Guia da Semana

Crítica teatral contemporânea

Como atingir o público com as análises de peças teatrais? Esse eterno dilema dos críticos foi tema de debate no Sesc Vila Mariana, em São Paulo

Por Guilherme Udo

O diretor de teatro Felipe Hirsch crê que os únicos que têm interesse em ler as críticas são os próprios artistas, criando um círculo vicioso no qual o jornalista escreve para o ator ler. O pensamento sintetiza a relação entre críticos, artistas e leitores e foi proferida durante o no 3º Congresso de Jornalismo Cultural, em debate com o colega de profissão Marco Antonio Rodrigues e o crítico teatral Jefferson Del Rios, com mediação do jornalista e ator Oswaldo Mendes. O evento ocorreu no Sesc Vila Mariana, em São Paulo, e a afirmação leva a uma análise da produção textual atual sobre teatro no país.

A era dos grandes escribas conhecidos pelo público e que analisavam a arte da interpretação já está distante. Hoje, poucos críticos são conhecidos, como é o caso de Barbara Heliodora, que escreve para O Globo. Com a proliferação de blogs na internet, todos podem dar sua opinião sobre montagens em cartaz no país. Assim, os textos publicados nas editorias de cultura dos jornais parecem ser somente para que o próprio artista leia, como coloca Hirsch.

Poucos realmente se interessam por ler aqueles textos longos apresentados por nomes, muitas vezes desconhecidos, sobre uma peça em cartaz. Cada vez mais, para o público - e não só para a parcela jovem dele -, o interessante é procurar alguém que tenha um perfil parecido com o seu na rede mundial de computadores e ler opiniões desta pessoa sobre produções teatrais.

Em textos escritos em um tom mais informal, a pessoa pode descobrir detalhes da montagem, a qualidade do texto e da interpretação e até se vale realmente a pena sair de casa para conferir aquele espetáculo. E nem por isso o leitor leva em conta em sua decisão um texto sem argumentos. O que mudou foi a linguagem e a forma como ele se relaciona com os produtos culturais.

É claro que ainda há espaço para textos mais complexos - e a internet também está repleta deles. O interessante é pensar em como reinventá-los para que fiquem atraentes para um número maior de pessoas. Falar sobre o trabalho corporal de um determinado ator para atingir um nível de excelência em uma interpretação é interessante, mas pode ser mais saboroso se tratado como curiosidades a respeito da montagem.

Atualizado em 10 Abr 2012.

Por Guilherme Udo
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças