Guia da Semana

A nova bossa nova

Movimento ganhou o mundo na década de 50, mas até hoje faz a cabeça de músicos de diversas gerações e segmentos

A cantora Patty Ascher, nova aposta do veterano Roberto Menescal


Em cinco décadas de vida, a bossa nova não se diferenciou de qualquer outro ritmo marcante, alternando momentos reluzentes e períodos de embotamento. Longe da época dourada em que reinavam seus principais mestres, o gênero ainda faz a cabeça de artistas dentro e fora do país, trabalhem eles com música eletrônica, jazz ou até mesmo indie rock.

À emergência da MPB, já em meados da década de 60, somaram-se a ascensão do rock nacional e de ritmos regionais, que passaram a se fundir com mais freqüência às demais correntes. Assim, a bossa nova deixou de reinar absoluta entre o público, mas jamais ficou relegada em um plano inferior.

Nas décadas subseqüentes, foi retomada por muitos artistas, principalmente por cantoras que não se dedicavam exclusivamente ao gênero, mas que o diluíam em outros ritmos, principalmente o samba. Hoje, os chamados standards seguem norteando a trajetória de intérpretes como Maria Rita, Lenny Andrade, Patty Ascher, Roberta Sá e Adriana Calcanhotto.

Jazz e bossa nova: uma conexão inevitável

A história de muitas das grandes vozes do jazz e da música americana se mistura em determinado momento com o repertório da bossa nova. Ella Fitzgerald chegou a gravar um álbum dedicado à obra de Tom Jobim, enquanto Frank Sinatra convidou o autor de Garota de Ipanema para um dueto inesquecível. Ainda hoje, o ritmo atrai artistas da nova geração, como as cantoras Diana Krall e Jane Monheit, além do guitarrista John Pizzarelli e do saxofonista Ravi Coltrane, nomes que demonstram interesse não apenas pela bossa, mas pelo trabalho desenvolvido por gente como Milton Nascimento e Ivan Lins.

Os indies também amam a bossa

Após sair do Belle & Sebastian, a cantora e violoncelista Isobel Campbell engatou uma série de projetos solo, como o grupo Gentle Waves e a parceria com Marc Lanegan. Essa nova fase bebe diretamente da música de Tom Jobim e Astrud Gilberto, lançando mão não apenas da tradicional batida de violão à maneira de João Gilberto, como também de samples de Água de Beber. Em Odelay, um dos discos mais aclamados do cantor norte-americano Beck, a bossa nova penetra na maior parte das canções - há até espaço para um retalho de Desafinado perdido entre as faixas.

Beck investiu pesado na bossa nova em seu elogiado álbum Odelay, de 1996


Já o grupo francês Nouvelle Vague, que passou pelo Brasil em 2007, ficou famoso por desconstruir grandes sucessos da new wave e do pós-punk oitentista e vesti-los com uma roupagem que usava e abusava da bossa nova, gênero que também ampara a carreira de Devendra Banhart - embora o músico esteja mais escorado no tropicalismo de Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Tempero eletrônico

Com a ampliação das correntes da música eletrônica, não tardou para a bossa ser incorporada por DJs e produtores em suas mixagens e samples. No Brasil, o grupo Bossacucanova foi um dos pioneiros nessa fusão de ritmos. O conjunto está há quase uma década na estrada e já foi indicado ao prêmio Grammy Latino na categoria de Melhor Álbum Brasileiro de Pop Contemporâneo, em 2001, além de gravar com membros da velha-guarda do movimento como Roberto Menescal e Marcos Valle.

Outro nome bastante conhecido no cenário e que também colheu frutos com a introdução de batidas eletrônicas em peças de Tom Jobim foi a cantora e multiinstrumentista Fernada Porto, que estourou no início da década com uma versão drum ´n´ bass da clássica Só Tinha de Ser Com Você, provando que a bossa, como um gênero atemporal, pode ser sempre repaginada.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças