Guia da Semana

Realismo mágico

Leia a crítica de Êxodos - O Eclipse na Terra, com direção de Marco Antônio Rodrigues

Foto: Divulgação

Êxodos - O Eclipse da Terra foi inspirado na obra do escritor Gabriel Garcia Marquez e no fotógrafo Sebastião Salgado, em seu trabalho Êxodos.

O escritor é responsável por criar o realismo mágico que, em sua narrativa, não há relação de causa e efeito e o fotógrafo documenta a história da humanidade em trânsito, retrata a dignidade da raça humana e, ao mesmo tempo, a violação que sofre em guerras, na pobreza e outras injustiças.

A encenação mescla esses dois artistas ao por em situação personagens culturalmente diferentes e expostos a diversas oportunidades, mas o sentimento e a reação das pessoas frente às dificuldades são parecidos. A realidade não suaviza o impacto nas vidas apresentadas. A saída das dificuldades impostas aos personagens, exprime-se criativamente por eles.

A obra teatral faz uma metáfora para a condição submissa do ser humano, quando faz do sonho o enredo. Há um ponto de partida, viajantes que procuram glória, cada um com sua peculiaridade, precisam passar pela fronteira. Uma zona territorial que separa, seleciona e restringe o direito de passar livremente. A permissão da passagem está nas mãos do Anjo Marinho, Gabriel, que quer recrutar novos tripulantes, uma vez que seus marinheiros, que foram recrutados pela capacidade de sonhar, naufragaram.

A motivação dos personagens em cruzar a fronteira é conduzida pelo sonho, mas a busca não é desinteressada.

O Anjo Marinho é um carrasco supliciado, ao aliciar sonhadores para sua tripulação.

A premissa da peça é naufragar no mar, no inconsciente.

Nada é gratuito, esse é o sentido apreendido na encenação.

O que vemos atrás do sonho é um apetite de vida, uma necessidade implacável que enrijece a direção, pois há uma submissão à necessidade e disso a sublimação.

A crueldade é apresentada ao mercantilizar o sonho.

O sonho, como busca interessada, possui lucidez, mas nasce de um impulso irracional, que deseja o bem.

Mas num mundo circular e fechado, de criação contínua e ação mágica, transfigura-se a face externa e o mal é a lei permanente, a face interna.

O sonho é o sentido manifesto e a aparência absurda dele revela o desejo do sonhador. Este último está associado a sua determinação irreversível, que terá de suportar: a vida é sempre morte e a sobrevivência derrama sangue, escraviza, compromete o físico.

A peça é um enredo onírico, seu desenvolvimento é fluxo, imagens que explicam discursos e discursos que significam em sua sonoridade.

A atuação se dá através dos conceitos abstratos que evocam sempre uma noção concreta, entre o realismo mágico e a fantástica realidade.

Dirigida por Marco Antônio Rodrigues o texto é uma criação coletiva do Folias D`arte, a partir das experiências pessoais dos atores sobre migrações reais e fictícias.

Leia as colunas anteriores de Renata Bar:

Qual a verdade?

Encontro com si mesmo


Contato com o público

Quem é a colunista: Renata Bar Kusano.

O que faz: Publicidade e Propaganda (FAAP), uma aprendizagem em edição em vídeo e suas correlações.

Pecado Gastronômico: carré de vitela ao molho de hortelã e camarão à provençal! 

O melhor lugar do mundo: debaixo d´água.

Fale com ela: rebarkusano@gmail.com ou acesse seu blog

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças