Guia da Semana

“A 100 Passos de Um Sonho” é um filme para comer com os olhos

Receitas indianas e francesas se misturam na adaptação do livro de Richard C. Morais

O cinema tem suas fases e cada temporada de lançamentos chega com temas e mensagens semelhantes, como se fossem parte de uma coleção coesa. Este ano, parece que voltamos à era dos filmes “família”, aqueles com histórias leves e finais felizes, cheios de lições de vida. Além disso, a gastronomia é o tema do momento: depois de “Chef” e “Bistrô Romantique”, é a vez de “A 100 Passos de Um Sonho” conquistar seu estômago.

O longa é uma adaptação do livro de Richard C. Morais, aqui traduzido como “A Viagem de Cem Passos”. Desconsidere os passos, contudo: o título original faz referência a cem pés, que é uma medida de comprimento equivalente a pouco mais de 30 metros.

Passos ou pés, o fato é que o número marca a distância entre dois vizinhos: um restaurante francês tradicional, de um lado da rua, e um recém-inaugurado restaurante indiano, do outro. Rivais, eles simbolizam a sutileza versus a ousadia, simplicidade versus exagero, razão versus emoção e forma versus tempero. Tradição, ambos têm de sobra.

O restaurante indiano Maison Mumbai

A história é contada por Hassan (Manish Dayal), um indiano cuja família sofreu um ataque em Mumbai, onde tinham um restaurante. Ele, o pai e os irmãos se refugiaram em Londres e agora decidem se mudar para a França, para abrir um novo empreendimento – o Maison Mumbai.

Hassan é o mais talentoso do clã e logo se apaixona pelos sabores europeus (e por uma europeia em particular). Enquanto o pai (Om Puri) trava sua guerra contra a arrogante Madame Mallory (Helen Mirren) e literalmente agarra clientes pelas mangas, o jovem estuda e tenta dominar a culinária local.

Pouco a pouco, a comida do garoto vai conquistando o paladar francês e chamando a atenção pela criatividade, culminando numa aproximação simbólica entre as duas culturas.

Manish Dayal

“A 100 Passos de Um Sonho” é aquele filme “feel good” que fará sua semana ficar melhor, quase instantaneamente. Seja por seus personagens graciosos (Manish e Charlotte Le Bon formam um casal de encher os olhos), pela história de aprendizado que acompanha a carreira de Hassan, ou, especialmente, pela forma como Lasse Hallström filma a comida.

Não surpreende: o diretor foi responsável por outro deleite gastronômico, o romance “Chocolate”, além dos igualmente delicados “Querido John” e “Sempre ao Seu Lado”. Se o que você procura é uma escapada saudável e prazerosa do mundo real, então este é o seu filme. Apenas não se esqueça de jantar antes da sessão.

Charlotte Le Bon

Assista se você:

  • É apaixonado por gastronomia
  • Gosta de filmes bucólicos, ambientados em cidadezinhas europeias
  • Quer ver um filme gostoso, com mensagens positivas

Não assista se você:

  • Não se interessa por gastronomia
  • Procura um filme mais pesado ou com ação
  • Não gosta de filmes românticos

Atualizado em 31 Ago 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Novos comerciais de "A Bela e a Fera" mostram cenas inéditas do filme

Live-action chega ao Brasil no dia 16 de março

Waiting for B. - documentário revela a rotina dos fãs que acamparam para ver show da Beyoncé

Filme integra a programação da Sessão Vitrine e estreia no dia 2 de março

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

"Mulher-Maravilha" ganha coleção de colecionáveis pela Funko

Lançamento vem para entrar no clima do novo filme da heroína

“A Grande Muralha” – Zhang Yimou abraça a fórmula de Hollywood em aventura com Matt Damon

Filme também traz a atriz chinesa Tian Jin como comandante de um exército

Elenco de "Simplesmente Amor" se reúne em sequência especial do filme

Curta-metragem vem para arrecadar fundos à instituição de caridade britânica