Guia da Semana

Deixa nevar

Colunista ficou encantada com o show da trupe russa de Slava Polunin, o mais importante palhaço do mundo

Foto: Divulgação

Os palhaços não tiveram muito espaço na minha infância. A verdade é que, nas poucas vezes em que fui ao circo, as performances mais visuais como as de equilibristas e acrobatas, prendiam muito mais a minha atenção. Eis que depois de vários anos, eu decidi conferir um espetáculo quase circense, onde não havia ninguém saltando pelos ares. Já adulta, eu me vi criança novamente e encantada com as brincadeiras inocentes de palhaços - talvez pelo atraso, até mais do que as outras crianças presentes no dia. 

Da estreia do Slava's Snowshow, o que eu esperava com mais ansiedade eram os efeitos visuais sugeridos em fotografias de divulgação ou contados por pessoas que assistiram à última temporada realizada no Brasil. Qual não foi a minha surpresa ao me deparar com um cenário simples, em montagem que parecia elaborada por crianças. As luzes se apagaram e um palhaço vestido de amarelo com sapatos vermelhos entrou em cena, dando início a uma história mais adequada para adultos com o coração aberto, como eu, do que para os pequenos. A temática de morte e perda está presente todo o tempo, vez ou outra amenizada pelo humor da trupe russa de palhaços em roupas verdes, comandada por Slava Polunin - hoje, aos 60 anos, premiadíssimo e considerado o mais importante palhaço do mundo.

Os efeitos que eu aguardava também estavam lá, junto à maquiagem triste no rosto dos personagens, e uma presença tão forte deles no palco mais tarde me fez entender a neutralidade do cenário. O mérito existe para os dois extremos do espetáculo: se há momentos em que é difícil conter uma gargalhada e se deslumbrar com o show, não é mais fácil sair imune de cenas comoventes, como uma em que o palhaço carismático simula uma despedida afável, para depois sofrer pela ausência de alguém querido. Nesse contexto melancólico, uma tempestade de neve é levada para o público em pedacinhos de papel. Deslumbrante e única, esta é apenas uma das passagens inesquecíveis que fazem valer a apresentação.

Ao longo de todo o show, o espectador interage com a trupe, desde as brincadeiras promovidas pelos personagens de cima do palco até a farra no intervalo e no encerramento, quando são jogadas imensas bolas para adultos brincarem em meio aos palhaços. Os 20 minutos de pausa servem, na verdade, para levar o espetáculo alguns degraus abaixo e agregar novos participantes. Não que o sorriso no rosto das crianças tenha passado despercebido por mim, mas o que mais me surpreendeu foi a participação efetiva de um público que, a princípio, estava lá somente por curiosidade ou para acompanhar filhos, sobrinhos e afins.

Outro destaque inesperado foi a trilha sonora que embalou o enredo onírico e deu ritmo às performances, arrancando risos da plateia. Sobrou espaço até para uma interpretação livre do palhaço que estava vestido de amarelo para a música Mas que Nada, de Sérgio Mendes. A simples composição de músicas intrigantes, neve, iluminação sombria, teia de aranha feita de algodão, gelo seco, bolhas e bolas gigantes - tudo à disposição de um grupo de palhaços -, não pode ser menos que inebriante se você estiver disposto a reviver um momento mágico da sua infância.

Abaixo está o trailer do espetáculo:




Serviço

Endereço: Citibank Hall - Avenida Jamaris, 213.

Data: Até 29 de julho.

Horário: Terça, quarta e quinta-feira, às 21h30; Sexta-feira às 22h; Sábado às 17h e 22h; Domingo às 16h e 20h.

Preço: De R$ 90,00 a R$ 170,00.

Quem é a colunista: Ana Caselatto.

O que faz: jornalista,fotógrafa e aspirante a turista profissional.

Pecado gastronômico: sorvete.

Melhor lugar do mundo: o da próxima viagem.

O que está ouvindo no iPod, mp3, radio: neste momento, os últimos álbuns do Editors e The National.

Fale com ela: anacaselatto@gmail.com ou no twitter (@anacaselatto).

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças