Guia da Semana

Joana d´Arc - a Virgem de Orleans

A versão do alemão Friedrich Von Schiller traz uma Joana d´Arc que morre no campo de batalha - e não queimada

Foto: Lenise Pinheiro


Um texto lindo. Essa foi uma das sensações que tive sobre a peça Joana d`Arc. Encenado pela Companhia Teatro do Incêndio, a temporada, em cartaz no Teatro Bibi Ferreira, foi prorrogada até 1º de setembro. O texto do alemão Friedrich Von Schiller, inédito na versão brasileira, foi traduzido por Mario Vitor Santos e dirigida por Marcelo Marcus Fonseca, no papel de Dunois.

A peça retrata a vida de Joana d´Arc desde os rituais de infância diante da Árvore das Fadas até a libertação da França. Apesar da Cia. incendiar os palcos, na versão de Schiller, Joana d`Arc não morre queimada na fogueira e nem é submetida aos parâmetros da igreja, mas é perdoada em vida e tem uma morte triunfal no campo de batalha. Num último ato de heroísmo, livra-se das fortes correntes que a prendem e se salva.

A "Virgem de Orleans", codinome usado às vezes por ser chamada de donzela de Orleans, era descendente de camponeses, gente modesta e analfabeta. Ainda na adolescência, a jovem passou a ouvir vozes sagradas. Transitando entre a pureza, a dúvida amorosa por Lionel, interpretado por Thiago Molfi, e a vingança, Joana d`Arc de Schiller é a reafirmação do bom, do belo e do verdadeiro, filosofia de Kant, usada pelo autor.

A obra é visionária e um dos maiores sucessos de Schiller, representante fundamental do Romantismo alemão. Escrita em 1801, o autor já tratava Joana d`Arc como santa - e, de fato, em 1920, Joana d`Arc foi canonizada pelo Papa Bento 15. No seu texto, Schiller propõe uma reflexão sobre ética, amor, igualdade, paz e fé, assuntos importantes para os dias de hoje, já que a maioria das obras modernas trata o ser humano de forma destrutiva.

A peça de vanguarda francesa mostra um diferencial na adaptação da Cia: a substituição do tratamento coloquial para terceira pessoa (você), sem empobrecer a linguagem, uma forma de aproximar ao espectador de hoje. Joana d`Arc fascina muitos dramaturgos: tanto que existem muitas versões, entre elas as de William Shakespeare, Bertold Brecht, Voltaire, entre outros.

O grupo reúne 20 atores em um intenso trabalho corporal, vocal e de interpretação, para dar ritmo aos 160 minutos de peça e manter o espectador surpreso a cada fato apresentado em um intenso jogo cênico. Há uma grande energia entre os atores, e as transições entre o palácio e o campo de guerra acontecem de maneira criativa, com mudanças de luzes e intenções, para situar o espectador nas cenas.

O grupo trabalhou mais de um ano na montagem da peça, valorizando o processo de criação por meio da pesquisa. "O treinamento incluía um ciclo de leituras de outras obras", conta Wanderley Martins, que atua como o Arcebispo, além de ser também o diretor musical da Cia.

A peça mostra a coragem de Joana d`Arc com a verdade. A montagem é o resultado movido pela fé que ela proporcionou aos atores, intensamente interpretado por Liz Reis, que também tem grande participação na Cia. como co-diretora, coordenadora e figurinista, e que, além disso, desenvolveu a marca ideológica da peça, junto com André Latorre, que encena o Rei Charles.

Leia  as colunas anteriores de Mônica Quiquinato:

TOC TOC

Corações de Poe

Buda

Quem é a colunista: Mônica Quiquinato.

O que faz: Mãe, jornalista e especialista em Comunicação Jornalística. Atualmente estuda teatro no Macunaíma.

Pecado gastronômico: Churrasco.

Melhor lugar do mundo: Minha casa.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Titãs, Legião Urbana, Led Zeppelin, Aerosmith, Metallica, Rush, David Bowie, entre outros.

Para falar com ela: monica_quiquinato@yahoo.com.br.




Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças