Guia da Semana

Arte marcial, dança e religião

João Daniel Tikhomiroff estreia na direção de Besouro; filme narra a história do capoeirista lendário que virou mito ao lutar pelos direitos dos negros

Pesado e com asas bem reduzidas, o besouro desafia as leis da física e não deveria voar, mas voa. Dessa mesma forma, um menino resolveu quebrar o preconceito e opressão, adotou o nome do inseto e se transformou em um herói em plena década de XX. Resgatando as raízes africanas no Brasil, o diretor João Daniel Tikhomiroff viaja no mundo onírico e de fantasia, dando voz aos deuses do candomblé e a capoeira - reconhecida em 2008 Patrimônio Cultural do país - para montar o filme Besouro.

A montagem conta com a coreografia de Huem Chiu Ku - de produções como Matrix (1999), O Tigre e o Dragão (2000), Kill Bill (2003) - e com um elenco de não atores e desconhecidos do grande público. Assim, o longa aposta na verossimilhança para narrar a história do lendário Manoel Henrique Porteira, que viveu até 1924 e enfrentou jagunços e coronéis do Recôncavo baiano para acabar com a exploração e a escravidão velada sobre o negro, ainda presente no Brasil pós-abolicionista.

Com a estreia prevista para 30 de outubro, o trailer do longa é sucesso na internet e já foi assistindo por mais de meio milhão de pessoas. Confira o bate-papo do Guia da Semana com o publicitário de mais de 40 Leões de Ouro - o grande prêmio da publicidade mundial - que abandonou a profissão e resolveu se arriscar dirigindo películas nas grandes telas.

Guia da Semana: Como foi construir o filme relatando o pós-abolicionismo e mostrando a capoeira como uma forma de resistência aos problemas sociais da época?
João Tikhomiroff::
Através de pesquisas e fragmentos históricos, soube que essa luta existia de fato, principalmente na Bahia e no interior do Brasil, com grandes fazendeiros e coronéis usando o trabalho escravo em suas terras. A capoeira e tudo aquilo que estão no filme aconteceram de verdade, a proibição e tudo mais. A primeira sessão pública foi realizada com a presença de Getúlio Vargas (1953), ainda assim sob vigilância de homens armados. Virou patrimônio cultural somente ano passado.

Guia da Semana: A coreografia é algo que destoa no seu filme, já que você chamou o premiado Huem Chiu Ku. Gostaria que você falasse sobre esse tema e porque investiu nessa área?
João
A história e o personagem pediam isso, porque ele transitava no mundo sobrenatural, sua relação com os Orixás e o candomblé - alguns diziam que o Besouro até voava. Depois queria fazer um filme de ação, não de efeitos especiais, por isso trabalho com efeitos só em quatro cenas e o público nem imagina. O resto é tudo de verdade, eles lutam capoeira mesmo, por isso escolhi capoeiristas (Aílton Carmo e Anderson de Jesus, respectivamente Besouro e Quero-Quero) a atores e dublês. Precisei trazer um coreógrafo de ação para isso acontecer, com a beleza e grandiosidade que eu queria.



Guia da Semana: Quem foi o Besouro Cordão de Ouro?
João:
O Besouro foi uma espécie de líder que se revoltou contra a postura e domínio que existia no Recôncavo Baiano. Desafiou os soldados e coronéis com o seu grande domínio sobre a capoeira, ele que era realmente considerado incrível. Aí começaram as lendas de que ele voava, tinha o corpo fechado e as armas não o atingiam, somando a isso as lendas que se diziam do besouro. Construí a trajetória desse personagem já mais ficcional para poder apresentar essa beleza cinematográfica.

Guia da Semana: Quais as dificuldades que sentiu para fazer essa produção?
João:
Diziam pra mim. "Você vai fazer filme com preto, ainda como ator principal? Você tá louco, não vai dar público!" Então não só usei como ator principal, mas 90% do elenco é negro. Sou um cara completamente sem preconceito e acho ridículo alguém ter no século XXI qualquer nível disso. O outro era que, inicialmente, o filme não seria lançado no Sul, porque me falaram que o preconceito lá era fortíssimo e não aceitariam. Tive que conversar com os representantes da RBS, apresentei o trailer e expliquei que o longa não passaria na região. Eles gostaram tanto que me encorajaram a investir lá. Por isso aumentamos para 160 o número de cópias, para lançar também no Sul.

Guia da Semana: O que o filme busca trazer ao público?
João:
Ele pretende mostrar o que passou nessa época, fazer uma grande história cinematográfica sobre isso, viajar nessa magia e resgatar o respeito a cultura negra, que é tão boa quando a branca ou amarela. Em uma das pré-estreias, ouvi de um casal de judeus que o filme era sensacional e que muito dos ensinamentos do mestre era o mesmo que o seu pai passava para ele, só que judeu. Estou adorando ter feito esse filme que tem uma base na Bahia tão sólida e na raça negra que acho linda e adoro.

Guia da Semana: Teve algum fato inusitado durante o set de filmagens?
João:
O que teve de coisas acontecendo no filme você não acredita. Só podia ser coisa de orixás! A história do inseto usado nas filmagens foi uma delas. O besouro pousou no figurino e a figurinista veio gritanto. "É um sinal!". Trouxe o inseto desde tamanho (mostra com as mãos o tamanho de uma manga) preto e morto. O detalhe é que estava a uma semana pedindo a produção para me trazer os besouros de verdade e achava todos muito ruins. O filme acabou sendo moldado em cima dele, que foi embalsamado, enviado para fazer as fotos digitais e compor o 3D igual, só que de um tamanho mais reduzido. Se eu botasse do tamanho real, ninguém acreditaria. Nesse caso a realidade era mais falsa que a fantasia, como o 11 de setembro e aqueles aviões se chocando no prédio.



Guia da Semana: Qual o orçamento total? Não passou pela sua cabeça que seria arriscado fazer um filme com tantos efeitos especiais para um filme de época?
João:
O orçamento foi de R$ 12 milhões. De jeito nenhum! Primeiro porque os maiores exemplos de filme de sucesso foram desse gênero, como o próprio Cidade de Deus, O Tigre e o Dragão e muitos outros. Odeio clichês, dogmas ou regras pré-estabelecidas. Se a fórmula do sucesso existisse, Hollywood teria um "puta" sucesso quando ela quebrou, exatamente porque só fazia essas fórmulas e não arriscava em nada. O próprio Daniel Filho, que fez Muito Gelo e Dois Dedos D'água após Se Eu Fosse Você, não foi bem. Isso que é o mágico no cinema, ele não tem fórmula, ou o público se encanta, ou não. Ninguém consegue decretar um sucesso ou fracasso de um filme antes de ir para o público.

Guia da Semana: Esse é o seu primeiro trabalho como diretor de um longa. O que te segurou até esse tempo?
João:
Era muito mais de ter uma segurança. Talvez o Fernando Meirelles também tivesse passado por isso, ele demorou muito para fazer o primeiro longa. Ele sempre teve a produtora dele, a O2 e, apesar de ter muitos diretores, sentia que se saísse teria problemas. Eu tinha que esperar o momento que pudesse ter outros diretores de filmes que pudessem fazer publicidade e ganhassem a confiança desse mercado, para me afastar. Só que fui um pouco mais radical, me afastei totalmente da publicidade e não vou voltar a fazer comerciais. Isso foi uma decisão que tomei para minha vida e a para a própria Mixer (sua produtora). Eu quero ter liberdade para fazer dramaturgia, seja um filme ou uma série. Os meus amigos cineastas me cobravam isso a toda hora. Há dois anos me encontrei com Arnaldo Jabor e ele virou pra mim e falou: "Vou perguntar pela última vez: 'quando você vai fazer o seu longa'?", respondi que já estava fazendo. Depois, ele comentou comigo que tinha até ficado animado de retomar um projeto para o cinema novamente.

Guia da Semana: O Brasil não tem tradição em filmes de ação. Por que resolveu investir nisso?
João:
O público brasileiro está querendo ter outras opções de gênero no nosso cinema, aliás não sou eu que está dizendo, basta entrar na internet para ver que o filme teve meio milhão de acesso no You Tube. Além disso, os comentários me deixaram animado, agradecendo a inovação e o gênero. Esse tipo de resposta do público é muito estimulante porque mostra que tenho certa razão, mas isso nós só vamos saber de fato depois de 30 de outubro, quando entrar em cartaz.

Fotos: divulgação/ Queila Susã

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Ator de “Power Rangers” faz homenagem à Chapecoense durante a CCXP 2016

Elenco do filme participa da terceira edição da feira de cultura pop em São Paulo

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017