Guia da Semana

Com grandes atuações, “O Ano Mais Violento” é um filme para ser visto e revisto

Oscar Isaac e Jessica Chastain lideram a trama de corrupção e sobrevivência numa Nova York incontrolável

Depois de “A Hora Mais Escura”, “Interestelar” e “Dois Lados do Amor”, não resta dúvida de que Jessica Chastain é um dos nomes mais quentes da temporada. Em “O Ano Mais Violento”, porém, não é só ela que brilha, mas também seu parceiro de cena Oscar Isaac, que, com uma atuação forte e segura, lidera esta história hipnotizante de corrupção, violência e luta pelo sonho americano.

O filme de J. C. Chandor (“Até o Fim”) transpira tensão, desde a transação de maletas de dinheiro nas cenas iniciais até o disparo fatídico que encerra o drama, revelando lados até então desconhecidos do caráter de cada personagem. O roteiro e as interpretações, propositalmente, constroem protagonistas dúbios, colocando o espectador na mesma posição de insegurança que a cidade de Nova York em 1981 – o ano mais violento já registrado.

Jessica Chastain  e Oscar Isaac em "O Ano Mais Violento"

A atmosfera é reforçada por notícias de rádio, que preenchem a trilha sonora nos momentos de calmaria: são relatos cotidianos de assaltos e assassinatos, conectados ou não à história de Abel (Isaac) e Anna (Chastain). Os dois imigrantes são proprietários de uma empresa de combustíveis e vêm sentindo na pele a hostilidade do país.

O casal acaba de comprar uma nova casa e dar entrada num grande terreno que pode impulsionar os negócios, quando a realidade mostra seus dentes. Primeiro, são os caminhões sequestrados cheios de carga; depois, um ataque mais pessoal à casa da família. Quem estaria por trás disso tudo?

Abel e Anna não sabem quem são seus inimigos de fato, mas têm uma grande lista de suspeitos, com quem negociam diariamente e mantêm uma relação de cavalheiros, num universo que, como o próprio protagonista nota e repudia, faz lembrar o de máfias e gângsteres.

Cena de "O Ano Mais Violento"

Abel, inclusive, carrega traços corleonescos trabalhados intensivamente por Isaac, como a fala pausada, o insistente contato visual e a calma calculista com que planeja cada passo. Seu personagem, como o Dom, também mostra alguma ingenuidade ao considerar-se imune à corrupção e à violência, mesmo quando se vê obcecado por crescimento e poder.

Se Abel conquista o interesse do público graças a essa personalidade contraditória, Anna é ainda mais intrigante. Esposa dedicada, mãe e contadora da empresa, ela aos poucos deixa claro que tem um lado mais selvagem, e que pode ativá-lo a qualquer momento caso seu marido não dê conta da situação.

O que atrai em “O Ano Mais Violento” não é a ação em si, mas a forma como sentimos a pressão crescente se acumulando sobre Abel. Ele precisa proteger a casa, pagar uma dívida e garantir que sua empresa não vá à falência enquanto um ladrão desconhecido cerca sua mercadoria e seus funcionários – tudo isso sem abrir mão de seus valores. Qualquer um iria à loucura, mas não ele.

O filme faz sua declaração sobre moral e violência com elegância – sem recorrer a grandes tiroteios ou chacinas. Aliás, há pouquíssimas gotas de sangue em todo o longa – mas o impacto dessas poucas é muito mais significativo e profundo. Que o cinema aprenda com isso e que “O Ano Mais Violento” seja visto e revisto.

Atualizado em 26 Mar 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

15 Filmes para ver em streaming e curtir o feriado no sofá

Neste Dia do Trabalho, assista aos melhores filmes em cartaz nos serviços de streaming

“La La Land” chega ao streaming para deixar seu feriado mais perfeito

Filme com Emma Stone e Ryan Gosling estreia no Looke, Now, Vivo Play e Google Play.

10 Filmes da seleção de Cannes que você vai querer ver em 2017

Biografia de Godard e novos filmes de Michael Haneke e Roman Polanski são destaques no festival

Filmes exibidos em Cannes têm desconto no streaming no mês de maio

Now e ITunes fazem promoção cinéfila para acompanhar o festival

26 remakes ou reboots que você nem acredita que estão nos planos de Hollywood

"Os Pássaros", "A Mosca" e "Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado" estão entre os filmes que podem ganhar novas versões nos cinemas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas