Guia da Semana

Como faz?

Além de seguir a carreira de músico com diversas apresentações, é preciso também ter uma vida comum para compor ou para aproveitar com a família e amigos

Foto: Getty Images

Toda vez que eu vejo algum show, seja ao vivo ou DVD, sempre presto atenção nos músicos e todas as técnicas que eles utilizam. Presto mais atenção, claro, nos guitarristas e bateristas, instrumentos que eu "rabisco", vamos dizer assim. E fico admirado com alguns solos, acordes, jeitos de tocar. Reparo em cada detalhe, em cada postura, e fico admirado com o que vejo algumas vezes. Frases como "caramba, como ele fez isso?" ou "putz, eu nunca vou fazer isso" são constantes e preenchem a minha cabeça ao mesmo tempo que fico curtindo a música.

Quando estudava guitarra, meu professor perguntou para mim "Quanto tempo você estuda por dia?" e eu respondi "meia hora, no máximo". E ele, muito curto e pouco grosso respondeu: "Pra você ficar no mínimo, no mínimo bom, tem que estudar umas duas horas por dia, PELO MENOS". Aquilo me deixou transtornado, mas ao mesmo tempo admirado: Então, todos os bons músicos passaram horas estudando, se dedicando, perderam namoradas, noitadas com os amigos e muitas outras coisas só para se aperfeiçoarem tecnicamente no instrumento. Agora, será que apenas isso faz um bom músico?

Quem nunca escutou uma música que falasse do pôr-do-sol no Rio. Ou sobre a correria apaixonante de São Paulo? Ou então uma verdadeira declaração de amor acompanhada de ritmo e notas. É tão bom quando a gente se identifica com uma música. Ela insiste em não sair da cabeça e a gente insiste em escutá-la onde quer que a gente vá. É um namoro, que dura para sempre, por mais que a gente deixe de escutar um tempo e fale que "enjoou" da música. Mentira.

Mas para tudo isso ser criado e tocar os ouvidos e sentimentos das pessoas, o músico tem que além de estudar, e muito, tem que, antes de mais nada, viver. Sim, viver pura e simplesmente. Andar por aí, conhecer gente nova, lugares inusitados, abrir o coração para depois colocar no papel tudo aquilo que sentiu. O músico tem que saber olhar tudo de um modo diferente, um outro ângulo que só ele enxerga e apenas ele sabe traduzir. E a gente se pergunta: por que tem tanta música ruim no mundo hoje, tanta coisa sem sentir. Tanta coisa vazia. Talvez a música não seja vazia, e sim o próprio músico.

Leia as colunas anteriores de Fernando Segredo:

Notas perdidas

Um barzinho e um violão

"Novas bandas"

Quem é o colunista: Fernando Segredo.

O que faz: Redator Publicitário.

Pecado gastronômico: Comida italiana ou japonesa.

Melhor lugar do Brasil: Os lugares que ainda não conheci.

O que está escutando em seu mp3, iPod ou no carro: Dave Matthews Band, João Gilberto, Vanessa da Mata

Fale com ele: fsegredo@gmail.com ou acesse seu blog

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças