Guia da Semana

Cine Realidade

Conheça três produções recentes que mostram a história e fazem refletir sobre as dores causadas pelo Holocausto



Grandes filmes já foram realizados abordando o nazismo e o Holocausto, o horror do extermínio de judeus, o absurdo da Alemanha de Hitler. Todos, mesmo os de qualidade cinematográfica duvidosa, são válidos como preservação da memória de um mal que não pode e não deve nunca mais se repetir.

Contudo, sempre me ressenti da escassez de filmes sobre o Holocausto que fossem além da simples exibição ou documentação do mal. Produções que ousassem passsar do simples registro, que se atrevessem a desconstruir o maniqueísmo fácil presente em muitos filmes sobre o tema e que tentassem escarafunchar um pouco mais a fundo.

Não são muitos os que arriscam um olhar mais intrínseco na busca de explicações para aquilo que não devemos esquecer. No entanto, três produções recentes se atreveram ousar e tentar, mesmo sob o risco do equívoco e da polêmica, estimular a reflexão sobre o que aconteceu. Se você ainda se pergunta "como podê?", eis aqui minha dica de três obras que provavelmente não trarão a resposta definitiva, mas que certamente indicarão os caminhos certos para a reflexão e a descoberta de visões mais profundas da origem e disseminação do mal.

Um Homem Bom ( Good), dirigido pelo brasileiro Vicente Amorin, traz Viggo Mortensen no papel de um pacato, tímido e bondoso professor universitário. Um humanista convicto contrário à ideologia que começa a se disseminar na Alemanha com a chegada de Hitler ao poder. Quando é convidado a ingressar no partido nazista por conta de um livro seu publicado anos atrás, o faz muito mais por medo do que por convicção. Contudo, ele vai aos poucos, mais por inocência e inércia do que por convicção e atitude, galgando degraus na hierarquia da SS, a polícia política de Hitler. É pela sedução do poder e até mesmo por sua bondade intrínseca que "O Professor", como é conhecido dentro do partido, vai se deixando envolver pela ideologia nazista, encontrando justificativas ingênuas para o mal que se avizinha e cresce a cada dia no ideal de uma nação. O filme tem a imensa qualidade de nos mostrar como muitas pessoas de inteligência aguda e convicções contrárias puderam ser cooptadas pela euforia do nazismo.

O Leitor ( The Reader), de Stephen Daldry, tem Kate Winslet no papel de Hanna, uma mulher madura, simples e rude, que se envolve com um garoto muito mais jovem. O filme se passa em flashback, com o garoto da história já homem vivido e experiente relembrando sua aventura juvenil e as consequências pesadas que a descoberta dos segredos de Hanna trouxeram à sua vida. É que Hanna, durante a Segunda Guerra, foi guarda em um campo de concentração nazista. Mas este é apenas o segredo menor que ela reserva. Com uma história cheia de nuances agudamente provocativos, a história nos contrapõe à ideias pré-estabelecidas sobre a participação ativa de parte da população da Alemanha no holocausto, ou sobre a culpa alemã que a história sempre relegará às futuras gerações germânicas. A maneira como Hanna e seu jovem amante reagem a esta culpa e as suas próprias emoções íntimas - como ódio, ressentimento e vergonha - são um combustível poderoso para a reflexão sobre estas questões tão amargas e tão complexas.

A Onda ( Die Welle), de Dennis Gansel, se baseia em fatos reais e é dos três filmes o mais contundente e didático na elucidação do mal. Não que apresente respostas prontas, mas nos mostra com uma clareza fina o assombroso da natureza humana diante do poder e da sedução por um ideal, independente de seu conteúdo ou da ausência de qualquer conteúdo. Em uma escola secundária na Alemanha, um professor pergunta a seus alunos se seria possível o Holocausto se repetir naquele país, ao que eles respondem convictamente que não, pois aprenderam com o passado. É então que o mestre tem a ideia de iniciar uma experiência didática para mostrar a eles como é relativamente fácil levar um grupo de pessoas e até uma nação a cometer as mesmas atrocidades do passado. Para isso introduz elementos autocráticos em suas aulas, como a disciplina rígida, a uniformização de todos e mais uma série de elementos que resultarão em uma crescente adesão de todos os integrantes da sala e até de outras turmas. "A Onda", como passará a se autodenominar o grupo, ganhará proporções que extrapolarão a sala de aula e trarão consequências graves. O filme é uma mostra clara de como estão por aí, fáceis e manipuláveis, os elementos necessários para a repetição do horror.

São esses três filmes que põem de lado o maniqueísmo simplista e vão mais adentro na questão do Holocausto. Mais do que simplesmente assistidos, devem ser pensados, pois trazem pistas para o entendimento do absurdo e do horror que foi a Alemanha hitlerista. Pois, como já se disse e muito bem dito, quando alguns criticaram o filme A Queda por humanizar a figura de Hitler: o problema não é humanizar o mal, mas esquecer que o mal é humano.

Quem é o colunista: gordo, ranzinza e de óculos.

O que faz: blogueiro, escritor e metido a crítico de cinema.

Pecado gastronômico: massas.

Melhor lugar do Brasil: qualquer lugar onde estejam meus livros, meus filmes, minhas músicas, meus amigos e minha namorada.

Fale com ele: rogerm00@terra.com.br ou acesse seu blog

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

"50 Tons Mais Escuros" ganha trailer inédito; confira

Novo vídeo do longa está mais caliente do que nunca!

Clássico de Chaplin tem sessão gratuita no Auditório Ibirapuera

Exibição encerra a programação do centenário de Paulo Emílio Sales Gomes

Saiu o primeiro teaser de "Homem Aranha: De Volta ao Ler"; vem assistir!

Trailer completo será divulgado nesta quinta-feira

Mais de 20 fotos inéditas de "Transformers: O Último Cavaleiro" vazam na internet; confira

Próximo longa da franquia estreia em junho de 2017

"O Círculo": Suspense com Tom Hanks e Emma Watson ganha primeiro trailer

Em 2017, os atores vão se encontrar nas telonas pela primeira vez

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"