Guia da Semana

4 Motivos para conferir o novo “Ben-Hur” (e um para pensar duas vezes)

Remake do clássico de 1959 chega aos cinemas no dia 18 de agosto

Quem diria: 57 anos depois do clássico com Charlton Heston, uma nova versão de “Ben-Hur” está chegando aos cinemas, com direito a um Judah Ben-Hur furioso interpretado por Jack Huston, um Messala amargurado vivido por Tobby Kebell, um Jesus Cristo encarnado pelo brasileiro Rodrigo Santoro e uma corrida de bigas para fã nenhum botar defeito.

Se você quer saber se o remake, que estreia no dia 18 de agosto e é dirigido por Timur Bekmambetov (“O Procurado”), vale o seu ingresso, confira 4 motivos para assistir a “Ben-Hur” nos cinemas (e 1 para pensar duas vezes):

  

Huston e Kebell formam uma grande dupla


Antes de viver Ben-Hur, Jack Huston já foi Jack Kerouac em “Versos de Um Crime” e George Wickham em “Orgulho e Preconceito e Zumbis”, enquanto Toby Kebbell é mais conhecido pelo papel do vilão Koba na franquia “Planeta dos Macacos”, além de ter vivido Durotan em “Warcraft: O Primeiro Encontro de Dois Mundos”, ambos usando captura de movimento. No novo filme, a dupla mostra que é capaz de explorar uma vasta gama de sentimentos e exibe uma química perfeita, tanto como irmãos e amigos quanto como inimigos mortais.

 

Rodrigo Santoro interpreta Jesus

Os fãs de Santoro podem ficar tranquilos: desta vez, o galã tem um papel importante no filme e, mesmo com poucas falas, sua presença é marcante. O ator brasileiro interpreta Jesus Cristo em diversos pontos da trajetória do personagem e do protagonista: desde quando o cristianismo ainda era só uma ideia de amor, que se espalhava lentamente pelo povo oprimido pela ocupação romana, até a crucificação, que transforma a visão de Ben-Hur sobre a violência de seus atos.

 

Esta versão não é tão longa quanto a de 1959

Pode admitir: você provavelmente não teve paciência para assistir ao filme clássico inteiro, com suas três horas e meia – ou, se teve, bem que gostaria que ele tivesse alguns minutinhos a menos. Pois a nova versão se condensa em apenas duas horas e, com exceção do final um pouco apressado, o ritmo não é um problema e a história é contada com todos os detalhes necessários.

  

A corrida de bigas faz jus ao título

Se há uma cena que todo o mundo conhece de “Ben-Hur”, é a famosa corrida de bigas, quando os amigos (irmãos de criação, na nova versão) Judah e Messala se enfrentam numa competição de vida ou morte. No novo filme, a cena é bem parecida e igualmente grandiosa – e, acredite, filmada com cavalos reais, sem a adição de efeitos digitais, como mostra este vídeo:

 

E os pontos negativos?

O novo Ben-Hur é diferente do anterior em diversos elementos e, em sua maioria, as mudanças vêm para o bem – com exceção da sequência final, após a corrida. No lugar de uma revelação sutil em meio à desgraça, aqui o que se tem é um conjunto de milagres que chegam de uma só vez, forçando um final excessivamente feliz que, se considerarmos tudo o que acontecera até ali, parece incoerente. A canção final também soa terrivelmente deslocada.

Num balanço completo, “Ben-Hur” é um filme bem construído, envolvente nas relações entre os personagens e intenso na ação e na emoção, com um ritmo capaz de embalar novos e antigos fãs. O encerramento, porém, não acompanha a qualidade da obra e o público pode sair com uma sensação ruim, prejudicando toda a experiência. Apesar disso, o saldo é positivo. Vale a pena.

Atualizado em 20 Ago 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Reese Witherspoon quer fazer "Legalmente Loira 3"

"As mulheres precisam desse tipo de positividade hoje em dia", disse a atriz ao E! News

10 Filmes da Sessão da Tarde para ver na Netflix

“Operação Cupido” e “Aventureiros do Bairro Proibido” estão entre os filmes nostálgicos em cartaz

“Estrelas Além do Tempo” revela as mulheres negras que mudaram a história da NASA

Longa inspirador e bem-humorado estreia no dia 2 de fevereiro nos cinemas

“A Cura”: diretor de “O Chamado” retorna ao terror com longa sinistro e hipnotizante

Filme chega aos cinemas no dia 16 de fevereiro

“O Poderoso Chefinho”: animação adorável sobre um bebê “adulto” estreia em março (e vai conquistar seu coração)

Filme explora a relação entre um menino de 7 anos e seu novo irmãozinho

Final do Super Bowl será transmitida ao vivo nos cinemas

Evento acontece no dia 5 de fevereiro e terá show de Lady Gaga no intervalo