Guia da Semana

Boyhood exalta a simplicidade da vida no cinema

Filme gravado em 12 anos acompanha a vida de um garoto da infância à faculdade

É estranho como algo tão simples, às vezes, pode ter um impacto tão grande. Assistir a Boyhood – Da Infância à Juventude, de Richard Linklater, é algo como testemunhar a vida real, comum e constante, mas com pequenos insights que fazem tudo aquilo – e tudo isto – ganhar outro sentido.

O longa ficou famoso por levar 12 anos para ser filmado, acompanhando o crescimento de seus protagonistas (especialmente do pequeno Ellar Coltrane, que interpreta Mason Jr. dos 6 aos 18 anos) durante duas semanas de gravação por ano. O resultado concorre agora a seis Oscars, incluindo os de Melhor Filme, Roteiro e Diretor.

O trabalho não impressiona tanto pela ambição da proposta (há outros filmes que seguiram o mesmo caminho, inclusive entre os de Linklater), mas pela qualidade do produto final. Boyhood, que tinha tudo para entediar o espectador com uma história sem clímax, se revela uma experiência envolvente, que prende nossos olhos da primeira à última cena.

Ethan Hawke em Boyhood

Parte do sucesso vem do roteiro, com personagens bem marcados e alguns diálogos inspirados, que convidam o público a refletir o tempo todo. Outra parte vem das atuações cativantes de Ethan Hawke (que vive o pai) e do estreante Coltrane. Patricia Arquette interpreta a mãe e Lorelei Linklater completa o elenco principal como a irmã. A estrela, entretanto, é a montagem, que, discreta, faz fluírem 12 anos em pouco menos de três horas, com coerência e agilidade.

A trama é quase uma não-trama: os pais se separam, a mãe se desdobra para cuidar dos filhos e trabalhar. Eventualmente, ela se casa com o primeiro homem que lhe oferece segurança financeira. Péssima ideia. Depois de uma crise, separa-se e volta a casar anos depois, só para descobrir que ficaria melhor sozinha. Enquanto isso, os filhos crescem, brigam, arranjam namorados, brigam mais um pouco, questionam os pais e finalmente saem de casa, para começar a faculdade.

Nada de mais. E ao mesmo tempo, tudo. É essa vida comum e cheia de mudanças que conduz o filho mais novo a buscar a resposta para uma pergunta que nem sabe ao certo qual é. “Estamos nos tornando robôs condicionados”, ele conclui. “Não posso deixar que inventem um sentido para a minha vida.”

Patricia Arquette em Boyhood

Do outro lado, ouvimos uma mãe se despedaçar ao descobrir que passara seus anos cumprindo obrigações: casar, ter filhos, criá-los, vê-los partir. Agora, está morta para o mundo. (Como se fosse preciso ter permissão do mundo para viver.)

Com o orçamento estimado de risíveis US$ 4 milhões, Boyhood joga uma luz de esperança sobre o cinema independente, representando a força de um olhar sensível sobre a imagem sofisticada. Como o fotógrafo que se torna Mason Jr., Linklater observa o mundo com atenção e silêncio antes de mirar sua câmera. Como ele, descobrimos que não ter destino é tudo o que precisamos para criar nosso próprio destino.

Atualizado em 3 Fev 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Ator de “Power Rangers” faz homenagem à Chapecoense durante a CCXP 2016

Elenco do filme participa da terceira edição da feira de cultura pop em São Paulo

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017