Guia da Semana

Games para ouvir

Colunista conta como foi a experiência de ir ao Vídeo Games Live

Video Games Live é um show de orquestra liderado pelo compositor de músicas para videogame, Tommy Tallarico que, há mais de 20 anos, toca a trilha de vários jogos com uma orquestra local de cada cidade por onde passa. Porém, para quem gosta de videogames, o evento é muito mais que isso.

O show em São Paulo aconteceu em 7 de outubro e chegou rodeado de expectativa, já que, no ano anterior, ele não esteve por aqui por falta de disponibilidade de espaço. Em 2009, a apresentação foi especial. Antes de começar, havia algumas televisões exibindo jogos como Guitar Hero, Gears of War e Mario Kart Wii. A organização foi fraca e muito ficou a desejar desse pré-show, que é sempre muito esperado pelos fãs do evento.

Já no palco, houve um concurso de cosplay, que são pessoas fantasiadas de personagens de jogos. O campeão foi Air Man, do jogo Megaman, com uma fantasia que tinha um ventilador funcionando.



A banda paulistana Megadriver, especializada em tocar músicas de videogame em estilo heavy metal, abriu o Vídeo Games Live e foi muito aplaudida pelo público, tocando seis canções, entre elas a trilha de Sonic e Altered Beast.

Após a apresentação, a orquestra Villa Lobos começou com o show principal. Durante o espetáculo, dois vídeos chamaram a atenção: uma homenagem a Michael Jackson e um do  Pac Man sendo perseguido por três fantasmas nas ruas de Nova Iorque.



Houve também dois momentos com a participação do público. Uma pessoa foi escolhida para jogar Space Invaders, usando seu corpo para mover a nave. Se conseguisse terminar o primeiro nível em dois minutos, ganhava um prêmio.

Porém, a gritos de "uh, vai morrer!" o participante não aguentou a pressão e ganhou somente o prêmio de consolação. Após o intervalo, o ganhador do torneio de Guitar Hero, que aconteceu antes do show, subiu ao palco e teve o desafio de fazer mais de 200 mil pontos no jogo, na música Sweet Emotion, do Aerosmith, na dificuldade hard (difícil).
 
Claro que o público não facilitaria e, depois de gritos pedindo para que ele fizesse tudo na maior dificuldade, a expert (especialista), o participante começou o desafio junto com a orquestra e Tommy. Ele não cedeu a pressão e terminou a música com 230 mil pontos, ganhando o brinde.



Todos os grandes jogos estavam presentes e os preferidos do público brasileiro também entraram, como Chrono Trigger e Kingdom Hearts. Outros como Super Mario, Zelda, Metroid, Metal Gear Aolid e God of War foram muito bem representados, e a interação de Tommy Tallarico com o público foi excessiva às vezes, porém o mantinha muito animado. A trilha sonora de Halo, jogo que é carro chefe do console da Microsoft, tocou e teve uma surpresa. O personagem principal do jogo apareceu no palco, segurando a bandeira do Brasil e, em seguida, Tommy entregou para ele a bandeira das olimpíadas, parabenizando o país por ter sido escolhido para as sediar as olimpíadas de 2016.

Para os que entendem de videogame, até agora, tudo que escrevi sobre o show é só uma pequena porção do que realmente já existe nesse meio. Mesmo com o crescimento da venda de consoles no Brasil, jogar ainda é um hobby para poucos. Para os que não jogam e não entendem a importância de eventos como esse, vou tentar explicar.

A música em si, tocada pela orquestra, já é algo muito bonito de se ver e ouvir, porém o que realmente tocou as pessoas durante o show foi a lembrança de suas próprias vidas enquanto as elas tocavam. Para mim, foi o momento em que a trilha de Shadow of the Colossus, jogo do console Playstation 2, tocou. A execução da orquestra foi perfeita, era um jogo não esperado para estar no show e me fez lembrar de todas as dificuldades que tive com esse ele, onde eu trabalhava, estudava e as pessoas que o compartilharam comigo e como foi o primeiro jogo que senti a necessidade de mostrar para minha esposa, de tão bonito e único que é. Cada pessoa que assiste ao Video Games Live tem um momento como eu tive: saber que há tantas outras que compartilham desta paixão por videogames e se emocionam tanto quanto você, já faz valer o show.



Altamente recomendado e, com certeza, estarei presente no show do ano que vem.

Quem é o colunista: Formado em jornalismo, casado e trabalha em uma empresa de tecnologia.

O que faz: Gosto de assistir filmes, ficar em casa, ler, conhecer lugares novos e jogar videogame.

Pecado gastronômico: Sorvete de capuccino, feito em casa por mim e pela minha esposa.

Melhor lugar do mundo: Minha casa, em um sábado chuvoso, à tarde, com minha esposa, um computador e meus videogames..

Fale com ele: camposaraujo @hotmail.com  ou acesse seu twitter.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças