Guia da Semana

Sessenta anos de transpiração e inspiração

Na contínua busca pela excelência, a Escola de Arte Dramática comemora seu sexagésimo aniversário em 2008

Foto: Alunos da primeira turma da EAD/
Arquivo EAD


Um celeiro dos melhores artistas brasileiros. É assim que muitos definem a Escola de Arte Dramática. E, embora algumas pessoas não saibam, nomes consagrados do teatro nacional já deixaram suas lágrimas, risos, abraços, gritos e aplausos nos ares da instituição. Ney Latorraca, Glória Menezes, Francisco Cuoco, Aracy Balabanian, Leonardo Villar, Elizabeth Savala, Caco Ciocler, Juca Chaves, Marisa Orth e Edson Celulari foram alguns deles.

Formadora de atores, cenógrafos, críticos, dramaturgos e diretores, a primeira escola de teatro foi fundada no país em 1948, por Alfredo Mesquita (1907-1987), filho de Julio Mesquita, o patriarca do jornal O Estado de S. Paulo. Foi por conta da sua paixão pela cena e falta de interesse em participar dos acontecimentos do jornal que o até então advogado se voltou às artes e transformou o fazer teatral no país. O personagem irreverente recebeu no fim de 2007, ano de seu centenário, uma biografia que leva o nome de Alfredo Mesquita- um grã-fino na contramão, escrita pela dramaturga e jornalista Marta Góes.

Foto: Alfredo Mesquita
Terceiro Nome
O livro conta a trajetória de um dos homens mais queridos pelos artistas de sua época e documenta sua importância na construção cultural de São Paulo. Foi graças ao surgimento da escola que a profissão de ator passou a ser reconhecida e mais respeitada diante da sociedade. Alfredo desenvolveu um modelo artístico educacional através do comprometimento cênico, intelectual e teórico, além da disciplina que era requisito fundamental como qualquer outra profissão deveria exigir.


A princípio, a escola se instalou no porão do Externato Elvira Brandão, na Alameda Jaú, no Jardins. Logo depois passou a ocupar o segundo andar do Teatro Brasileiro de Comédia TBC, no bairro do Bixiga. De 1952 até 1960, a escola se estruturou numa casa em Higienópolis e mais tarde na Avenida Tiradentes (hoje Pinacoteca do Estado). Por fim, em 1970, mudou-se para a Cidade Universitária, data que Alfredo abriu mão da direção da escola e ela seguiu integrada a Universidade de São Paulo até hoje.

Com mais de 120 espetáculos encenados ao longo dessas seis décadas, em seu repertório encontra-se de tudo: das comédias e tragédias gregas até textos modernos e alguns realizados pelos próprios grupos para as montagens. Peças e escritores de todos os tempos passearam pelo palco da EAD, entre seus destaques estão: Exceção e a Regra, de Bertolt Brecht, em 1951; as de Esperando Godot, de Samuel Beckett, e O Anúncio Feito à Maria, de Paul Claudel, em 1955; Ubu Rei, de Alfred Jarry, em 1958; além de montagens de grande porte, como Macbeth, de Shakespeare, em 1962; Teatro Cômico, de Goldoni, em 1958; Na Festa de São Lourenço, de José de Anchieta, em 1960; Os Persas, de Ésquilo, em 1961; O Burguês Fidalgo, de Molière, e As Alegres Comadres de Windsor, de Shakespeare, em 1968.

Ney Latorraca e Marie-Claire Brant
em Entre Quatro Paredes,
direção de Paulo Hesse, 1967
Foto: EAD
Durante todo esse tempo, a escola teve seus altos e baixos. O professor Iacov Hillel, que dedicou mais de 30 anos a ela, já foi diretor e vice-diretor, afirma que hoje eles vivem um bom momento, já que conquistaram uma estrutura, disponibilizam um espaço próprio, com equipamentos capazes de produzir espetáculos de qualidade. "Trabalhamos intensamente na EAD. Os quatro anos são puxados e os alunos devem estar dispostos a se envolver por inteiro. E estão!". Abrir portas é o grande objetivo da instituição.

O início das comemorações de 2008 está nas mãos do espetáculo Prepare Seu Coração, dirigido por Iacov e escrito por Mário Viana e Fábio Torres, em cartaz até 2 de março. Na comédia dramática musical, os jovens artistas se jogam no período de 1966 a 1968 - época que a juventude brasileira deu uma virada em sua própria história. Meninos e meninas passaram do vestido tubinho às batas hippies, do bombril no cabelo ao coquetel molotov. E o grupo do 4º ano da escola consegue, com imensa precisão, encarar as emoções desses personagens. Cantam e interpretam com a alma.

Depois dessa montagem, Iacov não revela as surpresas que estão preparando para o decorrer do ano, mas promete qualidade mais uma vez no trabalho. Ele adianta, porém, que vem por aí uma festa, mas só no fim do ano, por volta de novembro. "Reuniremos os artistas da EAD numa festa legal, não sei detalhes ainda, mas o público ficará sabendo mais para frente!".

Colaboraram:
? Iacov Hillel- Professor da EAD
? Vanessa Prieto- Atriz da peça Prepare Seu Coração
? Carlos- Secretaria EAD
? Editora Terceiro Nome

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças