Guia da Semana

Círculo de Fogo: um colírio para olhos nerds

Guillermo Del Toro resgata referências da juventude em produção megalomaníaca de fã para fã

O novo filme de Guillermo Del Toro, Círculo de Fogo, que chega aos cinemas no dia 9 de agosto, é a expressão mais sincera de um espírito fanático, reverente e, nem é preciso dizer, nerd como o próprio diretor.

+ Veja salas e horários para assistir ao filme
+ Conheça 10 obras que influenciaram Círculo de Fogo 
Confira as estreias da semana nos cinemas  

Num futuro próximo, criaturas chamadas Kaiju se materializam de dentro de uma fenda no Pacífico e atacam as cidades do Oriente. Exércitos se unem e reagem construindo robôs (os Jaegers) para, literalmente, lutarem em defesa da humanidade. Mas esses monstros continuam vindo, com freqüência cada vez maior... E eles são grandes.

À primeira vista (e talvez algumas depois), o que impressiona na superprodução são as dimensões. Tudo é, simplesmente, grande demais. Não que isso seja um defeito: como no mito dos Titãs ou nos filmes do monstro japonês Godzilla, o tamanho representa a opressão e a insignificância do ser humano diante de certas ameaças.

No caso de Godzilla, o inimigo era o armamento nuclear. Em Círculo de Fogo, talvez seja o poder alienante da internet ou a aceleração irrefreável das tecnologias. Dica disso é o fato de que o único robô que se sustenta em pé depois de uma série de ataques é o “analógico” (ou, muito ironicamente, nuclear).

Vale considerar, ainda, a necessidade de que dois pilotos trabalhem juntos para comandar cada robô, ou a urgência de que as nações esqueçam suas diferenças para afastar o estrangeiro. A referência a uma “inteligência coletiva” do lado dos monstros também pode dar o que pensar.

Estão no elenco o astro da série de TV Sons of Anarchy Charlie Hunnam, a japonesa revelada em Babel Rinko Kikuchi e o ainda-não-tão-popular Idris Elba, de Prometheus e Thor. Os dois primeiros têm passados traumáticos e são pilotos daquele Jaeger nuclear, que também tem nome: Gypsy Danger. O terceiro é uma espécie de general, que lidera os pilotos e profere a já famosa frase “Hoje nós vamos cancelar o Apocalipse!”.

Enquanto Jaegers e Kaijus não estão no mar (ou na terra) brigando, seus pilotos têm outros problemas a lidar – questões mal resolvidas com o passado ou com a família, rivalidades, investigações... Mas a profundidade das relações humanas apenas arranha a superfície. Del Toro deixa claro que Círculo de Fogo é um filme para rir, torcer e ter seu queixo derrubado por duas horas diante de efeitos especiais inacreditáveis.

E, sim, eu disse “rir”: dois cientistas meio patetas e um comerciante fora-da-lei representado por Ron Perlman (Hellboy) garantem algumas cenas hilárias em meio à destruição. No final, apesar de uma ou outra explicação questionável sobre a existência dos Kaijus, o resultado é positivo: como em Godzilla, o espectador sai do filme com aquela sensação quase boba de ter se livrado de algo contra o qual nunca poderia, realmente, lutar. Depois, volta para seu Playstation e dorme satisfeito.

Atualizado em 10 Ago 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres