Guia da Semana

Ali, no interior

O tema é música, mas não é nenhum lançamento de disco ou nenhum show emocionante...



O assunto poderia ser o show de algum pop star e a introdução do texto seria uma tentativa de medir em palavras o tamanho da fila no Credicard Hall. Ou, quem sabe, o assunto trouxesse a notícia do lançamento do clipe daquela banda lota-estágios. 
 
Dessa vez, as palavras foram visitar um tema diferente. Na verdade, uma sala: a Sala Brasil.

Não se trata de um programa de TV ou título de canção patriota. A Sala Brasil é um cantinho de música na esquina do interior de São Paulo: Bauru. Ela mora dentro de uma escola de música. Lá, as paredes agradecem "por terem nascido com ouvido".

Vira e mexe, tem show na Sala Brasil. De passagem pela cidade, fui convidado a assistir a um deles. Cheguei como quem prepara as expectativas para algo menor, evitando o nascimento da frustração. Aprendi a lição: não confundam baixo número de habitantes com falta de qualidade musical. O show foi daqueles de morar para sempre na memória.

Quem assina os arranjos é o maestro e dono da escola George Vidal. Com o passar dos acordes, fui descobrindo a existência da música fora do eixo Rio-São Paulo. 

A Sala Brasil é a música pegando a estrada, mostrando que o país esconde tesouros por aí. O esquema é bem simples: você paga uns cinco ou dez reais para entrar e ainda pode comprar churrasco e bebida sem ter que ir até a padaria. Antes do show, a plateia (no interior todo mundo se conhece) aproveita para colocar o papo em dia, confirmar as fofocas, exercitar a fala. Mas quando a mão do maestro beija as teclas do piano, nada mais se ouve. Bauru é o silêncio. E as notas abraçam a cidade, espalhando poesia longe da Globo, bem distante das páginas dos jornais.

Na Sala Brasil, o dentista troca o motorzinho pelas baquetas. O advogado argumenta soprando um saxofone. Médico cura paciente usando apenas uma guitarra. Qualquer um pode produzir som, na Sala Brasil. Os arranjos do maestro levam o nível musical lá para cima. E os alunos, no palco, declamam o que aprenderam.

Assim foi o dia em que visitei a Sala Brasil. Saí de lá com um texto pronto na cabeça, as palavras gritando dentro da mente como se pedissem justiça. A Sala Brasil também merece um cantinho na mídia. Se tanto faz para as pautas dos jornais, para mim ela fez diferença. Salve a Sala Brasil. Salve George Vidal, o maestro. Salve a nossa música que mora lá no interior.

Leia a coluna anterior de Pedro Cavalcanti:

O rádio que queremos ouvir

Hamilton e Yamandu

Música da Alma

Quem é o colunista: Pedro Cavalcanti.

O que faz: Publicitário.

Pecado gastronômico: Qualquer prato preparado pela minha avó.

Melhor lugar do Mundo: Aqui e agora, como diria o Gil.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Ulisses Rocha, Pat Metheny, Chico Saraiva
 
Fale com ele: phmarcos@terra.com.br

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA