Guia da Semana

"Boa Sorte" mostra uma Deborah Secco cada vez mais segura de si e pronta para enfrentar papeis ainda maiores

Destaque da última Mostra Internacional de Cinema, o segundo longa de Carolina Jabor integra o circuito alternativo do cinema nacional

A Mostra Internacional de Cinema mal acabou e os destaques da seleção oficial já começam a pipocar por aí. Entre os brasileiros, um dos que mais chamou atenção foi "Boa Sorte", segundo longa de Carolina Jabor. Adaptado do conto "Frontal com Fanta", de Jorge Furtado, o filme segue o encontro e amizade entre João e Judite, ambos internados em uma clínica psiquiátrica. Salvo alguns clichês, Jabor mostra-se segura e promete conquistar não só com uma história de amor, e sim com um conto sobre a vida e a morte.

Poucos diretores conseguem segurar seus roteiros contando apenas com, praticamente, um ambiente; no filme de Jabor, a característica, entretanto, é essencial à história. Lá, encontram-se João (João Pedro Zappa) e Judite (Deborah Secco). Ele, um jovem de 17 anos viciado em frontal e internado pela primeira vez. Ela, uma mulher de 30 anos que já experimentou de tudo. Na reabilitação, eles vivenciam um amor intenso e transformador.

Não é de hoje que vimos Deborah Secco transmutar a sua carreia de papeis de boa moça à personagens violentas e desafiadoras. De "Confissões de Adolescente" a "Bruna Surfistinha", o aspecto é claro. Agora, em "Boa Sorte", a atriz mostra-se capaz de encarar qualquer tipo de papel. Já o insosso João Pedro Zappa parece ser perfeito para o filme: um adolescente sem personalidade confrontando a verdadeira faceta da vida. Acontece que tamanha apatia cansa e, diferente de outros jovens atores, como Jesuíta Barbosa, parece que não veremos o rapaz brilhar nas telonas.

Depois de sua estreia, em 2008, com o documentário "Mistérios do Samba", Carolina Jabor optou por se inspirar na poesia de Jorge Furtado para contar a sua nova história. "Frontal com Fanta" chegou a fazer parte de uma antologia intitulada "Tarja Preta" e, como o nome sugere, trata não apenas das psicopatologias contemporâneas, e sim das sensações inerentes a qualquer ser humano. O conto, sobre um garoto que diz sentir-se invisível, é a chave para o lapidado roteiro de Jabor. Não podemos deixar de lado o sutil olhar da diretora para tratar das questões visuais de seu filme - a densidade da narrativa contrasta com o acabamento quase que perfeito da fotografia.

Mesmo que não tenha provado de experiências similares, no caso a reabilitação, o espectador inevitavelmente identifica-se com a história a sua frente. "Boa Sorte" personifica em suas personagens o confronto entre distintas bagagens de vida. João e Judite, em suas diferenças, acabam mostrando-se iguais. Acima de tudo, "Boa Sorte", junto com tantos outros, continua a mostrar que o cinema alternativo brasileiro, muitas vezes, supera o pastelão do comercial. Configura-se, assim, não só como peça de festival, mas como entretenimento para todo tipo de público. Seja você cinéfilo, ou não, encher os olhos com a graciosa crônica de Jabor não será de tanto esforço assim.

Atualizado em 14 Nov 2014.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas

7 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em maio

"Corra!" e "Alien: Covenant" chegam aos cinemas neste mês

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

5 Motivos para (ir correndo) ver “Guardiões da Galáxia Vol. 2”

Filme chega aos cinemas no dia 25 de abril e já tem ingressos à venda

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual