Guia da Semana

Al Pacino vive ator decadente em “O Último Ato”

Filme tenta misturar ficção e realidade, mas se perde na própria trama

Na arte, (quase) nada se cria. No cinema, menos ainda: algumas histórias já foram contadas tantas vezes que fica difícil resistir à tentação de checar o relógio no meio das sessões. “O Último Ato” traz esse incômodo déja-vu, apresentando-nos a um ator no fim de carreira que, diante da decadência, reage transformando a vida real numa tragédia dramática.

Misturar a realidade à ficção é um recurso adorado pelos roteiristas, pois permite brincar à vontade com os fatos, distorcendo-os sempre que necessário para renovar o interesse do público. O problema é que, por trás dessas brincadeiras, é preciso ter uma única história sólida e coerente.

Não é o caso. Simon Axler (Al Pacino) é um ator de teatro veterano que conversa consigo mesmo enquanto ensaia, diante do espelho, para sua próxima apresentação. Sob os holofotes, ele esquece as falas, nota o desprezo do público e, literalmente, salta para fora do palco, ferindo-se e aposentando-se da atuação por tempo indeterminado.

O filme começa quente, com a câmera muito próxima do rosto de Pacino, que expressa a convicção que se espera de um profissional com sua experiência. Obsessivamente, ele se pergunta se sua atuação é convincente. “Você acreditou nisso?”, questiona-se, depois indaga à enfermeira com um gemido. “Pareceu real? Posso diminuir um pouco a dor, parece exagerado. Aaah... Melhor assim?”

O ator perfeccionista do início, entretanto, não é o mesmo que emerge após a crise. Simon de fato traz o drama para sua rotina, mas, ao escalar uma coleção de malucos como seus coadjuvantes, torna-se o mais comum e menos interessante de seus personagens. 

Muitas das coisas que acontecem nesse tempo são imaginadas ou exageradas – e o espectador sabe disso, o que reduz bastante o fator-surpresa. A principal delas é a chegada de Pegeen (Greta Gerwig), uma afilhada que o ator não via há anos. Sem motivo aparente para visitá-lo, ela simplesmente bate à sua porta e se instala ali, permanentemente.

Pegeen revela ser lésbica, mas também diz que é apaixonada pelo padrinho desde a infância. Os dois engatam numa relação estável, mas cheia de fetiches, incluindo um ménage à trois, uma ex-namorada transexual e telefonemas ameaçadores de outras mulheres na calada da noite.

A personagem oscila entre uma mulher sedutora e uma garota mimada, deixado claro que pelo menos parte de sua personalidade pode estar na mente do ator. O que incomoda, porém, é que nenhuma das duas versões de Pegeen teria razões concretas para estar ali, e nenhuma das duas provoca uma transformação substancial no protagonista, fragilizando o esquema de ilusões que o filme tenta construir.

Perdido em retalhos, com sub-tramas que não se fecham e um desfecho confuso, “O Último Ato” não consegue se destacar entre outros filmes com histórias semelhantes e falha em balancear realidade e ficção, apostando em clichês que já não têm o mesmo impacto. O filme é a adaptação do romance de Philip Roth por Barry Levinson (“Bom Dia Vietnã”) e tem estreia prevista para janeiro nos cinemas.

Assista se você:

  • Gostou do livro de Philip Roth
  • Quer ver uma boa atuação de Al Pacino
  • Gosta de filmes sobre teatro

Não assista se você:

  • Está cansado de filmes sobre atores decadentes
  • Não quer ver um filme com discussões barulhentas e banais
  • Espera ver um filme diferente

Atualizado em 2 Dez 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Diretor de "Os Vingadores" comandará filme solo da Batgirl

Ainda não há previsão de estreia

Pixar divulga curta para apresentar personagem (fofo!) de sua nova animação

O cachorrinho Dante estará em "Viva - A Vida é uma Festa"

“It”: terror baseado em obra de Stephen King ganha trailer sinistro

Filme com ator de Stranger Things estreia em setembro nos cinemas

“A Vigilante do Amanhã – Ghost in the Shell”: tudo o que você precisa saber sobre o filme

Longa com Scarlett Johansson é um espetáculo visual e um remake fiel – mas as discussões filosóficas já não impressionam mais

Novo trailer de “Valerian e A Cidade dos Mil Planetas” mostra a exuberância de seu universo fantástico

Filme de Luc Besson chega aos cinemas no dia 10 de agosto

Infância de Pharrell Williams será retratada em musical de Hollywood

"Atlantis" terá produção da FOX e direção de Michael Mayer