Guia da Semana

Com roteiro denso, "Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa" denuncia a apatia da sociedade

Road movie, noir e cinema marginal unem-se no segundo longa de Gustavo Galvão

Um homem caminha por um estrada ensolarada em algum lugar distante do Brasil. É possível sentir o calor do sol atravessar a tela. Após os créditos iniciais, o título "Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa" anuncia o que nos espera nos próximos 96 minutos de longa. O segundo filme do diretor candango Gustavo Galvão chega aos cinemas na próxima quinta, 14, após passar com louvor em festivais como Brasília, Tiradentes e a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Elementos do road movie, do Noir francês e do Cinema Marginal brasileiro misturam-se e, como em um denso mosaico das relações humanas, mostram-se mais do que um filme, e sim, um verdadeiro manifesto da contra-cultura.

Sem pressa, conhecemos a história de Pedro: poeta frustrado, jornalista, divorciado. Fugiu de casa, pegou o carro e não faz ideia de onde ir. Uma coisa é certa: esse lugar é longe de Brasília e da vida que deixou por lá. No caminho, conhece Lucas, figura enigmática e subversiva com quem passa a dividir suas aventuras na estrada. Em meio ao tráfico, ao crime e à prostituição percebem ter mais em comum do que os mais de 30 anos que dividem. A vontade de fugir e de se desligar do mundo os unem, cada um a sua maneira, criando a improvável ciclo da relação entre os dois.  

Com "Nove Crônicas para um Coração aos Berros", em 2012, Gustavo Galvão estreou nas telonas. Sua experiência como diretor, entretanto, vem de antes. Curtas como "A Vida ao Lado" e "A Minha Maneira de Estar Sozinho" não são tão diferentes do que vimos em "Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa" e tampouco do que vivemos diariamente: as trapaças da vida, as relações conturbadas e , por fim, o grito sufocado de "eu não aguento mais”.

E se, como road movie qualquer, você espera um destino cujas angústias são superadas, o filme de Galvão, assim como a vida, não termina assim. As respostas buscadas não são encontradas e percebemos que a máscara do marginal liberto esconde um sujeito comum e perdido em si. Desprovido de uma conclusão propriamente dita, "Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa" tenta, entretanto, nos mostrar saídas. A estrada é uma delas. O cinema também. 

ASSISTA SE VOCÊ:

- Gosta de road movies
- Procura um filme denso e violento 
- Aprecia cinema brasileiro independente

NÃO ASSISTA SE VOCÊ:

- Não gosta de road movies 
- Procura um filme mais leve
- Prefere lançamentos comerciais 

Atualizado em 4 Ago 2014.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

10 Filmes sul-coreanos que você precisa conhecer

Filmes como “A Criada” e “Invasão Zumbi” são exemplos do crescimento do cinema comercial no país

Michael Fassbender fala sobre a adaptação de “Assassin’s Creed” para os cinemas

Filme estreia no Brasil no dia 12 de janeiro

Natalie Portman encarna a Sra. Kennedy no pesado e surpreendente “Jackie”

Filme reconta o assassinato do presidente americano sob o ponto de vista da primeira-dama

Andrew Garfield fala sobre selinho em Ryan Reynolds no Globo de Ouro - e repete a dose em apresentador!

Ao falar sobre o assunto, Garfield beijou Stephen Colbert

“Moonlight” chega aos cinemas brasileiros às vésperas do Oscar 2017

Filme narra a história de um garoto negro que se descobre gay numa comunidade preconceituosa e violenta

Will Smith pode protagonizar nova versão de "Dumbo", de Tim Burton

Produção está entre os projetos futuros da Disney