Guia da Semana

Mais do mesmo

Perto do fim, Sandy & Júnior apelam para Acústico e turnê de despedida

Despedida requenta canções e vende ingressos a rodo


Há tempos desgastado, o formato Acústico MTV caracterizou-se por ser um verdadeiro bálsamo para artistas que perambulam pelo o limbo musical - o que Capital Inicial e Kid Abelha podem provar sem muita dificuldade. Longe dos holofotes da mídia, as bandas não trepidam em requentar sucessos do arco da velha, conferindo-lhes uma nova roupagem desplugada, cuja validade costuma perdurar por pouco tempo. Antes de se separarem, os irmãos Sandy e Júnior vislumbraram no projeto a oportunidade dourada para engatar logo de uma vez disco, DVD e uma discutível turnê de despedida.

No caso da dupla, o álbum ganha um ar de comicidade sem precedentes. O fato é que nem Sandy Leah, nem Júnior Lima são mais talentos mirins figurando em programas de auditório dominicais. Assim, faixas como as imperecíveis Maria Chiquinha e Enrosca - gravada ao lado de Ivete Sangalo, a Madonna do Terceiro Mundo - beiram o patético quando são levadas a sério anos após ensandecerem uma garotada já bem crescida.

Nem mesmo a tentativa de destinar um expoente do universo hype, no caso Marcelo Camelo, para dar um toque descolado ao projeto é convincente. O tiro sai pela culatra e Camelo, que, diga-se de passagem, é um compositor de primeira, tem o filme queimado.

Banquinho, violão e tudo mais.
Cereja no bolo indigesto que tem sido os últimos anos de carreira da dupla, o Acústico MTV não esconde o intento de provocar comoção nos fãs mais saudosistas. Entrar em turnê de despedida, então, é uma maneira certa de arrebanhar milhares de seguidores aos shows, apagando definitivamente a má impressão deixada pelo fiasco que resultou as incursão dos irmãos em terras estrangeiras, ou ainda o episódio em que foram impedidos de se apresentar para o Papa Bento XVI, em maio deste ano.

Nada de novo no front

Embora Sandy tenha se livrado da abobalhada Cristal, personagem da malfadada novela Estrela-Guia, sua postura no palco não difere muito da protagonista do folhetim global. A cantora permanece afinada, sem sair dos trilhos, quase indiferente aos meandros das canções - o que costuma lhe deixar em desvantagem quando encara clássicos mais arredios do jazz e da bossa nova. Conduzindo música por música com uma naturalidade glacial, quase indiferente, tem-se a nítida impressão de que a técnica é encoberta pela falta de vigor com que interpreta o repertório.

Júnior, por sua vez, se não compromete ao violão, é capaz de tirar do sério a testemunha mais paciente da platéia com suas investidas vocais. Destoando do timbre da irmã, sua voz causa uma sensação de desconforto incontornável, como pode ser comprovado nas faixas Super-Herói, Enrosca e Segue em Frente.

Com músicos e profissionais de cenografia, som e iluminação contratados a peso de ouro, o Acústico MTV não deixa de ser um trabalho tecnicamente competente, como de costume. Entretanto, inundar a saideira com os maiores sucessos da carreira e regravações de hits internacionais no formato banquinho, voz e violão, sem esquecer do irritantíssimo bongô que insiste em acompanhar diversas faixas, é uma maneira pouco sincera de sair de cena.

Sandy deixa as fases Cristal e Acquaria de lado para provocar os fãs de jazz


Futuro e reticências

Se por um lado a carreira solo de Sandy parece estar em dilapidar impiedosamente standards jazzísticos, o futuro de Júnior ainda é uma incógnita: o jovem não sabe se prosseguirá ao lado do grupo Soul Funk, ou se encarnará Serginho Herval - o baterista-cantor do Roupa Nova - por outras bandas. A única certeza, para consolo dos fãs e desespero de quem não sente a menor falta da dupla, é que os irmãos continuarão separados, mas na ativa por muito tempo.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças