Guia da Semana

Comédia francesa “Wrong” faz paródia da vida moderna

Diretor explora surrealismo para criticar auto-ajuda, publicidade e romantismo adolescente

A nova comédia nonsense do diretor Quentin Dupieux, Wrong (errado, em inglês), chegou aos cinemas na última sexta-feira, dia 2 de agosto, trazendo um frescor mais provocativo à leva de super-heróis e filmes-família que preencheram os cinemas durante as férias de julho. Com um roteiro aparentemente despretensioso, Dupieux extrai um retrato crítico e impiedoso da atualidade.

+ Confira as estreias da semana nos cinemas
+ Veja salas e horários para assistir a Wrong 

Dolph (Jack Plotnick) é o protagonista: um homem comum num universo retrô (que lembra um pouco a nostalgia surrealista de Michel Gondry em A Espuma dos Dias), que veste um robe ao acordar e chama seu cachorro Paul para acompanhá-lo no café-da-manhã. O problema, neste dia em particular, é que Paul não responde. Ele desapareceu.

A confusão mental de Dolph ao perceber a falta do animal se reflete em diálogos sem sentido com o vizinho, com uma atendente da pizzaria local e com o jardineiro, Victor (Eric Judor). Aos poucos, o espectador percebe o quão sensorial é o filme de Dupieux: os sentimentos são traduzidos em imagens ou situações, ao invés de expressados com palavras, como no “clima pesado” do escritório, na transformação da árvore no jardim ou na jornada por auto-conhecimento do vizinho.

Jack Plotnick em cena do escritório em Wrong

A busca pelo cão revela um esquema organizado por um guru de auto-ajuda em relacionamentos, que planta em seus clientes a necessidade pelo tratamento oferecido por ele – como na publicidade, que trabalha para tornar desejáveis ao usuário os objetos que fabrica. A relação entre auto-ajuda e publicidade fica clara quando surge um personagem cuja função é pintar carros, aleatoriamente, caso seus donos tenham desejado outra cor.

A crítica, portanto, recai sobre a sociedade de consumo e o estilo de vida ocidental contemporâneo, ancorado numa espiritualidade fabricada e calculada (o “guru” vende seus livros a Dolph como parte do tratamento). Caem na “rede” do diretor, ainda, questões como o amor e a espionagem, temas populares na ficção contemporânea, que são aqui desconstruídos até tocarem o ridículo.

Com toda essa mistura, a loucura inicial de Wrong ganha, aos poucos, traços mais familiares e surpreendentemente divertidos. Ideais para fugir da monotonia dos blockbusters.

Assista se você:

- Aprecia o cinema francês

- Gosta de comédias nonsense

- Procura um filme diferente

Não assista se você:

- Prefere blockbusters

- Quer ver um filme para relaxar

- Não gosta de surrealismo

Atualizado em 5 Ago 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Remake de "Rei Arthur" ganha novo trailer ao som de Led Zeppelin

Com direção de Guy Ritchie, longa chega aos cinema de maio

Emma Watson aparece cantando em novo vídeo de "A Bela e a Fera"

Atriz interpreta a canção "Belle", uma das primeiras do filme

Novos comerciais de "A Bela e a Fera" mostram cenas inéditas do filme

Live-action chega ao Brasil no dia 16 de março

Waiting for B. - documentário revela a rotina dos fãs que acamparam para ver show da Beyoncé

Filme integra a programação da Sessão Vitrine e estreia no dia 2 de março

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

"Mulher-Maravilha" ganha coleção de colecionáveis pela Funko

Lançamento vem para entrar no clima do novo filme da heroína