Guia da Semana

“Cinquenta Tons de Cinza”: filme explora erotismo light para o público feminino

Adaptação chega aos cinemas no dia 12 de fevereiro

Guardem suas pedras. “Cinquenta Tons de Cinza”, a adaptação de Sam Taylor-Johnson (“O Garoto de Liverpool”) para o bestseller de E.L. James, não é a escória da produção cinematográfica da última década. Tampouco é uma obra-prima. O filme que chega aos cinemas nesta quinta-feira, 12 de fevereiro (Valentine’s Day nos EUA), é apenas um interessante, divertido e muito necessário filme feminino sobre sexo.

Feminino, veja bem. Não feminista, nem (muito menos) machista, mas algo muito mais simples e despretensioso. Dakota Johnson interpreta Anastasia Steele, uma estudante de literatura que substitui sua amiga repórter Kate (Eloise Mumford) numa entrevista com o milionário Christian Grey (Jamie Dornan), o solteiro mais cobiçado de Seattle.

Como não é jornalista, Steele se sente terrivelmente intimidada pelo entrevistado, ainda mais quando ele se descreve como “controlador” e finca seus olhos sugestivamente nos dela. Esse diálogo inicial acaba se saindo mais cômico do que sensual e a tensão entre os dois parece tão forçada quanto suas falas, mas as coisas melhoram depois de alguns minutos.

Grey é um personagem pouco provável, mas funciona bem nesta espécie de conto-de-fadas erótico. Rico, mimado e cheio de regras (especialmente para o sexo), ele é uma criatura a ser domada pela protagonista – uma garota ainda infantil que precisará crescer e ganhar confiança se quiser transformar esse relacionamento em algo saudável para os dois.

O livro chocou o mundo e conquistou uma legião de fãs por mostrar o sadomasoquismo como uma prática possível, não como uma aberração ou uma demonstração de violência. O filme segue o mesmo caminho, revezando entre cenas eróticas leves (com chicotes, vendas e gravatas) e a evolução do relacionamento entre o casal.

A alternância de poder entre Steele e Grey é o que torna o filme mais do que um romance convencional. Ele rege sua vida por regras e contratos e acredita que precisa estar no controle para se sentir seguro e ter prazer. Ela, por sua vez, recusa a submissão e tenta encontrar um equilíbrio entre a dominação desejável e o sufocamento de sua vida particular.

Johnson e Dornan são as peças mais frágeis dessa adaptação, que poderia ter um impacto muito maior se o elenco fosse outro. A atriz começa mal, exagerando na respiração desde a primeira cena, mas sua atuação evolui junto com a personagem, alcançando uma sequência final bastante convincente (mesmo que não excepcional). Já o ator irlandês permanece engessado do começo ao fim, deixando transparecer muito mais insegurança do que o personagem deveria demonstrar.

Apesar dos muitos pontos fracos, “Cinquenta Tons de Cinza” preenche uma lacuna importante no cinema de massa atual, tanto pelo conteúdo quanto pelo público-alvo. Escrito e dirigido por mulheres e com uma protagonista feminina, o filme dialoga com uma espectadora que, acostumada a se contentar com obras feitas por homens para homens, poderá exigir mais personagens que a representem, sejam elas Anastasias ou Kates. Gostem elas de algemas ou não.

Atualizado em 12 Fev 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Logan” e “A Bela e A Fera” são os filmes mais vistos nos cinemas em 2017; confira os números

Veja o balanço completo das bilheterias mundiais em 2017

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro