Guia da Semana

Qual a verdade?

Vida e arte estão lado a lado. Muitos concordam, outros nem acreditam

Foto: Getty Images


"Tudo que desejo ressaltar é o princípio geral de que a Vida imita a Arte muito mais do que a Arte imita a Vida." (Oscar Wilde)

Essa frase em si mostra o processo dialógico entre Vida e Arte numa qualificação de diferente grau na influência de uma para a outra. Essas duas estão imersas no caldo da cultura na medida em que suas existências dependem de uma criação que contrasta com a natureza. Ao falar de Vida, penso: entusiasmo, necessidades, prazo de validade e modo de viver como ocupação ou profissão. Durante a vida, há os ritos de passagem que são celebrados dentro do seu grupo com o propósito de transmitir a tradição geracional responsável pela sua identidade.

Hoje em dia, a identidade pertence à "aldeia global", desfizeram-se as fronteiras e a cultura de massa homogeneizou as diferenças e empobreceu a convivência a um senso comum. O espírito do nosso tempo tende a desqualificar o passado e a supervalorizar o novo, junto da intensa preocupação econômica. Os modelos de conduta e de conquista equivalem ao ideal lucrativo difundido pela publicidade. A orientação da vida já não inspira muito, não há esperança, é o fim das utopias e as instituições já não proporcionam discernimento em sua representatividade.

A arte está intimamente ligada ao modo de produção, que é inseparável da propriedade do homem. Ele utiliza-se de métodos que pretendem um resultado e verificam sua eficácia em ações. O teatro exige uma sistematização pautada pela dramaturgia. Constantin Stanislavsky criou uma técnica que é um treinamento para o ator desempenhar, como homem e artista, um papel.

O preceito é não reproduzir mecanicamente as falas, mas transferir sua individualidade e assumir as características psicológicas do personagem no palco. Em seu sistema, Stanislavsky disseca uma peça teatral, capta a intenção do autor e como diretor conduz o ator para o "superobjetivo": o propósito fundamental da peça. O personagem segue uma linha direta de ação, contínua, sem se distrair com tendências e não concede nada no percurso da corrente principal da peça.

A vida é descontínua, há frases truncadas de onde se conclui a falta de coerência das coisas numa fragmentação psicológica, uma esquizofrenia dos fatos onde a relevância das coisas se encontra no desejo. Além da satisfação do desejo, a preocupação que nos assola é justamente a ideia cultivada de previsibilidade dos acontecimentos, que se instala em mecanismos viciados e obsessivos, e que são fontes de frustração. O "superobjetivo" da vida está vulnerável a despropósitos e a linha de causalidade dos fatos não depende somente da nossa atitude, demonstrando que o universo de experiência não é permanente.
O que nos resta é a execução de acordos e concessões entre nossa rede de relações, onde há uma interdependência dos participantes, constatando definitivamente que a vida não tem prescrição. 

Tendo em vista a descrença na vida, com seu estilo hedônico reservado, a arte vem como um conjunto de qualidades que proporciona inúmeros efeitos: uma maneira de interpretar a realidade e uma sensibilização substancial. Ao remontar histórias, o teatro, em sua estrutura intrínseca, permite um posicionamento frente às situações dramáticas. A partir de uma estrutura narrativa formal, com início, meio e fim é possível entrar em contato com valores que caíram no esquecimento e reconhecer as causas primárias como o sentimento religioso, a metafísica, enfim a essência.

O aprendizado procede da imitação, por isso não importa o grau de influencia da arte na vida e da vida na arte, se atermos à nossa origem, a imitação será um processo dinâmico e de formação.  

Leia as colunas anteriores de Renata Bar:

Triângulo Amoroso

Plumas e paetês

Durante três meses

Quem é a colunista: Renata Bar Kusano.

O que faz: Publicidade e Propaganda (FAAP), uma aprendizagem em edição em vídeo e suas correlações.

Pecado Gastronômico: carré de vitela ao molho de hortelã e camarão à provençal! 

O melhor lugar do mundo: debaixo d´água.

Fale com ela: rebarkusano@gmail.com ou acesse seu blog

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças