Guia da Semana

Irmãos - O Xingu dos Villas-Bôas

Entre as atrações, os visitantes assistem projeções audiovisuais em um espelho de água, mexem em um tacho com farinha de mandioca e entram em uma canoa

Foto: Divulgação


A história brasileira carece de heróis. Nas aulas de História, somos apresentados a personalidades de caráter duvidoso, como os filhos de nossos colonizadores que pagaram a independência do país, mártires que lideraram revoluções que nunca existiram, militares que viraram nome de estrada e, claro, os bandeirantes que iam expandindo o território brasileiro às custas de muito sangue indígena.


Mas quem visitar a exposição Irmãos - O Xingu dos Villas-Boas, no Sesc Pompeia, em São Paulo, até o dia 7 de setembro, poderá conhecer mais sobre quatro heróis pouco conhecidos do grande público e com muita importância para o povo indígena.


Os irmãos Villas-Bôas Orlando, Cláudio e Leonardo largaram a vida na cidade grande para explorar o interior não desbravado do país. Em 1943, fizeram parte da expedição Roncador-Xingu, quando acabaram entrando em contato com diversos grupos indígenas que viviam no interior do Brasil.

O trabalho dos quatro é reconhecido como uma das maiores lutas pela proteção do povo indígena e acabou resultando na criação do Parque Indígena do Xingu, que completa 50 anos em 2011. A atuação dos irmãos Villas-Bôas trouxe o conhecimento do cotidiano das aldeias indígenas e rendeu grandes contribuições à antropologia brasileira.

A exposição do Sesc Pompeia é dividida em quatro partes: Os Irmãos, que fala do relacionamento entre os Villas-Bôas e seu irmão de campanha Noel Nutels; A Aventura, mostrando os pormenores da excursão; O Território, que traz mais detalhes das etnias que ocupavam a região; e Política, abordando a luta dos irmãos em defesa aos direitos dos indígenas.


A mostra usa projeções audiovisuais de uma forma encantadora: em um espelho d`água, um índio conta histórias do folclore indígena; nas paredes, fotos antigas são projetadas mostrando a grandiosidade da empreitada, além de cenas documentadas da excursão.


Mas o ponto alto é o contato que o público pode ter com objetos dos indígenas. Pode-se mexer em um tacho cheio de farinha de mandioca, entrar em uma típica canoa da região e atravessar uma pequena mata recriada com sons do local. Isso, aliado à iluminação e à ótima decoração da instalação, dão uma fantástica sensação de imersão no universo dos índios. Fica difícil não se render à jornada dos irmãos que conviveram com povos desconhecidos e acabaram por se tornar grandes padrinhos da luta pela proteção dos indígenas.


Para quem gostar do conteúdo da exposição, fica a boa notícia de que o diretor Cao Hamburger está adaptando a história dos irmãos junto com a produtora de Fernando Meirelles. A estreia do longa está prometida para o final do ano. Quem sabe com a chegada do filme, aliado ao aniversário do Parque do Xingu, os irmãos não sejam promovidos a verdadeiros heróis, ao lado dos duvidosos membros do panteão heroico do povo brasileiro.

Leia a coluna anterior de Edson Castro:

Guerra dos Tronos

Quem é o colunista: Um eterno apaixonado por videogames, filmes, quadrinhos e qualquer besteira de cultura pop.

O que faz: Jornalista, ator e desenhista nas horas vagas.

Pecado Gastronômico: Pringles, Shimeji e brigadeiro caseiro.

Melhor lugar do mundo: A Mooca.

O que está ouvindo nocarro , mp3, iPod: Foo Fighters, Tiê e Tryo.

Fale com ele: edsonhcs@gmail.com ou siga seu Facebook.


 


 


 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças