Guia da Semana

“À Procura”: Ryan Reynolds protagoniza suspense sem surpresas

Roteiro previsível faz de filme de Atom Egoyan uma experiência passageira

Temos a mania de achar que queremos que todos os filmes tenham um final feliz - mas não queremos, de verdade. Ver uma história em que tudo (absolutamente tudo) acontece conforme o previsto, e em que tudo dá certo no final, pode ser tão decepcionante quanto ver seu personagem favorito morrer lá pela metade do filme. Histórias, afinal, são feitas para provocar emoções, não evitá-las.

À Procura”, de Atom Egoyan, estreia em novembro no Brasil e faz parte da programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em outubro. O filme foi indicado à Palma de Ouro este ano, o que levanta suspeitas sobre o critério de seleção desses festivais – afinal, há pouca coisa que separe este trabalho de qualquer outra aventura escalada para a Sessão da Tarde.

Ryan Reynolds é o protagonista, Matthew, um pai que perde a filha ao parar na estrada para lhe comprar uma torta. Não há mistério sobre o paradeiro da menina – nós a vemos em cativeiro, morando com um homem que se excita ao ouvir suas histórias.

A trama é contada em pedaços, saltando do presente para o passado e de um personagem a outro propositalmente sem ordem. O truque, porém, não é suficiente para enganar o espectador, que em pouco tempo monta o quebra-cabeças, sem lacunas. Se sabemos o que aconteceu, então resta descobrir como a polícia descobrirá, ou não, esses fatos.

A situação de Matthew é agravada pela postura de sua esposa (Mireille Enos), que passa a evitá-lo, e do agente Jeffrey (Scott Speedman), que desconfia dele. Já a agente Nicole (Rosario Dawson) tenta apoiá-lo, mas age mais como psicóloga do que como investigadora. Sua equipe, ficamos sabendo, é especialista em pornografia infantil na internet e acha que o caso pode estar conectado a uma grande rede de criminosos.

A lentidão da polícia é tanta que, oito anos depois, ninguém tem pistas do paradeiro da menina. Matthew passa pela mesma estrada todos os dias, conferindo panfletos e esperando que ela simplesmente apareça. Enquanto isso, a menina planeja sozinha seu resgate.

Muitos caminhos poderiam ser escolhidos pelo diretor e roteirista a partir desse cenário, mas ele escolhe o mais fácil. Consequentemente, o menos interessante. Algumas pistas aqui, outras dicas ali e todo o suspense criado nos primeiros minutos desmorona como um passe de mágica. 

Até o último minuto, ficamos esperando por uma ponta solta – um detalhe que mudará todo o sentido daquela procura, um personagem que não era exatamente quem imaginávamos. Quando os créditos começam a subir, porém, a sensação é de que fomos traídos, prometidos uma surpresa que nunca veio. Sabemos, então, que a felicidade não está no final feliz.

Assista se você:

  • Gosta dos filmes de Atom Egoyan
  • Quer ver um filme de suspense, mesmo que não seja marcante
  • Gosta de filmes que brincam com o tempo para contar a história

Não assista se você:

  • Espera ser surpreendido no final
  • Não gostou dos outros filmes de Atom Egoyan
  • Quer ver um filme diferente 

Atualizado em 7 Dez 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Remake de "Rei Arthur" ganha novo trailer ao som de Led Zeppelin

Com direção de Guy Ritchie, longa chega aos cinema de maio

Emma Watson aparece cantando em novo vídeo de "A Bela e a Fera"

Atriz interpreta a canção "Belle", uma das primeiras do filme

Novos comerciais de "A Bela e a Fera" mostram cenas inéditas do filme

Live-action chega ao Brasil no dia 16 de março

Waiting for B. - documentário revela a rotina dos fãs que acamparam para ver show da Beyoncé

Filme integra a programação da Sessão Vitrine e estreia no dia 2 de março

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

"Mulher-Maravilha" ganha coleção de colecionáveis pela Funko

Lançamento vem para entrar no clima do novo filme da heroína