Guia da Semana

4 Motivos para ver “A Viagem de Meu Pai”

Comédia dramática francesa estreia nesta quinta-feira nos cinemas

Se você está cansado de filmes de super-heróis e procura uma obra mais “pé no chão” (ou quase) para conferir neste fim de semana, temos a dica perfeita. Estreia no dia 11 de agosto o longa francês “A Viagem de Meu Pai”, dirigido por Philippe Le Guay e baseado numa peça de Florian Zeller, que conta a história de um idoso que, diante dos primeiros sinais de Alzheimer, reage tornando a vida de sua filha (e de todos à sua volta) um inferno. O longa é um misto de comédia e drama e traz uma visão emocionante sobre a doença.

Confira 4 motivos para não perder esta estreia:

1. É um filme francês

Quem acompanha o cinema francês sabe que o estilo do humor é bem diferente do que o dos filmes americanos ou mesmo brasileiros: toda comédia tem um pouco de drama e todo riso vem da identificação com alguma situação do cotidiano, por vezes dolorosa. Em “A Viagem de Meu Pai”, não é diferente: apesar de engraçada, a perda de memória do protagonista e seu comportamento inconveniente são partes de uma realidade trágica, mas encarada com certa poesia.

 

2. Você vai amar e odiar o protagonista

O protagonista, aliás, é a estrela do filme. Interpretado por Jean Rochefort, Claude Lherminier é um empresário aposentado, tarado e carente, que abandonou o cargo nas mãos da filha, mesmo contando a todo o mundo que foi afastado à força. Sua relação com ela é a pior possível: por mais que ela sacrifique sua vida pessoal para cuidar do pai, ele se interessa apenas pela chegada da outra filha, que acredita que virá de Miami a qualquer momento. O quanto disso tudo é verdade e o quanto é sua imaginação, vamos compreendendo aos poucos, já que o seu mundo é um grande misto de realidade e fantasia.

 

3. Você vai ser invadido por um turbilhão de sentimentos

“A Viagem de Meu Pai” é um filme altamente emocional que provoca um pouco de tudo: incômodo no início, depois risadas, lágrimas, raiva e, por fim, fascinação, não apenas pela história de Lherminier, mas também pela forma como ela é contada. A cada lapso de memória, por exemplo, temos um corte no tempo ou no espaço e a cada confusão do protagonista, somos confundidos também, como se enxergássemos o mundo de dentro de sua mente idosa.

 

4. O tema é pesado, mas a abordagem não é

A degeneração da mente tem sido um dos grandes temas do cinema recente e, apesar de ser um assunto necessário, ele também é uma espécie de bicho de sete cabeças, temido e desagradável. É por isso que a escolha de Le Guay de narrar a história pelo ponto de vista de Lherminier é tão importante: acompanhando seu raciocínio e saltitando entre suas lembranças, temos uma visão mais humanizada do doente, enxergando-o como uma pessoa normal que, talvez, tenha se libertado da realidade para viver num mundo de sonhos.

 

 

Atualizado em 13 Ago 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

5 Motivos para (ir correndo) ver “Guardiões da Galáxia Vol. 2”

Filme chega aos cinemas no dia 25 de abril e já tem ingressos à venda

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual

“Paterson” - Adam Driver é um poeta do cotidiano em novo filme de Jim Jarmusch

Filme conta a história de um motorista de ônibus que escreve poemas nas horas vagas

Cinemark exibe “...E O Vento Levou” na próxima terça-feira

“2001: Uma Odisseia no Espaço” e “O Mágico de Oz” serão os próximos clássicos na programação