Guia da Semana

Submarino Pop

Animação de 1968 sintetiza a cultura da época

Foto: Site oficial


Pepperland é uma terra onde tudo é feito de música, cores e alegria, o lugar fica debaixo do mar e conta com a proteção da Banda dos Corações Solitários do Sargento Pimenta. Até que os Azuis Malvados chegam em uma bolha a prova de música, declaram guerra e transformam o grupo em estátuas, assim, o local fica quieto e pálido. A mando do prefeito, Velho Fred embarca em um submarino amarelo e vai buscar socorro, encontra quatro rapazes na Inglaterra que estão dispostos a ajudar. Assim Os Beatles começam em sua jornada heróica e enfrentam aventuras a bordo do submarino. Este é o ponto de partida de Yellow Submarine, uma animação que marca a cultura pop tanto em sua forma quanto em seu conteúdo.

O roteiro não tem muita profundidade, é uma fábula moderna baseada em 12 músicas, das quais 4 foram feitas especialmente para o filme. Os desenhos são de Heinz Edelmann, um artista gráfico que fala alemão, mas nasceu na Iugoslávia. O filme foi feito em animação e representa ícones da cultura pop unindo técnicas da "mídia de massa" e da arte acadêmica. Imagens foram inspiradas em comerciais de televisão, belas-artes e ilustrações, são fotografias com animações, efeitos especiais e imagens em três dimensões.

Formado por curtas-metragens de 5 minutos interligados, a obra corre de maneira dinâmica. O visual muda constantemente, deste modo, além de prender a atenção do espectador, diversas tendências das cultura e arte modernas são representadas. O filme é um resumo da década de 1960, sua estética mostra a identidade visual da época. Roupas e acessórios refletem a moda, com cores fortes, calças boca de sino e lenços no pescoço, trajes usados pelos mods, integrantes de um movimento da subcultura londrina que se identificavam com a cultura italiana e a modernidade.

A parte dedicada a canção Eleanor Rigby foi montada usando desenhos feitos sobre fotocópias de imagens da cidade de Liverpool, este recurso aumentou o contraste das cores e deu realidade ao traço. Esta técnica de desenho sobre fotos foi muito utilizada por ícones da Arte Pop, como Andy Warhol e Peter Philipps.

A seqüência O Mar de Buracos tem um cenário branco com diversos círculos pretos em perspectiva, traz o uso de cores complementares associado a formas geométricas e mostra a influência da Op Art- Optical Art, arte óptica, em português. Esta escola brinca com a visão e com noções de profundidade e movimento.

Mas, o que mais aparece no filme é o Flower Power da geração hippie, que prega paz e amor também aparece. Cores vivas e imagens caleidoscópicas brincam a imaginação e retratam sonhos ou viagens lisérgicas. Este movimento fica impresso em diversas passagens, se fazendo mais presente nas partes que mostram as canções Lucy In The Sky With Diamonds, onde técnicas especiais dão efeitos luminosos às cores do vídeo, e All You Need Is Love, quando as letras gigantes da palavra ´amor´ colorem a cidade e devolvem a vida ao lugar.

Yellow Submarine teve uma parte censurada no Estados Unidos - a seqüência de Hey Bulldog com um cachorro de três cabeças -, faz uma metáfora que bem humorada sobre a tirania dos políticos e o poder revolucionário da arte, mostra com maestria a cultura de uma década que mudou a cara da juventude Tudo isso, com música de qualidade e encanto aos olhos.

Quem é a colunista: Talita Xavier.

O que faz: Jornalista.

Pecado gastronômico: Shimeji com flor de lírio.

Melhor lugar do Brasil: Camburi

Fale com ela: talita-xavier@uol.com.br

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças