Guia da Semana

Comédia francesa “Wrong” faz paródia da vida moderna

Diretor explora surrealismo para criticar auto-ajuda, publicidade e romantismo adolescente

A nova comédia nonsense do diretor Quentin Dupieux, Wrong (errado, em inglês), chegou aos cinemas na última sexta-feira, dia 2 de agosto, trazendo um frescor mais provocativo à leva de super-heróis e filmes-família que preencheram os cinemas durante as férias de julho. Com um roteiro aparentemente despretensioso, Dupieux extrai um retrato crítico e impiedoso da atualidade.

+ Confira as estreias da semana nos cinemas
+ Veja salas e horários para assistir a Wrong 

Dolph (Jack Plotnick) é o protagonista: um homem comum num universo retrô (que lembra um pouco a nostalgia surrealista de Michel Gondry em A Espuma dos Dias), que veste um robe ao acordar e chama seu cachorro Paul para acompanhá-lo no café-da-manhã. O problema, neste dia em particular, é que Paul não responde. Ele desapareceu.

A confusão mental de Dolph ao perceber a falta do animal se reflete em diálogos sem sentido com o vizinho, com uma atendente da pizzaria local e com o jardineiro, Victor (Eric Judor). Aos poucos, o espectador percebe o quão sensorial é o filme de Dupieux: os sentimentos são traduzidos em imagens ou situações, ao invés de expressados com palavras, como no “clima pesado” do escritório, na transformação da árvore no jardim ou na jornada por auto-conhecimento do vizinho.

Jack Plotnick em cena do escritório em Wrong

A busca pelo cão revela um esquema organizado por um guru de auto-ajuda em relacionamentos, que planta em seus clientes a necessidade pelo tratamento oferecido por ele – como na publicidade, que trabalha para tornar desejáveis ao usuário os objetos que fabrica. A relação entre auto-ajuda e publicidade fica clara quando surge um personagem cuja função é pintar carros, aleatoriamente, caso seus donos tenham desejado outra cor.

A crítica, portanto, recai sobre a sociedade de consumo e o estilo de vida ocidental contemporâneo, ancorado numa espiritualidade fabricada e calculada (o “guru” vende seus livros a Dolph como parte do tratamento). Caem na “rede” do diretor, ainda, questões como o amor e a espionagem, temas populares na ficção contemporânea, que são aqui desconstruídos até tocarem o ridículo.

Com toda essa mistura, a loucura inicial de Wrong ganha, aos poucos, traços mais familiares e surpreendentemente divertidos. Ideais para fugir da monotonia dos blockbusters.

Assista se você:

- Aprecia o cinema francês

- Gosta de comédias nonsense

- Procura um filme diferente

Não assista se você:

- Prefere blockbusters

- Quer ver um filme para relaxar

- Não gosta de surrealismo

Atualizado em 5 Ago 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Rita Repulsa, Zordon e Alpha 5 estão no novo trailer dos "Power Rangers"; assista

Remake da série dos anos 90 estreia em março

“xXx: Reativado” – terceiro filme da franquia estrelada por Vin Diesel estreia nesta quinta

Longa traz Nina Dobrev no elenco e tem participação de Neymar Jr.

“Não há nada que ela não possa fazer”, diz Ryan Gosling sobre Emma Stone em entrevista exclusiva

Atores trocaram elogios na pré-estreia de “La La Land” em Los Angeles

Confira o novo (e lindo) pôster de "A Bela e a Fera"

Novo live-action da Disney estreia no dia 17 de março

Pixar lança vídeo mostrando que os seus filmes estão realmente conectados; vem ver!

Brinquedos de "Toy Story" em "Monstros S.A." e outras conexões!

Reese Witherspoon quer fazer "Legalmente Loira 3"

"As mulheres precisam desse tipo de positividade hoje em dia", disse a atriz ao E! News