Guia da Semana

Crítica: “A Dama Dourada” conta a história da herdeira do quadro mais famoso de Klimt

Filme traz uma perspectiva atual para a polêmica das obras de arte roubadas pelos nazistas

Uma biografia bem feita não conta apenas a história de uma pessoa, mas revela os segredos de uma época e levanta questões para as gerações seguintes. É por isso que “A Dama Dourada” consegue deixar sua marca, mesmo narrando um episódio tão específico da História da Arte: o processo de restituição do quadro de Adèle Bloch-Bauer por Maria Altmann.

Helen Mirren interpreta Altmann com a gravidade necessária a uma personagem que sobreviveu ao Holocausto, mas precisou, para isso, romper com suas raízes austríacas e se mudar para os Estados Unidos. É para se reconectar com esse passado que ela decide reaver o retrato de sua tia Adèle, pintado por Gustav Klimt anos antes da chegada do exército nazista a Viena.

A situação é delicada porque o quadro, a essa altura, já se tornara um patrimônio nacional e era a peça de maior orgulho do museu Belvedere, em Viena. Além disso, Adèle, que morrera antes do início da guerra, deixara a obra em testamento para o museu, sem imaginar que o quadro seria apropriado pelo regime nazista enquanto sua família judia era perseguida e assassinada.

Quem assume o caso é o advogado Randy Schoenberg (Ryan Reynolds), neto de um famoso compositor e filho de uma grande amiga de Maria, outra fugitiva da guerra. Hesitante no início, ele começa a se envolver e se reconectar com as próprias origens enquanto pesquisa as de sua cliente. A relevância da História, até então ignorada e inclusive repudiada por ele (constantemente cobrado por seu sobrenome ilustre), vai se construindo diante de seus olhos, na forma de lágrimas reprimidas.

“A Dama Dourada” é uma obra obrigatória para quem gosta de arte, História e direito. Não parece haver uma resposta certa sobre quem deveria ficar com o quadro, mas o drama é real e muito atual. Certos elementos do passado, fica claro, ainda têm um peso enorme no presente e têm sido varridos para debaixo do tapete sob a desculpa de que “não fomos nós que erramos”. Independente de nossas opiniões, porém, discutir é essencial e conhecer uma história como esta ajuda a repensar.

Atualizado em 14 Ago 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Diretor de "Os Vingadores" comandará filme solo da Batgirl

Ainda não há previsão de estreia

Pixar divulga curta para apresentar personagem (fofo!) de sua nova animação

O cachorrinho Dante estará em "Viva - A Vida é uma Festa"

“It”: terror baseado em obra de Stephen King ganha trailer sinistro

Filme com ator de Stranger Things estreia em setembro nos cinemas

“A Vigilante do Amanhã – Ghost in the Shell”: tudo o que você precisa saber sobre o filme

Longa com Scarlett Johansson é um espetáculo visual e um remake fiel – mas as discussões filosóficas já não impressionam mais

Novo trailer de “Valerian e A Cidade dos Mil Planetas” mostra a exuberância de seu universo fantástico

Filme de Luc Besson chega aos cinemas no dia 10 de agosto

Infância de Pharrell Williams será retratada em musical de Hollywood

"Atlantis" terá produção da FOX e direção de Michael Mayer