Guia da Semana

“As Tartarugas Ninja” faz releitura genérica do clássico dos quadrinhos

Filme produzido por Michael Bay se apoia em clichês e não empolga, nem traz o humor esperado

Com tantos remakes e filmes com super-heróis nos cinemas atualmente, é compreensível que nem todos tenham ótimos roteiros e que alguns acabem apelando a dramas genéricos, disfarçados entre bonitos efeitos visuais e sequências de ação tão confusas quanto barulhentas. É compreensível, até certo ponto: “As Tartarugas Ninja”, que chega aos cinemas na próxima quinta-feira, abusa da boa vontade dos fãs e apresenta um trabalho preguiçoso, mal acabado e, em todos os sentidos, descartável.

É preciso considerar, é claro, que este filme não é pensado para os fãs trintões, mas para crianças. Ou, pelo menos, para crianças que ainda riem de piadas escatológicas e que não têm medo de tartarugas fisiculturistas ou de seu ineditamente gosmento mestre Splinter. Para as que só querem ver um pouco de ação, as lutas com artes marciais e a obrigatória sequência de perseguição em alta velocidade (no caso, numa montanha nevada) estão lá, justificando o nome de Michael Bay nos créditos.

Com ou sem saudosismos, o fato é que as novas tartarugas, dirigidas por Jonathan Liebesman (Bay é produtor), parecem ter saído de um enorme baú de clichês sortidos, visando nenhum efeito em particular. Estão ali o guerreiro autodidata, a garota em perigo, a contagem regressiva, a torre mais alta da cidade, a dupla de cientistas interrompidos no meio de uma grande descoberta, etc, etc, etc.

A história (essa, que você já viu antes) é contada do ponto de vista de April O’Neal – ou melhor, Megan Fox. A atriz transforma a jornalista esperta e curiosa dos desenhos em seu papel de sempre: uma mulher medrosa, que não pensa antes de agir e causa todos os problemas para os heróis, que depois precisam resgatá-la. Como num filme da série Transformers, ela passa a maior parte do tempo gritando ou respirando alto, de boca entreaberta.

April é uma repórter de amenidades, mas quer provar aos seus chefes que é capaz de fazer uma grande reportagem investigativa. Por isso, vai atrás do Clã do Pé (uma organização criminosa que atua em Nova York, comandada pelo Destruidor) e flagra sua ação, junto com a reação de um grupo de “vigilantes”, que, logo, descobrirá serem as Tartarugas Ninja.

A origem das tartarugas, no filme, é um pouco diferente das versões conhecidas, e sua relação com April é totalmente diferente. Suas personalidades individuais deixam a desejar, especialmente no caso de Leonardo, pouco expressivo durante todo o filme. Michelangelo está caricato como o “don juan do gueto” e Donatello deve sua graça exclusivamente aos seus óculos malucos. Raphael, que deveria ser o rebelde, combina toda a sua montanha de músculos a uma série discursos melodramáticos e é responsável por alguns bocejos na sala do cinema.

Juntos, eles lembram mais um grupo de colegas da academia do que aqueles quatro irmãos brincalhões apaixonados por pizza. Se o Destruidor poderia injetar um pouco de emoção ao filme, também isso não acontece: o vilão é tão pouco desenvolvido que o espectador não sente medo, compaixão ou qualquer interesse por ele, exceto por suas lâminas voadoras. Quem oferece um pouco de frescor é o motorista/câmera de April, interpretado por Will Arnett. Ele representa o cidadão comum que se vê no meio de uma luta cheia de criaturas estranhas, e suas reações e diálogos banais rendem algumas risadas.

“As Tartarugas Ninja” aproveita o embalo que a franquia vem recebendo com a série de TV da Nickelodeon, mas não faz muito para ampliar esse sucesso. Infantil demais para audiências adultas, logo dispensará o lucrativo público de vinte a trinta e poucos anos que buscam nostalgia. Pouco engraçado, também não deixará uma marca muito forte nas crianças, que logo voltarão às TVs e encontrarão personagens mais carismáticos.

Para os adolescentes, o filme se infla com músculos, velocidade, lutas e uma única mulher sensual, mas dificilmente isso será suficiente para superar outros pipocões idênticos. Logo, todos terão se esquecido destas tartarugas.

Assista se você:

  • É fã dos filmes de Michael Bay
  • É fã de Megan Fox
  • Quer ver mais um filme de ação para não pensar

Não assista se você:

  • É fã das Tartarugas Ninja
  • Quer ver um filme engraçado
  • Não gosta dos filmes de Michael Bay

Atualizado em 20 Ago 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

15 Filmes para ver em streaming e curtir o feriado no sofá

Neste Dia do Trabalho, assista aos melhores filmes em cartaz nos serviços de streaming

“La La Land” chega ao streaming para deixar seu feriado mais perfeito

Filme com Emma Stone e Ryan Gosling estreia no Looke, Now, Vivo Play e Google Play.

10 Filmes da seleção de Cannes que você vai querer ver em 2017

Biografia de Godard e novos filmes de Michael Haneke e Roman Polanski são destaques no festival

Filmes exibidos em Cannes têm desconto no streaming no mês de maio

Now e ITunes fazem promoção cinéfila para acompanhar o festival

26 remakes ou reboots que você nem acredita que estão nos planos de Hollywood

"Os Pássaros", "A Mosca" e "Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado" estão entre os filmes que podem ganhar novas versões nos cinemas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas