Guia da Semana

Na cama com Rambo

Qual é a imagem da arte hoje?

Foto: Sxc.hu


Proseando madruga adentro com uns tamanduás tailandeses numa roda de samba irlandês, uma magnólia loira perguntou se eu achava que ainda havia sentido o naturalismo e o realismo em uma época pós-fotografia. Sem pausa na respiração, a beldade disse que a arte atual (sei lá o que ela quis dizer com isso) tem de ser extinta porque é um extremo desserviço à capacidade humana de criar mundos, construir um imaginário e refletir questões com um mínimo de profundidade, "afinal, a arte como essência é um combustível para a apreensão da realidade, e com a assepsia da arte convencional, da natureza morta e da grande maioria das tresheiras hollywoodianas o que fica é seu oposto: a alienação".

Concordo. E creio que a motivação para isso é a estética. Ao contrário do que prega o senso comum, nós não absorvemos a realidade levando em conta a ética, e sim a estética. É por meio dela que nos comunicamos com o mundo que nos cerca e mesmo conosco: ao olhar um morcego desmamado, nosso vínculo com ele está relacionado a onde ocorre a cena, como está a figura do chorão, nosso humor do momento e nossa bagagem (histórica, moral etc.).

Conhecendo esse princípio, a sociedade em processo de industrialização caminhou para a necessidade de criar uma linguagem estética que pudesse desaguar os seus produtos e sua moralidade. Essa linguagem precisava ser espelhada na realidade (para gerar o convencimento) e unificada (para não causar espanto do público).

Há bastante tempo é ela quem domina, por meio da publicidade, da televisão e do cinema, em especial o norte-americano. Vende-se a imagem do tirano e da raça causadora da tirania, a idéia em voga de politicamente correto, o ideal de amor... Como artigos expostos numa prateleira, essas imagens apresentam ao olho e ao cérebro um código de conduta que passa a ser respeitado por todos que querem ser socialmente aceitos, sob pena de haver a marginalização daqueles que não se encaixam nesse perfil.

Pode-se entender que esses meios são voltados ao entretenimento e ao comércio e sua função nada tem a ver com arte, mas ainda assim há inúmeros problemas decorrentes disso: como a televisão está inserida no cotidiano do indivíduo desde seu nascimento, ela cria no imaginário popular uma determinada maneira de "enxergar". O olho é educado a absorver exclusivamente aquele determinado estilo de mensagem, tanto que postos diante de experiências estéticas diferenciadas normalmente há estranhamento e conseqüente recusa da linguagem.

Perpetua-se um ciclo vicioso: a população acostuma-se a um gênero de linguagem, conseqüentemente os financiadores das obras (normalmente empresas privadas) valorizam na hora da escolha dos projetos aqueles que se adequem à maior capacidade de atrair público, fazendo com que os artistas, para conseguir transformar sua idéia em obra acabada, concebam suas produções dentro dessa linguagem.

Esta é sim a velha discussão sobre a função da arte e da televisão, assim como seus direitos e deveres. Como a televisão é um veículo de concessão pública, nada mais natural do que fazer com que ela cumpra o papel não apenas de mercador de moralidades e interesses corporativos, mas de educador e canal de discussão aprofundada sobre a época em que vivemos.

Mas, desconsiderando isso, o que sê é uma salada institucionalizada que vem sempre com o ingrediente da superficialidade - o que nada tem a ver com a qualidade ou ausência de qualidade da apresentação. Tal superficialidade é intensificada pelo método de financiamento da TV (a publicidade), afinal não é do interesse das empresas comprar causas que podem gerar polêmicas. O resultado são as obras limpas, que podem até levar um texto de Nelson Rodrigues, mas asséptico, com pitadas rasteiras de humor e sem intensificação da discussão social que o texto promove. Perde-se a função da arte e continua-se a promoção de uma sociedade com imaginário frágil, bagagem cultural mínima e reflexão reduzida, daí a corrida a academias para ter o corpo perfeito, a associação de felicidade com conquistas materiais, a escalada da violência e a sensação de individualismo. Uma sociedade que evita a todo custo olhar para si somente poderia gerar essa situação de guerra civil em que vivemos.

Leia as colunas anteriores de Cesar Ribeiro:
? Receita para preparar celebridade em três minutos

? A cartelização do conhecimento

? Rebanho cego de pastores mudos

? Sobre cotidiano, arte e sensibilidade

? Estamos todos felizes?

? Os progressistas não ouvem bossa nova

? Um axé bem cuidado ainda é um axé

? Alguém viu as orelhas de Van Gogh?

? Como vender um peixe amanhecido

? Uma fábrica de Alemães

Quem é o colunista: Cesar Ribeiro.

O que faz: diretor da Cia. de Orquestração Cênica.

Pecado gastronômico: comidas gordurosas & óleos adjacentes.

Melhor lugar do Brasil: metrópoles com multidão, sirenes & fumaças.

Fale com ele: acesse o blog do autor

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças