Guia da Semana

O álbum de cada década

Saiba quais foram os discos mais vendidos da história

O mercado fonográfico sente saudades da época em que não era ameaçado pela internet ou pela pirataria, bons tempos em que discos eram vendidos aos milhões e a crise passava longe das grandes gravadoras. Separados por década, conheça um pouco mais da história dos maiores sucessos do último meio-século.

Anos 50 - ELVIS PRESLEY - Elvis´ Christmas Album

Em plena ascensão, Elvis ainda provocava calafrios em muita gente quando subia aos palcos e estendia sobre a platéia uma sensualidade incomum para a época, quando lançou seu Elvis´ Christmas Album. Febre durante a temporada de 1957-1958, o álbum, considerado por muitos uma obra insossa quando comparada ao legado do rei, traz à tona clássicos natalinos surrados como Santa Claus Is Coming To Town, I´ll Be Home For Christmas e Silent Night, mais conhecida por aqui como Noite Feliz. Incomodados pela imagem transgressora de Elvis, muitas rádios boicotaram o lançamento, que mesmo assim quebrou recorde atrás de recorde de vendas.

Anos 60 - THE BEATLES - The Beatles (White Album)

Conhecido também como White Album, o álbum mais vendido da história dos garotos de Liverpool carrega sinais da eminente cisão dos Beatles, que aconteceria poucos anos mais tarde. Mais ferozes, as canções refletiam a instabilidade que circundava Paul, John, Ringo e George. Dear Prudence corrobora o interesse contínuo dos reis do iê-iê-iê na música indiana, há tempos manifestada nos trabalhos do grupo, enquanto While My Guitar Gently Weeps tem a participação do ex-Cream, Eric Clpaton. Outras faixas que se tornaram célebres são Hapinesse Is A Warm Gun, Julia, Ob-La-Di, Ob-la-Da e Helter Skelter, que inspirou Charles Manson a planejar uma série de assassinatos - entre os quais o de Sharon Tate, ex-mulher de Roman Polanski.

Anos 70 - PINK FLOYD - The Wall

Poucas bandas na história podem emplacar trabalhos aclamados pela crítica e pelo público como determinantes para a trajetória da música. Lançado no final da década de 70, The Wall congrega o experimentalismo que alçou os ingleses ao sucesso com o frescor do rock progressivo. Erguido sobre uma estrutura complexa de texturas e vozes, a ópera rock narra as desventuras do anti-herói Pink, criado pelo baixista Roger Waters, compelido a encarar os devaneios de sua consciência cercada por tentações totalitárias e individualistas. The Wall tornou-se referência não apenas para os futuros álbuns conceituais, mas para toda a história da música. Em 1982, o lendário disco rendeu um filme homônimo, estrelado pelo músico Bob Geldof.

Anos 80 - MICHAEL JACKSON - Thriller

A obra prima vencedora de oito prêmios Grammy, Thriller reconfigurou a música pop moderna e o conceito de showbiz. Produzido pelo grande trompetista Quincy Jones, responsável por lapidar o talento de Michael e colaborar na concepção dos arranjos do disco mais vendido da história, o álbum superou as 100 milhões de cópias, segundo o livro Guinness dos Recordes. A receita do sucesso, destrinchada inúmeras vezes, parte de colaboração de astros como Paul McCartney e Eddie Van Hallen, passando pela cristalização de gêneros como rhythm & blues, soul e disco em uma sonoridade particularmente inovadora, e chegando, entre outros fatores, ao apelo irresistível de faixas como Beat It, Billy Jean e The Girl Is Mine.

Anos 90 - SHANIA TWAIN - Come On Over

Para uma nação que consome discos de country com a mesma voracidade que devora hambúrgueres de fast food, não espanta o fato de Come On Over, da canadense Shania Twain, ser o álbum mais vendido da década de 90. Impulsionado pelo mercado consumidor norte-americano, responsável por mais da metade das cópias comercializadas e que tem em Garth Brooks um de seus maiores fenômenos, o disco bateu na casa de 48 milhões de discos vendidos, em grande parte graças à epidemia causada pela canção Man! I Feel Like a Woman. Aproveitando-se de uma época em que artistas pop como Spice Girls e Backstreet Boys davam as cartas na indústria fonográfica, Shania diluiu a country music em ritmos menos ortodoxos e lançou mão do sex appeal para arrebanhar uma multidão de fãs ao redor do planeta.

Fontes: Gene Sculatti e RIAA

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças