Guia da Semana

Cisne Negro

O longa chama a atenção para a atuação impecável de Natalie Portman no papel principal e para a direção, que mostra a busca da personagem pela perfeição

Foto: Divulgação


Achar que a expressão artística depende apenas do talento de seus criadores é pura ingenuidade do público. Pouca gente sabe o quanto a arte pode ser dolorosa, obsessiva ou até mesmo sádica. Talvez por isso, o filme Cisne Negro, dirigido por Darren Aronofsky, esteja levantando tanta polêmica.

Com quatro indicações ao Globo de Ouro e cinco ao Oscar, incluindo Melhor Filme, o longa retrata as agruras vividas por uma bailarina que sofre alucinações quando é convidada a assumir o papel principal do balé O Lago dos Cisnes

Aronofsky talvez tenha se deixado influenciar pelo argumento do filme - que deflagra a obsessão dos bailarinos pelo perfeccionismo técnico - ao trabalhar com as complexas cenas másteres, isto é, sequências inteiras filmadas em apenas uma tomada.

O esforço valeu a pena. A direção emprestou ansiedade e frenesi à ótima interpretação da protagonista Natalie Portman e provocou uma proximidade física do público com a sua personagem. Em determinado momento, é possível ouvir as pessoas torcendo pelo sucesso da bailarina e compreendendo o seu estado de vulnerabilidade. Também é possível sentir sua ambição, seu prazer sexual, seu cansaço e entender suas paranoias. Para que a relação personagem/público se consolidasse ainda mais, a direção deveria ter assumido os momentos de terror do filme ao invés de amenizá-los. Na verdade, longe de dar medo, algumas dessas cenas chegam a ser engraçadas.

O filme denuncia, de modo velado, o abuso, a pressão e as disputas que acontecem dentro das companhias de dança, e que acabam minando a condição psicológica das bailarinas. Essas moças, em busca de superação, são levadas ao limite de suas forças, mas sempre em detrimento de suas integridades físicas, psicológicas e morais.

Tenho a impressão de que Cisne Negro não agradará a todos, mas que será um sucesso de bilheteria, justamente por conta das críticas divergentes lidas na imprensa e das opiniões conflituosas de seus espectadores. É o meu voto para o Oscar de Melhor Filme em 2011.
 
Leia as colunas anteriores de João Pedro Roriz:

Aversão da vida a dois

Tron e seus efeitos especiais

A versão 2010 de Hair

Quem é o colunista:"Sou um bandido corrompido pelas paragens do bem, muito além do homem descrito como poeta".

O que faz: Escritor, jornalista e ator. Autor de nove livros e peças de teatro. Faz palestras em escolas de todo o Brasil. É apresentador do programa "Rio Cultural", da Rádio Rio de Janeiro.

Pecado gastronômico: Todos, principalmente cerveja quando sai com os amigos!

Melhor lugar do mundo: Sua casa, principalmente na hora de escrever e/ou quando os parentes e os amigos o visitam.

O que está ouvindo no carro, iPod, mp3: É muito fã de Chico Buarque. Também gosta de música clássica, ópera, rock e MPB.

Para falar com ele: jproriz@gmail.com, ou no seu site.


 

 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Remake de "Rei Arthur" ganha novo trailer ao som de Led Zeppelin

Com direção de Guy Ritchie, longa chega aos cinema de maio

Emma Watson aparece cantando em novo vídeo de "A Bela e a Fera"

Atriz interpreta a canção "Belle", uma das primeiras do filme

Novos comerciais de "A Bela e a Fera" mostram cenas inéditas do filme

Live-action chega ao Brasil no dia 16 de março

Waiting for B. - documentário revela a rotina dos fãs que acamparam para ver show da Beyoncé

Filme integra a programação da Sessão Vitrine e estreia no dia 2 de março

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

"Mulher-Maravilha" ganha coleção de colecionáveis pela Funko

Lançamento vem para entrar no clima do novo filme da heroína