Guia da Semana

As musas inspiradoras de Woody Allen

Saiba quem são os maiores destaques femininos nos filmes do diretor

Woody Allen é um dos diretores mais  influentes de Hollywood. Seus longas ficaram marcados, entre outros aspectos, por atrizes que interpretaram personagens femininas fortes e excêntricas. 

Diane Keaton foi a primeira a inspirar Allen, ao estrelar no filme “Noivo neurótico, noiva nervosa” (EUA, 1977), que levou quatro Oscars - Melhor Atriz, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original e Melhor Filme. Na trama, o diretor interpreta um humorista judeu que conhece uma cantora em início de carreira.

Dois anos depois, Diane Keaton estrelou no longa “Manhattan” (EUA, 1978), o qual retrata um escritor de meia-idade que se apaixona pela amante de seu melhor amigo.

Outra musa inspiradora do diretor foi Mia Farrow, com quem Allen se relacionou por mais de 10 anos e rompeu em 1992. O motivo do término foi o envolvimento com a filha adotiva da atriz, Soon-Yi, parceira de Woody Allen até hoje.         

Mia, entretanto, foi a musa que mais participou de filmes de Allen: “Sonhos Eróticos de uma Noite de Verão” (EUA, 1982), Zelig (EUA, 1983), “A Rosa Púrpura do Cairo” (EUA,1985) e “Hannah e Suas Irmãs” (EUA, 1986).

A terceira musa, um pouco mais atual, é Scarlett Johansson. O primeiro trabalho da atriz com o diretor foi em “Ponto Final – Match Point” (Inglaterra, 2005). Foi o primeiro de Woody Allen a ser filmado no Reino Unido e foi produzido pela BBC Films. Nele, Scarlett interpreta a sedutora Nola, que se apaixona por um ex-tenista profissional.

O segundo filme de Scarlett com Allen foi um ano depois, “Scoop - O Grande Furo (EUA, 2006)”. A terceira parceria ocorreu em “Vicky Cristina Barcelona” (EUA, 2008), no qual a atriz é uma americana que não consegue encontrar sua vocação. 

A espanhola Penélope Cruz é outra atriz marcante do diretor, apesar de ter participado somente de duas produções: “Vicky Cristina Barcelona”, que lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante e “Para Roma, com Amor” (EUA, 2012).

A última musa é a francesa Marion Cotillard, que participou de “Meia-Noite em Paris” (EUA, 2011), como Adriana. Ela interpreta uma moça vinda da Bélle Époque e é o motivo da crise no noivado de Gil (Owen Wilson), um escritor que, à meia-noite, é transportado para a charmosa Paris dos anos 1920.

Atualizado em 3 Out 2013.

Por Marina Ayub, aluna do 2o. semestre do curso de Jornalismo da ESPM
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres