peça em cartaz

Cena de Os Ratos Soltos na Casa
Foto: Divulgação


Em cartaz até outubro, no CCSP, em São Paulo, Os Ratos Soltos na Casa. Novo texto de Patrícia Mães, aponta com precisão a incessante busca pela perfeição dos diálogos, tão arduamente defendida por Samir Yazbek, dramaturgo de qual fora aluna.

Aos poucos o trabalho, desenvolvido por Yazbek, revela seus resultados em nossos palcos. Na peça, como não poderia deixar de ser, fundamenta-se pela retórica na construção de personagens que pouco necessitam de ações, sobrevivendo o texto pelo conflito e falas num aparente tradicionalismo da forma.

Mas se a forma sugere a tradição, o discurso em si envereda pelo diagnóstico contemporâneo dos indivíduos. Não há dois lados apenas, o certo-errado de sempre. Múltipla em si mesma, a persona transmuta ao valor das vibrações do outro, da presença igualmente indefinida, levando o espectador a ler não mais o conflituoso estado de protagonista/antagonista, e sim a complexidade própria dos nossos dias de serem todos simultaneamente antagonistas (do outro e de si mesmo) em constante oposição aos desejos, aos fracassos.

A precisão da palavra, o minimalismo da cena, faz com que a dramaturgia se firme proprietária de valores ímpares. E se por um lado o esvaziamento da cena submetida às circunstâncias da palavra cria um paradigma sobre nossa época, quando o valor está sobretudo na construção por imagens, por outro fortalece o diretor como presença maior, instrumento intermediário necessário entre ator e texto.

Com direção de Carmem Beatriz, a peça expõe soluções plausíveis na procura de acrescer ao verbo consistência plástica. Belas, por vezes, até poéticas. No entanto, muitas vezes o faltante não são idéias, mas maior concisão conceitual entre as mesmas, levando o espetáculo a não ter claramente um ponto de vista formal sobre como é abordado.

Falta explicitar melhor a proposta em si, traduzir o necessário e limpar as arestas, mesmo que isso exija desfazer-se de bons recursos cênicos. Não cabe apenas a adequação. É preciso aprofundar os subtextos dramáticos e de lá retirar o que de fato se mostrar imprescindível.

Exemplo disso é a iluminação. Por muitas vezes, os atores são escondidos em sombras sobre os rostos, dificultando melhor leitura das intenções ditas, já que por toda a peça o interior e exterior das personagens são postos em contradição, explicitando a não definição estética do que aparentemente se revela desacerto e não estilo.

Como tratar no realismo a condição entre a tríade texto-ator-diretor é e será sempre uma questão a ser solucionada de maneira criativa. Enquanto o diretor se estabelece como intersecção com influência determinante sobre o resultado, o ator surge como instrumento de materialização da palavra. E hoje, com o desinteresse do público pelo discurso, pelo diálogo, como determinar uma posição para trabalhos voltados à palavra?

Estratégias à parte, o importante é compreender que, em algum aspecto, o texto sobrevive à ausência de escuta, e ainda há verdadeiramente dramaturgos voltados e obstinados pela arte do dizer.

Leia as colunas anteriores de Ruy Filho:

? Closer


? Gob Squad


? O teatro de Henrique Diaz


? Mais Quero Asno... e os recursos do fomento


? El Chingo e os fantasmas de cada um


? Com prosecco e qualidade


? O teatro candango e a morte de todos os dias


? Entre o silêncio e a mudez


? A ciência como pretexto dramático


? A alma decepcionada frente à realidade


Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: carpaccio de pato do Piselli.


Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.


Fale com ele: ruyfilhosp@yahoo.com.br ou acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças