Guia da Semana

Vai um tira-gosto?

Indústria cultural cria o rótulo "snack culture" e aponta a tendência da compactação de obras para facilitar a sua circulação e consumo



O termo "snack culture" (cultura do aperitivo, em umatradução livre), difundido pela edição de março da revista americana Wired, define uma tendência do consumo cultural - obras em pequenos pedaços, em curtas doses (snacks), produzidos, consumidos e potencialmente descartados com a mesma velocidade pela qual os seus dados circulam pela internet.

Com a proposta de disponibilizar "só o que interessa" ao público, empresas bombardeiam a rede com versões enxutas de músicas, filmes, com a pretensão deapresentar apenas o essencial - nesse mundo da velocidade, as pessoas estariam sem tempo para consumir as obras inteiras. A fórmula para encontrar a essência de uma obra parece ser bem simples nesse caso: de um filme clássico podem ser apresentadas apenas as cenas "marcantes", de uma música, apenas o refrão ou um solo de guitarra.

Entrei em contato com esse tema através de um artigo da Folha de São Paulo ( Ilustrada, 17/06) e achei bem interessante - perturbador em alguns momentos, mas interessante. O objetivo aqui não é criticar o texto publicado no jornal, e sim fazer uma leve reflexão sobre o conceito de "produto cultural" utilizado para fazer a análise desse movimento de compactação das obras.

Interessadas em maximizar os ganhos obtidos com a venda de seus produtos - característica básica de uma sociedade de consumo - as empresas reduzem um trabalho ao "essencial" para facilitar a divulgação e caracterizar um novo tipo de consumidor - o que se contenta com o resumo, e que vai perder o interesse tão rápido quanto for a digestão, fazendo necessário que um novo "compacto" seja produzido. O material resultante dessa postura se caracteriza mais como umaação de marketing do que com uma produção cultural, e caminha para o superficial e o descartável. Porém, livre da influência de interesses corporativos, osartistas podem arriscar e fazer seus "snacks" íntegros - um exemplo bacana seria o dos autores de quadrinhos, que por muitas vezes conseguem produzir de maneira compacta (tiras) algo significativo e original.

Bons filmes em curta-metragem também servem para mostrar que é possível fazer um cinema bacana usando um curto espaço de tempo. Ramificações do rock como o punk e o speed metal trabalham com tempo reduzido e nem por isso deixam de ser significativas - isso para ficar só nos exemplos mais básicos.



Conceituar como produtos culturais ações de empresas interessadas apenas em ganhar um bom dinheiro pode criar a impressão de que só o refrão, os efeitos mais impressionantes de um filme e as cenas mais quentes de uma série são importantes - o produto se confunde com sua propaganda. Fica aos artistas o desafio de sempre: encontrar neste meio maneiras de desenvolver obras interessantes e significativas e que componham um prato principal - e não só um aperitivo.


Quem é o colunista: Diogo Silva

O que faz: é estudante de História e tocador de baixo elétrico.

Pecado gastronômico: café, bem ou mal passado.

Melhor lugar do Brasil: litoral da Bahia.

Fale com ele: fadeaway_br@yahoo.com.br

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA

6 motivos para visitar a Fundação Maria Luisa e Oscar Americano em SP (e nem perceber que está na capital)

Local une arte, cultura, lazer, arquitetura e natureza, fazendo com que o visitante esqueça que está em SP