Guia da Semana

Louco pela arte

Arthur Bispo do Rosário usava a arte para fugir do mundo dos tratamentos para esquizofrenia nos anos 40

Foto: Divulgação

No limite entre a loucura e a genialidade, um artista se fez. Sua arte é um grito de protesto ao modelo como os ditos "loucos" eram tratados no início do século 20. Arthur Bispo do Rosário viveu mais de 50 anos na Colônia Juliano Moreira, instituição psiquiátrica no Rio de Janeiro que era destinada a abrigar aqueles classificados como anormais ou indesejáveis (doentes psiquiátricos, alcoólatras e desviantes das mais diversas espécies). Foi lá que criou suas peças, e 160 delas estão reunidas na exposição Arthur Bispo do Rosário: o artista do fio, em cartaz na Caixa Cultural do Rio de Janeiro.

Arthur Bispo do Rosário nasceu em Japaratuba (SE) em 1909. Descendente de escravos africanos, foi marinheiro na juventude e empregado de uma tradicional família carioca. Sua internação aconteceu em 1939, quando, após uma alucinação, foi diagnosticado como "esquizofrênico-paranoico". Bispo usava sua arte para fugir dos tratamentos usados na época, à base de drogas e eletrochoques. As peças criadas por ele remetiam a objetos musicais, de arquitetura e do cotidiano, como pandeiro, facas, batedor de ovos e até um patinete.

As obras selecionadas pelo curador Wilson Lazaro são denominadas ORFA (Objeto Recoberto por Fio Azul) e fazem parte do acervo do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea. Tal denominação veio do fato que o artista usava a linha azul de seu uniforme e de outros internos da Colônia Juliano Moreira para revestir suas peças. Esta é a primeira vez que esse conjunto de obras é apresentado ao público carioca.

A obra de Bispo do Rosário é um grande resposta a essa sociedade que o excluiu de sua convivência. É também uma grande lição às instituições de arte, já que aquele que era considerado louco é hoje referência para a arte contemporânea brasileira. Mas Bispo do Rosário não era "anormal" no sentido que a sociedade da época o taxava. Ele era um grande artista que usou a situação que foi imposta a ele para criar suas obras. Ele é, assim, um subversivo dos paradigmas nos quais vivemos imersos.

Leia as colunas anteriores de Carol Vidal:

A ordem é ser feliz

As faces de um guerreiro

Quem é a colunista: Uma apaixonada pela cultura brasileira.

O que faz: Jornalista e blogueira.

Pecado gastronômico: Chocolate.

Melhor lugar do mundo: Bahia.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Músicas que alimentam a alma e tocam o coração.

Para falar com ela: vidalcomunicacao@gmail.com, ou siga seu blog, e Facebook.


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças