Guia da Semana

Personagem comum (ou não)

Livro de contos da norte-americana Elizabeth Strout ganhou um Pulitzer de ficção em 2009

Foto: Getty Images


Livros de contos geralmente possuem uma estrutura bem fechada, pequenas histórias que condensam muitas informações e tem um final bem fechado. O livro Olive Kitteridge, da autora Elizabeth Strout e ganhador do Pulitzer de ficção de 2009, muda esse formato fazendo todos os contos terem uma personagem em comum, a professora aposentada Olive  Kitteridge.

Seguindo essa estrutura, a autora se permite não fechar algumas histórias, sabendo que outros contos irão complementar as informações que faltam. Alguns, que se interligam, não estão próximos na cronologia, aumentando a sensação de que o livro é uma compilação de contos e não um romance. Porém, ao terminar o livro é inevitável pensar na história de Olive e nas histórias dos personagens secundários que aparecem, como um único conto longo, o que diminui o impacto da inovação na estrutura.

O tema principal é o relacionamento, mais especificamente o de pessoas mais velhas. Casamentos de muitos anos, a dinâmica de casais em que um ama mais o outro, traição, tudo isso permeia nos contos. Depois de ler algumas das histórias, a sensação de ler mais do mesmo é inevitável e fica mais interessante perceber como as histórias se relacionam à Olive e umas com as outras do que a dos contos em si. 

A maior frustração, no entanto, é a personagem de Olive. Após ler todos os contos e ter a visão completa da personalidade da personagem, é difícil sentir afinidade por ela.

Sentimos pena e até nos identificamos com algumas das dificuldades que ela passa e algumas coisas que teve que ouvir. Porém o saldo final é o de que Olive é uma mulher que não gostaríamos de conhecer, e as lições dos contos se tornam mais importantes do que a história da personagem.

A mudança de estrutura do livro de contos é bem vinda e abre muitas possibilidades. Porém o livro parece ter sido escrito para um grupo exclusivo de pessoas. Acredito que pessoas mais velhas ou casadas a mais de 20 anos irão se identificar melhor com as histórias, o que limita o potencial do livro.

Quem é o colunista: Formado em jornalismo, casado e trabalha em uma empresa de tecnologia.

O que faz: Gosto de assistir filmes, ficar em casa, ler, conhecer lugares novos e jogar videogame.

Pecado gastronômico: Sorvete de capuccino, feito em casa por mim e pela minha esposa.

Melhor lugar do mundo: Minha casa, em um sábado chuvoso, à tarde, com minha esposa, um computador e meus videogames..

Fale com ele: camposaraujo @hotmail.com  ou acesse seu twitter.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP