Guia da Semana

Todos juntos em Recife

Independentes, veteranos e grandes nomes do rock internacional confirmam o Abril Pro Rock como um dos eventos mais importantes do cenário musical

O cantor, compositor e polemista Lobão integra a 16º edição do Abril Pro Rock


As últimas duas décadas confirmaram o Abril Pro Rock como um dos principais festivais independentes do país. Em sua 16º edição, ele divide a função de garimpar e promover talentos da música nacional com outros eventos semelhantes como o Mada, em Natal, o Humaitá Pra Peixe, no Rio de Janeiro, e o Bananada, em Goiânia.

Colocando lado a lado nomes de relevo da cena e artistas que não contam com o respaldo de uma grande gravadora, os chamados independentes, o Abril Pro Rock mostrou-se hábil em projetar nomes consagrados do rock nacional como Nação Zumbi, Mundo Livre S/A e O Rappa. Em 2008, a velha guarda se faz presente com os veteranos Lobão, Wander Wildner e Júpiter Maçã, músico gaúcho que acaba de lançar o elogiado álbum Uma Tarde Na Fruteira.

Celeiro independente

Muitas vezes preteridos pelos badalados festivais do eixo Rio-São Paulo, artistas que trilham a cena independente encontram em eventos mais democráticos como o Abril Pro Rock a possibilidade de conquistar um público antenado nas novidades do cenário musical, embora vejam com ressalva o alcance de suas performances. "A questão de um festival catapultar uma banda desconhecida para que ela depois se firme é um pouco mais difícil, até porque há sempre muitas atrações, e uma banda nova normalmente não faz parte dos melhores horários", pontua Beto Cupertino, vocalista e guitarrista do Violins, quarteto goiano que sobe ao palco do APR no sábado, 12, mesma data em que se apresentam os neozelandeses do The Datsuns e cantora Céu.

Superguidis: gaúchos em peso no APR
Em contrapartida, o intercâmbio com músicos de todo o país é um dos pontos altos sublinhados pelo baixista Diogo Macueidi, do Superguidis, banda gaúcha que tem se apresentado em importantes eventos dentro e fora do país. "Nesses festivais, vimos muita gente boa, de qualidade impressionante, como o Vanguart e o Macaco Bong, do Mato Grosso, e os Los Porongas, do Acre. Sem os festivais, seria muito difícil uma banda independente mostrar seu trabalho. No nosso caso, ganhamos experiência com os shows e viajamos muito", explica Macueidi, que também estréia no APR na noite de sábado.

Elogiado pela boa estrutura oferecida tanto a medalhões quanto aos novatos, o APR passa ao largo dos já afamados concertos que privilegiam atrações internacionais em detrimento das pratas da casa. O vocalista do trio Vamoz!, Marcelo Gomão, mostra-se animado com a possibilidade de integrar a 16º edição do Abril Pro Rock, "É o maior festival do nordeste! Além do mais, nós queremos fazer um show extra loud, e lá encontramos ótimos recursos de som, luz e equipe".

Escalação gringa

Um dos carros-chefes do festival é o veterano New York Dolls, banda responsável pela difusão do glam rock no início dos anos 70 e pela afirmação do visual andrógino em cima dos palcos. Capitaneado pelo quase sessentão David Johansen, o grupo que serviu de inspiração para uma leva incontável de figurões da cena punk aporta pela primeira vez no país.

Bad Brains: reggae e hardcore na receita
Quem também estréia em terras brasileiras é o quinteto The Datsuns, da longínqua Nova Zelândia. Desconhecida do grande público, a banda promete pesar a mão em petardos que ecoam o velho hard rock de nomes como Cult e AC/DC. A escalação gringa do primeiro final de semana ainda conta com o aclamado quarteto experimental Bad Brains, cujo guitarrista Dr. Know e o baixista Darryl Jennifer são os únicos membros remanescentes da formação original.

Separados por um intervalo de 15 dias, os alemães do Gamma Ray e do Helloween fecham o Abril Pro Rock em uma noite dedicada ao metal. Enquanto o grupo de Kai Hansen oferece aos fãs as faixas do álbum Land Of The Free II, sua antiga banda, o Helloween, desfila alguns dos sucessos que ajudaram a elevar o quinteto à condição de expoente do gênero.

Pratas da Casa
O vocalista Adriano Lemos e o baterista Eduardo Martins, do grupo recifense Project 666 falam sobre a experiência de dividir o palco com os veteranos do New York Dolls e do Bad Brains

Vocês já tocaram em outros festivais independentes, mas o Abril Pró Rock deve ser uma experiência diferente, já que é uma vitrine bem estabelecida no Brasil?

Eduardo - Desde as primeiras edições que vou ao APR como espectador, e já vi muita banda se destacar no festival e depois disso não acontecer mais nada. Acho que o mais importante para uma banda nova, como o Project 666, que tem oportunidade de tocar num evento de tal porte é saber aproveitar a visibilidade e a exposição concebida. Por isso que estamos trabalhando muito, tanto na parte da apresentação-execução em si, como também no nosso material de divulgação.

Como você vê esse aumento no número e na qualidade dos festivais no país? Vocês acham que esse tipo de evento é capaz de revelar uma banda relativamente desconhecida e depois ajudá-la a se firmar?

Adriano - São esses grandes festivais que conseguem fazer com que grandes bandas que até então não tinham espaço para mostrar seus trabalhos, se exponham e possam mostrar para o grande público o talento que até então estava escondido dentro de garagens. A qualidade desses festivais está justamente nesse ponto, é quando você consegue mostrar um novo talento.

Eduardo - Do mesmo modo que a cena independente mudou com as bandas, o mesmo acontece com esses festivais. Através da internet, bandas e festivais criam suas comunidades para discutirem o desenvolvimento de toda uma cena. Na web, o público também está em contato direto com os organizadores do evento e também com as bandas. Hoje, fica mais fácil selecionar bandas para tocar num festival justamente por isso. Essa ponte entre o festival e o público está mais estreita, direta.



O Abril Pro Rock pode levar o som do Project 666 a um público diferente, abrindo a possibilidade de vocês frequentarem outras praças? Qual a expectativa de vocês quanto às apresentações do New York Dolls e do Bad Brains?

Eduardo - O APR é um festival diversificado que atende vários segmentos musicais. Tem neguinho que vai para assistir ao show do Mukeka di Rato, e acaba se espantando com o show de uma outra banda que ele mesmo achava que não ia curtir, devido ao estilo de som que não o agrada muito. Na noite de sexta, que vai está permeando entre bandas de Hard Rock, Punk, Indie, seremos a única banda de metal... Isso é bem interessante.

Adriano - Realmente o Abril pro Rock, como qualquer outro festival de grande porte, tem essa capacidade de juntar e misturar pessoas que gostam de estilos musicais diferentes e isso é algo que é novo para todas as bandas que tocarão no festival, pois é uma oportunidade única de se mostrar trabalho para pessoas diferentes do público usual que cada banda possui! E será ótimo tocar com lendas como o New York Dolls e Bad Brains.

Eduardo - Estou muito ancioso para ver o Bad Brains. Os caras conseguiram misturar dois tipos de músicas bem diferentes, o hardcore e o reggae, numa só música. Isso lá no inicio da década de 80. Sem o Bad Brains o que aconteceria com a sonoridade de bandas como o Faith No More e o Red Hot Chilli Peppers?


PROGRAMAÇÃO

SEXTA, 14 DE ABRIL

Palco 1
Mukeka Di Rato (ES)
New York Dolls (EUA)
Bad Brains (EUA)

Palco 2
Project 666 (PE)
Zumbis do Espaço (SP)
Vamoz! (PE)

Palco 3
Banda do Link Musical
The Sinks (RN)

SÁBADO, 12 DE ABRIL

Palco 1

Céu (SP)
Autoramas (RJ)
Júpiter Maçã (RS)
The Datsuns (Nova Zelândia)
Lobão (RJ)

Palco 2

Sweet Fanny Adams (PE)
Violins (GO)
Vitor Araújo (PE)
Rockassetes (SE)
Superguidis (RS)
Pata de Elefante (RS)

Palco 3

Banda do Link Musical
Erro de Transmissão (PE)
Barbiekill (RN)

DOMINGO, 27 DE ABRIL

Palco 1

Gamma Ray (Alemanha)
Helloween (Alemanha)

SERVIÇOS - Abril Pro Rock 2008

Datas:11, 12 e 27 de abril
Local: Chevrolet Hall - Rua Agamenon Magalhães, s/n, Complexo de Salgadinho, Olinda
Abertura dos portões: sexta e domingo, 20h; sábado, 17h
Ingressos: 11 e 12/04 - R$ 50,00 (inteira), R$ 25,00 (meia-entrada), R$ 30,00 + 1 kg de alimento não perecível (ingresso social), R$ 500,00 a R$ 800,00 (camarotes); 27/04 - R$ 80,00 (inteira), R$ 40,00 (meia-entrada), R$ 50,00 + 1 kg de alimento não perecível (ingresso social), R$ 800,00 a R$ 1500,00 (camarotes).
Pontos de Venda: Lojas Renner - Imperatriz e Shopping Recife; Chevrolet Hall (cartões Visa e Mastercard são aceitos apenas nas bilheterias do Chevrolet Hall).

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP

13 grafites em SP que todo mundo que ama arte deveria ver pessoalmente

Confira obras espalhadas pela cidade que merecem sua atenção

Na Semana da Criança, uma selfie vale um passaporte nos museus de SP; entenda

Para participar, é só postar foto com uma criança no Facebook com a hashtag #MuseusSP e apresentar na bilheteria da Pinacoteca, Casa das Rosas ou do Museu da Imigração

Unibes Cultural oferece programação especial e gratuita para o mês das crianças

Evento acontece até dia 31 de outubro e comemora o Mês das Crianças