Guia da Semana

Juventude Interrompida

Direção afinadíssima de João Fonseca recria jogo cênico em montagem inédita de Romeu & Julieta

Foto: Luiz Paulo Nenen Peixoto


Construir um espetáculo usando como pano de fundo grandes clássicos da literatura mundial não é tarefa fácil e, por vezes, pode resultar em um erro catastrófico. Em se tratando de Shakespeare, mais ainda. Não é o caso da bem-sucedida adaptação do dramaturgo norte-americano Joe Calarco para o clássico de Romeu e Julieta, intitulado R&J-Shakespeare. O espetáculo, em cartaz no Sesc-Copacabana, no Rio de Janeiro, encontrou sua voz e o tom certo através da hábil direção de João Fonseca. Em cena está o poder da literatura sobre a imaginação e o efeito libertador que ele pode exercer no indivíduo. No elenco, estão Pablo Sanábio, Rodrigo Pandolfo, Felipe Lima e João Gabriel Vasconcellos.

O espetáculo tem como ponto de partida um internato católico masculino onde quatro jovens vivem em regime de repressão, e que se envolvem em uma leitura clandestina de uma cópia de Romeu e Julieta. Pelo fato de ser um texto proibido, o mesmo tem o poder de despertar as emoções nos jovens de uniformes e comportamento padronizados.


A grande beleza da montagem está no jogo cênico estabelecido entre eles. À medida que avançam na dramatização do texto, as próprias emoções assumem o controle e eles começam a explorar os sentimentos e sua sexualidade.

A concepção e a direção de João Fonseca são afinadas e impecáveis. Destroem as paredes e coloca público e atores em cena, construindo um espetáculo cheio de nuances, permitindo que o espectador embarque no jogo proposto. A direção de movimento de Rafaela Amado é interessante e contribui com acerto para a concepção.

A cenografia, idealizada pro Nello Marrese, é brilhante. O palco, em formato circular, nos remete ao elemento base da transformação que se opera, aquele espaço infinito onde é possível se libertar. Ao redor, é possível observar todos os elementos que oprimem e padronizam o indivíduo: carteiras, lousas, réguas, esquadros. Tudo se transforma diante do público, tudo é utilizado em favor da imaginação. Os esquadros se transformam em máscaras, as réguas em espadas, os prendedores de papel em brincos, os papéis em muros.

O figurino elaborado por Ruy Cortez, que nos lembra muito os uniformes de colégios católicos ingleses, é bem pensado e está de acordo com a proposta. Assim como os próprios adereços de cena, o figurino se converte em peça importante na dramatização dos quatro jovens.

O quarteto de atores se sai bem em cena, com grande destaque para Pablo Sanábio e Rodrigo Pandolfo nos papéis de ama e Julieta, respectivamente. Eles comprovam que são atores de grandes recursos, e que sabem utilizar a criação para construções que transitam sutilmente entre o drama e a comédia.

A iluminação criada por Luiz Paulo Nenen é imaginativa e bem contextualizada na montagem. A luz contribui para a construção da imaginação e tem papel importante na dramatização de Romeu e Julieta. Por fim, a trilha sonora elaborada por André Aquino e João Bittencourt é atual e acertada.

R&J de Shakespeare - Juventude Interrompida é um texto primoroso para ser sorvido aos poucos, sem pressa e com total liberdade. Um texto que está aí para nos lembrar que, mesmo em ambientes opressores, o homem ainda consegue ser livre dentro de si, dentro da sua própria imaginação. Um espetáculo imperdível.

Leia as colunas anteriores de Alexandre Pontara:

Pterodátilos

O dono de 2010

Poesia teatral

Quem é o colunista: Alexandre Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Alexandre Pontara é ator, escritor e produtor cultural. É diretor da Primus Cia de Teatro.

Pecado gastronômico: Bolo Negro e Tiramissú da Doceria Chaika .

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara@gmail.com ou acesse seu site


 


 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças