Guia da Semana

Poesia teatral

Espetáculo da Cia de Teatro Íntimo visita a poesia de Adélia em montagem singela e delicada

Foto: Divulgação


Como Drummond costumava dizer, "Adélia é lírica, bíblica, existencial, faz poesia como faz bom tempo: esta é a lei, não dos homens, mas de Deus. Adélia é fogo, fogo de Deus em Divinópolis".

 

É a partir desta leitura da obra de Adélia que adentramos seu universo em montagem inédita da Cia. de Teatro Íntimo que, ao completar seus cinco anos de existência, apresenta uma série de espetáculos do seu repertório no Espaço II do Solar de Botafogo.

 

O espetáculo, construído a partir da colagem de poesias de Adélia, tem o frescor, a sutileza e delicadeza da obra da escritora. Desde o início, o público é convidado a observar de perto o quintal onde as atrizes Fernanda Boechat, Bellatrix e Gabriela Haviaras nos apresentam um pouco da grandiosidade da poesia falada. Ao adentrar a pequena sala, onde cabem apenas 25 espectadores, é como se estivéssemos no quintal da sua obra.

 

Ali presente está o varal com as roupas penduradas, a religiosidade do altar, o banco sob a janela, e é possível espiar pela porta da cozinha aberta, onde o cheiro do bolo vai ativando a memória de nossa própria infância. O cenário, idealizado por Melissa Paro, resolve e aproveita bem o pouco espaço, permitindo um contato mais íntimo do público com as atrizes.

 

Aos poucos, sentimos a delicadeza, o fogo, a sutileza da poesia misturada ao cio constante encarnado pelas atrizes. As atuações são leves, sutis, permitindo que a grande estrela da noite seja realmente Adélia. As três atrizes apresentam bom desempenho em cena, integradas ao ambiente e a proposta da direção de Renato Farias de forma econômica e correta.

 

A iluminação de Paulo César Medeiros, muito bem conceituada, complementa a idéia do quintal, onde se é possível imaginar a luz fraca do lampião, as panelas da cozinha a exalar o cheiro da comida mineira, a conversa na soleira da porta, a gente simples do interior contando seus causos.

 

O figurino de Thiago Mendonça se converte em parte importante deste universo, dando o tom de leveza necessário. E ali, como meros espectadores, sentimos o encanto e a emoção de se degustar boa poesia. A direção de Renato Farias constrói de forma correta e competente este universo mágico tão presente na poesia. Adélia é uma destas raras escritoras que pauta seu trabalho na observação da vida, do cotidiano, do simples fato de existir. Uma escritora sentada à porta de seu quintal, descascando e comendo laranjas.

 

O espetáculo termina, o bolo e a cachaça são servidos e ali permanecemos repensando nossos causos, revivendo nossa própria infância de interior. Uma delícia de espetáculo a ser degustado com gente, bolo e cachaça.

Leia as colunas anteriores de Alexandre Pontara:

Quando a vida é ficção

Vida de Ator

Os Doze Trabalhos de Hércules

Quem é o colunista: Alexandre Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Alexandre Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural.

Pecado gastronômico: Bolo Negro e Tiramissú de Chaika.

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara@uol.com.br ou acesse seu site

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças