Guia da Semana

MPB não é selo de qualidade

Artistas misturam diversos ritmos, os intitulam de MPB e pensam que fazem sucesso

Foto: divulgação

Um assunto recorrente no meio da música é a falta de parâmetros para tudo e todos. O mundo já não nota as diferenças entre nada, imagine se iria resguardar esta capacidade logo para música?! Quem toca muito bem e quem não toca nada; quem sabe cantar e quem não sabe nem o que está dizendo; quem compõe muito bem e quem escreve aleatoriamente; entre outras evidências. Na falta desses parâmetros se apóiam argumentos com base no "achismo" ou no livre arbítrio de gostar ou não. Observo e descrevo a seguir o quanto podemos ser iludidos.

Quando leio entrevistas de outros artistas, (especialmente daqueles que se dizem ou se auto-colocam no grupo estético da MPB), faço a relação direta do discurso com a obra ou o show, e assim aguço minha curiosidade reiterando ou não a minha admiração por quanto um artista, um cantor ou cantora sabe sobre o que está fazendo e o quanto a obra "delata" a coerência, a verdade deste discurso. É lógico que o encantamento pelo timbre da voz, melodia, vigor, letra, beleza, entre outros aspectos, se fecha dentro desta paisagem. Se já escrevi sobre a oportunidade, hoje falo sobre o oportunismo.

É sempre moda ser moderno, e na MPB a moda é sempre olhar pra trás. Isso é fácil: gravar composições consagradas, convidar músicos experientes, cantar meio baixinho, não ter muitos instrumentos por faixa, entre outras fórmulas, já coloca o disco naquela prateleira.

Junta-se tudo isso a aquele discurso "meio psicológico", de _"Hoje a tendência é isso e eu estou indo pelo lado contrário..., criando minha própria forma...", e aí está: temos um novo artista de MPB. Um artista que parece infelizmente convencer senão a maioria, uma boa parte do público de que sabe, de que pode. Será tão simples assim?

Leio inúmeras barbaridades sob forma de críticas musicais, sempre proferidas pelos "artistas" como a máxima da equação intelectual, criando a ilusão de serem baseadas em conhecimento e sensibilidade. Essas verdadeiras atrocidades, possibilitadas somente pela frágil impressão de que cada artista pode construir sua identidade da forma que queira, fazem com que me pergunte: desejo ou oportunismo?

MPB não é selo de qualidade e quem a faz nem sempre está apto a representá-la, compreendendo profundamente suas matrizes, interferências, e sob qual medida posicionar uma e outra. Somos todos de uma geração pós-tropicalistas; herdamos a liberdade saudável de misturarmos tudo, mas a grande maioria não sabe o que faz. Já eles, os tropicalistas, sabiam e sabem. Misturar aleatoriamente pode fazer parte da experimentação, mas nem sempre pode ser apresentado como o resultado.

Nessa análise não incluo apenas os artistas da voz. Aqui estão também alguns criadores que se julgam bons compositores de MPB. Estes, inclusive, podem ser encontrados no meio do repertório de CDs da tal prateleira. São frases sem nexo, (lá vai de novo a palavra), misturando a leveza das composições da bossa nova, barquinhos, céu, com conflitos pessoais ou de amor, numa colagem nada original e sem valor algum. E o que é pior, sentem-se desprestigiados por não serem gravados. (Que fique aqui o registro de que sou uma cantora, que tenho dado especial atenção no meu repertório aos novos compositores e às canções inéditas, e que não estou falando aqui da real falta de oportunidade para quem é realmente talentoso, mas sim da ilusão dos que não são).

Como a ilusão é muito próxima da enganação, na música estamos muito mais predispostos a sermos enganados, e como faltam parâmetros para tal distinção, vai se tornando mais difícil a cada dia notar as diferenças.

Não há patente em música, não se "paga" a João Gilberto (foto) para usar para si a sua forma genial e dificílima de cantar, dividir e tocar. O que se faz em arte, principalmente em termos de criação, é quase uma doação para o patrimônio da humanidade. Doação que é para ser absorvida e consumida mesmo, mas há muita diferença entre o "vestido para se disfarçar" e o discípulo que faz a reverência. Fico pensando quem está sendo mais iludido? Os que dizem que fazem ou os que pensam que estão escutando?


Quem é a colunista: Vânia Abreu

O que faz: é cantora.

Pecado gastronômico: comida japonesa.

Melhor lugar do Brasil: a própria casa.

Fale com ela: vania@vaniaabreu.art.br



Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças