Guia da Semana

R & G Estão Mortos

Além de decorar as falas dos personagens, entender a sua essência foi o que trouxe uma nova realidade para a atriz

Foto: Gustavo Guerra


Uma experiência fantástica e enriquecedora com o teatro do absurdo e o realismo em uma comédia plena de aprendizagens. A peça R & G Estão Mortos foi apresentada em julho deste ano. Escrita pelo tcheco Tom Stoppard, foi dirigida por Lucas De Lucca e criada por um elenco de 19 atores.

Tom Stoppard nasceu na República Tcheca e começou a trabalhar como jornalista aos 17 anos. A partir daí, começou a escrever peças para rádio e televisão. Ganhou prêmios importantes do teatro americano e o Oscar pelo roteiro de Shakespeare Apaixonado. Em 1967, estreou no teatro Rosencrantz e Guildenstern Estão Mortos, considerado, até os dias de hoje, uma obra prima da dramaturgia moderna.

R & G Estão Mortos foi uma decisão em grupo de abreviar ainda mais o título da peça. A obra original tem uma duração média de três horas de espetáculo e o nosso desafio foi transformá-la para uma peça de uma hora e vinte minutos. Seguindo a técnica do dramaturgo alemão Bertolt Brecht, havia momentos de distanciamento do personagem, deixando claro que aquilo era teatro, e não a realidade.

O texto transforma dois personagens secundários da peça Hamlet, de Willian Shakespeare, Rosencrantz e Guildenstern, nos personagens principais de uma comédia. Ros e Guil, como são apelidados, são dois cortesãos bem vestidos, e cada um deles possui uma bolsa de couro para moedas. A descrição inicial da peça mostra um texto típico do teatro do absurdo, em algum lugar à espera de algo que não se resolve. Hamlet, Trágicos, O Ator, Claudios, Gertrude, Polonius, Ofélia, entre outros personagens, fazem parte da trama, além do Alfred, claro, um rapaz vestido de mulher, dão o colorido da peça.

Quando pesquisamos sobre a obra e o autor, deparamos com grandes surpresas, inclusive os vários pontos de vista. No primeiro entendimento, levamos em consideração que Ros e Guil estavam mortos porque se negavam a despertar para a realidade, pois nunca estiveram vivos. Então, iniciamos os trabalhos acreditando nessa versão, até chegarmos a outro rumo do texto: Ros e Guil estão mortos no sentido de estarem em apuros ou fritos, pois iriam morrer.

Desde fevereiro de 2011 estávamos estudando qual o texto seria a melhor opção para o semestre e o porquê da escolha. Foram horas e aulas de discussões sobre Calígula, Laranja Mecânica, O Pato Selvagem, Para Acabar de Vez com o Juiz de Deus, entre outras opções, até o diretor elaborar uma imensa tabela das experiências e desejos de cada ator. E ele chegou à brilhante conclusão de que éramos um grupo com vontade de montar uma comédia realista sem que percebêssemos isso.

A escolha dos personagens também foi submetida ao método do diretor aliado à vontade dos atores. Foram quatro duplas de Ros e Guil, pois eram textos gigantes e um espaço curto de tempo para decorarmos até chegar ao resultado esperado. Quando soube que eu faria o Guil, sabia do trabalho pela frente. E foi com muito suor, dedicação e entendimento pleno do texto para representá-lo, o corpo precisava estar disponível: afinal, tratava-se de uma comédia.

Depois das apresentações, tivemos uma avaliação individual e de grupo e percebemos que havíamos entendido a proposta e, melhor, nos divertimos. Havia valido o esforço de todos. Lembro-me de que, a cada dificuldade, o diretor sensivelmente mudava a tática dos ensaios, confortava e incentivava os atores. Uma criatura incrível, com sentimentos humanos difíceis de se encontrar nos dias de hoje. E acredito que o grupo também sinta isso. Obrigada Lucas.

"Não é difícil entender a arte moderna. Se ela trava em uma parede é uma pintura, e se você pode andar em torno dela é uma escultura" - Tom Stoppard.

Leia  as colunas anteriores de Mônica Quiquinato:

Joana D`Arc - a Virgem de Orleans

TOC TOC

Corações de Poe

Quem é a colunista: Mônica Quiquinato.

O que faz: Mãe, jornalista e especialista em Comunicação Jornalística. Atualmente estuda teatro no Macunaíma.

Pecado gastronômico: Churrasco.

Melhor lugar do mundo: Minha casa.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: Titãs, Legião Urbana, Led Zeppelin, Aerosmith, Metallica, Rush, David Bowie, entre outros.

Para falar com ela: monica_quiquinato@yahoo.com.br.





Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças