Guia da Semana

Brincando Com Débora Bloch

Texto da dupla Dario Fo e Franca Rame, em cartaz no Teatro dos Quatro, propõe reflexão sobre a condição feminina



Talvez o maior desafio na carreira de qualquer ator seja encarar sua própria solidão no palco. Essa solidão, muitas vezes, é vivenciada através da criação de um espetáculo em que o ator se prepara sozinho para enfrentar o público, sem apoio, sem companheiros, a não ser ele e sua arte. Tal tarefa é árdua e poucos são capazes de se lançar nesta aventura, uns por medo, outros por total falta de preparo.

Para aqueles que se permitem incorrer nesta experiência os resultados são sempre surpreendentes, pois o ator se desnuda completamente perante o público. Estar só no palco, sem outros que compartilhem desta viagem, permite ao ator descobrir a si mesmo, testar seus limites, sem muletas, sem recursos, apenas com sua arte.

Em Brincando em cima daquilo, Débora Bloch encara o desafio deste enfrentamento com sua arte, protagonizando seu primeiro monólogo, com grande acerto. O texto de Dario Fo e Franca Rame se propõe a desenhar um mosaico da condição feminina e da mulher contemporânea, independente de sua classe social, do país, da época. Uma condição que transcende o próprio cotidiano e que é vivido por Bárbaras, Marias, Lúcias e tantas outras. A mulher que pode não ter nome, mas que é vista no rosto da atriz e das mulheres da platéia.

Débora passeia pelo universo feminino e cria uma cumplicidade direta com a platéia. Enquanto ainda atriz, recebendo seu público, Débora brinca, dança, conversa, faz piada, passeia por entre as fileiras, recebe e dá carinho, os prepara para o início da sua jornada.

O cenário de Bia Lessa, idealizado com grandes caixas de som, nos remetem ao cotidiano da mulher suburbana que apesar de simples é embalado ao som de sua própria trilha sonora. A referência ao grande cartunista erótico Carlos Zéfiro, se faz presente na cena do motel, onde parte do cenário feito de telas brancas, ao se encontrar com a luz negra, descortina sua verdadeira natureza, assim como a da própria personagem, revelando imagens dos cartoons criados por Zéfiro nos anos 50 a 70. Um cenário bem composto, com toques referenciais e de acordo com a proposta do espetáculo.

A iluminação de Samuel Betts, apesar de simples e comum não chega a prejudicar o todo do espetáculo. Apenas perde por não criar um impacto maior do cenário tão bem idealizado por Bia Lessa.

Sem dúvida a grande estrela é a própria atriz, que brinca sozinha em cena como uma criança no seu universo imaginário. Débora tem força, tempo certo de comédia e garante boas risadas no improviso certeiro. Os melhores momentos ficam por conta da interação da atriz com a platéia que ri e participa da pantomima criada por ela.

A trilha sonora de Dany Roland, condizente com a proposta, nos diverte com referências ao cotidiano de um subúrbio que resiste ao tempo na voz de Roberto Carlos mas se rende ao presente, a Zeca Pagodinho e ao funk carioca. O trabalho de direção de Otávio Muller está bem feito e cria um espetáculo leve e divertido.

Uma boa opção e um bom espetáculo para as noites de terças e quartas no Rio de Janeiro.

Quem é o colunista: Celso Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Celso Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural. É editor do Portal El Jorro - www.eljorro.com.br, o portal que traz notícias sobre a cena teatral carioca.

Pecado gastronômico: Coxinha de camarão do Bar Rebouças no Rio.


Melhor lugar do Brasil: Paraty.


Fale com ele: capontara@uol.com.br ou Clique aqui

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças