Guia da Semana

Cultura e o blog da Bethânia

As leis de incentivo fiscal acabam privilegiando grandes projetos em vez de fomentar os produtores independentes

Foto: Renato Araújo/ABr


Sem uma distribuição coerente de recursos, as leis de incentivo tornam a cultura refém da iniciativa privada. A coluna desta semana pega o gancho, mesmo que um pouco atrasado, da polêmica criada pela aprovação do Ministério da Cultura do projeto "O mundo precisa de Poesia", proposto pela cantora Maria Bethânia.

Calma! Não estou aqui para julgar o conteúdo do projeto, nem para criticar a atitude do proponente de solicitar aprovação de mais de R$ 1,7 milhão para produzir um blog de poesia com vídeos diários de até dois minutos. Esse assunto já foi amplamente discutido pelos diversos canais da sociedade e todo mundo já sabe o que as pessoas pensam a respeito dele. Discutir isso neste momento seria falar mais do mesmo.

O assunto que volto a colocar em xeque não é a aprovação de projetos como este, mas a captação no setor privado oriunda destes recursos aprovados. Não é segredo nenhum que a cultura no Brasil, no atual sistema proposto, se sustenta com dinheiro público. Não há um único médio ou grande projeto em cartaz que não conte com o patrocínio de empresas privadas e com a chancela dos Governos Federal ou Estaduais e Municipais. As leis de incentivo surgiram como uma forma de o Estado fomentar a produção cultural, fazendo com que as empresas desembolsem antecipadamente o valor que pagariam de imposto ao Governo, repassando diretamente às produções.
 

A questão toda é que uma lei que teria tudo para democratizar o bem cultural acabou se tornando uma ferramenta que traz retorno para poucos. Há muito tempo, as empresas entenderam que as leis de incentivo seriam uma forma eficaz de garantir boa divulgação, mídia e marketing para sua marca, sem custo algum ou investimento de sua parte. Afinal, quem paga a conta, no final, é o próprio governo, através da conversão do imposto a ser recolhido. É claro que isto gera alguns custos internos na empresa, visto que se torna necessária a criação de uma estrutura que possa avaliar, aprovar e acompanhar os tais projetos incentivados.

A questão toda é que a captação de recursos se tornou um mercado lucrativo no Brasil, e o foco destes recursos se concentrou em projetos que tenham forte apelo midiático e nomes de peso no seu elenco. São poucos os projetos de gente desconhecida que conseguem captar e, muitas vezes, porque tem algum contato forte no mercado ou parente que esteja propenso a dar uma força ao artista. E, aí, o que se percebe é que o problema não está na Bethânia, mas no sistema em si. O próprio governo criou uma forma das empresas fazerem marketing cultural sem gastar um tostão.

E eu volto a dizer: em vez de se democratizar o acesso, a política cultural atual acaba por contribuir para uma concentração de recursos na mão de poucos produtores. Ter projeto aprovado em lei de incentivo não é garantia de nada. A lei lhe dá apenas a oportunidade de poder sair por aí tentando passar o pires para que seu projeto aconteça. Aí, o que vale nesta hora é a rede de contatos que você possui. Caso contrário, espere pela cartinha padrão de agradecimento que toda empresa tem pré-programada para enviar para um projeto que não tem a menor intenção de ler.

Salvo algumas exceções de leis que incentivam até 80% de conversão do imposto, fazendo que a empresa patrocinadora tenha que contribuir com 20% do valor proposto, o resto é dinheiro que sai de imposto e, consequentemente, quem paga a conta da cultura é o contribuinte.

A Lei Rouanet tem buscado alternativas para diminuir este hiato que não democratiza o bem cultural através do Fundo Nacional de Cultura, o qual tenho sérias dúvidas se irá funcionar. Na minha modesta opinião como produtor, se é o governo quem paga a conta no final, ele também não deveria definir quais projetos a empresa "incentivadora" deveria patrocinar? Num exemplo simples, se a empresa X deseja patrocinar um musical ou espetáculo com elenco formado por gente famosa, então ela deveria também desembolsar o mesmo valor incentivado para projetos menores, de gente desconhecida, e que não tenham forte apelo midiático. Isto sim seria uma distribuição de recursos que democratiza o bem cultural, fomenta a criação e trabalha em benefício da arte. Se isto não é possível fazer, qual a alternativa então? O pequeno produtor continuará entre a cruz a caldeirinha?


Leia as colunas anteriores de Alexandre Pontara:

Reconhecimento

Juventude Interrompida

Pterodátilos

Quem é o colunista: Alexandre Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Alexandre Pontara é ator, escritor e produtor cultural. É diretor da Primus Cia de Teatro.

Pecado gastronômico: Bolo Negro e Tiramissú da Doceria Chaika .

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara@gmail.com ou acesse seu site


 


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças