Guia da Semana

Cartão Postal

As belezas que o nordeste não mostra

Getty Image
Como típico morador já cúmplice da loucura institucional das metrópoles, às vezes paro pra pensar e entendo perfeitamente a aversão de certas pessoas com manifestações culturais distantes do nosso dia-a-dia. Isso inclui, por exemplo, assistir mais um daqueles filmes que retratam cenários e personagens com sotaques caipiras ou nordestinos. É o que chamam "Brasil pobre", o retrato de um país que incomoda àqueles que não se identificam com o que está sendo mostrado nessas histórias.

Entender claro, está longe de aceitar o descaso com esse tipo de comportamento. Renegar qualquer manifestação cultural por falta de identificação, é deixar de lado o prazer em conhecer e desvendar nossas origens.

Nas últimas semanas tenho tido o prazer em levar um projeto pra dentro do sertão nordestino, "Pra lá de onde o vento faz a curva". Parece que entro nas lentes de uma câmera do Glauber Rocha, me sinto um personagem de Ariano Suassuna, ou às vezes, acho que estou procurando o pai do Josué do filme Central do Brasil. Conhecer as capitais nordestinas com cenários típicos de cartão postal com fotos de coqueiros, mar de água cristalina e dunas desérticas nem de longe mostra o que o nordeste tem de melhor: o nordestino.

O choque cultural é significativo. Ao mesmo tempo em que assusta, fascina. Essa denominação de pobre, certamente deve ser indicada pra quem a criou. Claro que quem está acostumado com a comodidade dos serviços de uma cidade como São Paulo, deve no mínimo se encher de paciência e ir despido de qualquer frescura. Há muito tempo, encenei o espetáculo Morte e Vida Severina. Hoje vejo que tolice foi aquela minha composição, conversar com o porteiro do meu prédio certamente não serviu patavina para entender aquele retirante que fiz nos palcos.

Getty Image
Aqui, "Da Bahia pra cima é tudo baiano". Como 90% da população dessa cidade, não nasci em SP e sempre me incomodou esse preconceito e ignorância de muita gente com mais esse ditado, no mínimo, segregador. Ninguém sai da sua terra porque quer. Essa massa de migrantes nordestinos que deixou o sertão em busca de melhores oportunidades na cidade, aumentou o número de miseráveis nos centros urbanos, que os trata como ninguém.

Já disse que não me proponho a fazer um texto jornalístico, gosto de dar um parecer superficial sobre algum assunto. Tenho enfrentado uma rotina intermodal, que vai desde os meios de transportes "civilizados" até charrete de jegue. E isso só me enriqueceu como artista. Me sinto um representante da Comedia Dell´arte tupiniquim do século XX, um artista mambembe fajuto.

Escreveria páginas sobre cada personagem que tenho encontrado lá. Mas isso eu deixo guardado no meu baú. Tem uma música da Adriana Calcanhoto que acho a cara dessa jornada: Esquadros. Aquelas senhorinhas com batas floridas, sotaque carregado, ora discutindo a filha "pra frente" adolescente, ora jogando cartas nas cadeiras devidamente alinhadas na porta da casa ou alimentando uma fofoquinha sadia sobre a vizinha, cachorro, papagaio, etc. Isso claro antes da novela das 9, ex-8 horas, começar.

A igreja imponente no centro da praça principal, os senhores com sandálias de dedo e chapéu de couro tomando pinga no bar da rodoviária. Aquelas pessoas simples que ao perguntar o nome, informam o sobrenome de supetão, definitivamente me enriquecem como ser humano. Esse, típico de metrópole que anda desconfiado de todos que passam ao seu lado. Que a cada dia se distancia das ruas com medo de seus pares, tem a chance neste trabalho de marcar um encontro por meio da arte com esse povo.

Eu ando pelo mundo prestando atenção em cores que eu não sei o nome, cores de Almodóvar, cores de Frida Kalo, cores...

Quem é o colunista: Guilherme Gonzalez, administrador e ator do Pará para a Terra da Garoa.

O que faz: Um apaixonado pelas artes que largou a vida da administração para viver do teatro

Pecado gastronômico: culinária paraense.

Melhor lugar do Brasil: São Paulo no feriado.

Fale com ele: gonzalezguilherme@hotmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças