Guia da Semana

Grito Rock

A partir de 19 de fevereiro, o festival integrado circula produção de música, cultura e tecnologia em nove países

Foto: Marcelo Baptista

Apesar do nome, a programação não se restringe ao rock'n roll

Ultrapassar fronteiras nacionais e internacionais como nenhum outro festival da América Latina é a especialidade do Grito Rock. Em sua nona edição, cerca de 2.000 bandas e artistas se apresentam em todos os estados brasileiros, além de Argentina, Uruguai, Bolívia, Chile, Panamá, Costa Rica, Honduras e El Salvador.

O festival integrado acontece em nada menos que 130 cidades, no período de 19 de fevereiro a 28 de março. A primeira a receber o evento é Manaus, com cinco dias de programação que incluem manifestações artísticas, debates e shows como o do Black Drawing Chalks, uma das principais revelações do cenário independente nacional. No ano passado, nomes como Móveis Coloniais de Acaju e Macaco Bong  tocaram, respectivamente, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

O Grito Rock é produzido pelo Circuito Fora do Eixo - rede com mais de 60 coletivos que promove a circulação de cultura e música - e filiado à Associação Brasileira de Festivais Independentes, a Abrafin. A escolha do line up é feita com apoio do Toque no Brasil, portal que tem como objetivo conectar artistas e produtores. As bandas que quiseram participar do festival se inscreveram pelo site e depois foram selecionadas por uma curadoria local.

Foto: Mari B.

No Grito Rock 2010, Móveis Coloniais de Acaju se apresentou no Circo Voador, no Rio de Janeiro

Mais que rock

Ainda que o nome do festival remeta ao rock, a programação não se restringe a esse estilo musical. Marielle Ramires, uma das organizadoras pioneiras, conta que o título remete às suas primeiras edições, em que o evento era realizado apenas em Cuiabá. Na época, ele acontecia durante o carnaval, momento em que era mais difícil encontrar uma cena alternativa para os que queriam fugir da folia. A forte atuação das bandas de rock locais acabava por emplacar uma programação majoritariamente rockeira.

A partir de 2007, ao mesmo tempo em que o evento se expande para outras cidades e amplia o seu calendário, a diversidade musical aos poucos toma conta. "Hoje a oferta de artistas e grupos que atuam no independente, e que trabalham com gêneros diferentes é bem grande, e o Grito Rock acaba absorvendo essas demandas", afirma. 

Da mesma forma, a música, que sempre foi o principal chamativo, compartilha cada vez mais o espaço com outras atrações. Palestras, debates, oficinas e exposições virtuais também são promovidas pelo festival. A novidade deste ano é o Palco Fora do Eixo, com turnês de grupos cênicos, além do Fora do Eixo Socio-ambiental, que contabiliza o impacto causado ao meio ambiente e promove a compensação com plantio de mudas em três diferentes biomas brasileiros.

Quer mais? A Economia Solidária também está presente, por meio das trocas de serviços e uso de moedas complementares, apelidadas de "cards". "Uma banda que está circulando pode usá-las nas outras cidades em diferentes serviços prestados pelos coletivos", explica Felipe Altenfelder, que faz parte da gestão nacional do Fora do Eixo.

Foto: Divulgação

O Macaco Bong é uma das bandas que nasceu e cresceu com o festival

Produção colaborativa

Há cada ano, o festival se expande para além das localidades em que há coletivos ligados ao Fora do Eixo, ampliando a rede e a circulação de bandas, cultural e tecnologia. Segundo Felipe, os produtores regionais têm total liberdade pra adaptar o Grito Rock a sua cidade, o que acaba atraindo novos interessados.

Nos países da América Latina, a estratégia é um pouco diferente. "Utilizamos embaixadores, que são agentes ligados ao mundo da música e que catalisam esse intercâmbio conosco. No ano passado, visitamos a América Central e fizemos esse contato inicial, que resultou na ampliação do Grito Rock deste ano", explica.

Apesar de dialogar  com os órgãos municipais de cultura, o festival é realizado sem incentivo financeiro público, apenas por meio de captação independente de recursos. E como eles fazem tudo isso acontecer? Produção colaborativa é a resposta. Cerca de 9 mil pessoas se envolvem com o festival direta e indiretamente - entre produtores formais, informais, voluntários e colaboradores - que respiram o Grito Rock durante o ano inteiro.

Confira a programação de algumas cidades do Grito Rock

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças